Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Auto da Compadecida

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.01.2016
11.03.1957 Brasil / São Paulo / São Paulo – Teatro Natal
Peça de Ariano Suassuna (1927-2014) que se utiliza, em grande medida, de conteúdos populares. Encenada em 1956 pelo Teatro Adolescente de Recife, obtém êxito imediato no sul do país após a apresentação do grupo, em 1957, no Rio de Janeiro, no Festival de Teatros Amadores do Brasil, coordenado por Paschoal Carlos Magno (1906-1980).

Texto

Abrir módulo

Histórico

Peça de Ariano Suassuna (1927-2014) que se utiliza, em grande medida, de conteúdos populares. Encenada em 1956 pelo Teatro Adolescente de Recife, obtém êxito imediato no sul do país após a apresentação do grupo, em 1957, no Rio de Janeiro, no Festival de Teatros Amadores do Brasil, coordenado por Paschoal Carlos Magno (1906-1980).

Escrita por Ariano Suassuna em 1955, é a mais festejada peça do líder do Movimento Armorial, a que mais fundo deita raízes no romanceiro popular. Suas matrizes são folhetos de cordel e um entremez (pequena farsa em um ato) do próprio autor, O Castigo da Soberba. O enredo apresenta personagens corruptas, levadas a um julgamento no céu. Há hilariantes situações de embuste, como o testamento e o enterro do cachorro, o gato que defeca dinheiro e a gaita mágica que ressuscita os mortos, temas multisseculares fornecidos pelos folhetos ao autor. Entre as figuras destacam-se João Grilo e Chicó, amarelinhos que espertamente invocam Nossa Senhora como advogada de ambos. Opondo Deus e o Diabo, o bem e o mal, e costurado com humor popular e uma série de achados teatralmente bem construídos, o texto possui alta comunicabilidade.

O enorme sucesso alcançado no Rio de Janeiro leva o encenador Hermilo Borba Filho (1917-1976), antigo companheiro de Ariano no Teatro Popular do Nordeste, a realizar uma encenação da peça em São Paulo.

Produzida pelo Studio Teatral de Nélson Duarte, a encenação ocorre no Teatro Natal, reunindo um elenco misto de jovens iniciantes e atores de televisão. Destacam-se, entre eles, Nélson Duarte, Milton Ribeiro, Felipe Carone, Ceci Pinheiro e Córdula Reis. Décio de Almeida Prado (1917-2000) comenta a montagem: "Seria fácil deixarmo-nos contagiar pelo entusiasmo gerado por uma bela peça e um simpático espetáculo, afirmando que a encenação do Teatro Natal esteve perfeita. Não é verdade. Há duas maneiras ideais de encenar A Compadecida: ou com total ingenuidade (parece que foi esse o segredo do espetáculo pernambucano que se apresentou recentemente no Rio, tirando o primeiro prêmio de um concurso entre amadores); ou com técnica refinadamente profissional, chegando ao primitivo por intermédio do saber artesanal. A encenação de Hermilo Borba Filho, embora com muitas qualidades, teve um pouco o defeito de ficar entre uma coisa e outra. O texto estava compreendido, a atmosfera geral certa, mas os atores ficaram em relativa liberdade. Os já de experiência de palco, salvaram-se brilhantemente: Milton Ribeiro, de grande simplicidade e dignidade, como Jesus; Córdula Reis, Felipe Carone e, sobretudo, Armando Bógus (19330-1993), em admirável progresso, excepcional João Grilo. Os outros, em sua maioria, eram estudantes e deixaram-no perceber".1

Entusiasmando a crítica e o público, a peça vai conhecer, em seguida, novas produções, tais como a realizada, em 1959, pelo Teatro Paulista de Comédia, destacando Agildo Ribeiro como João Grilo e cenografia de Clóvis Graciano (1907-1988); e, no ano seguinte, a do Pequeno Teatro de Comédia, com direção de Ademar Guerra (1933-1993), que destaca Armando Bógus. São realizadas inúmeras encenações ao longo das décadas seguintes. Em 1987, o filme Os Trapalhões no Auto da Compadecida oferece uma visão muito divertida e competente da peça. O texto é adaptado para a televisão nos anos 1990, versão transposta para o cinema, numa excelente direção de Guel Arraes.

É patente o entusiasmo do crítico Miroel Silveira (1914-1988) ao comentar a primeira encenação em São Paulo: "A Compadecida é isso: a afirmação de que as velhas fórmulas do auto medieval e do romanceiro popular podem encontrar-se e produzir um novo resultado, uma experiência forte, legítima e contagiante. Mais do que no palco, é na platéia que se realiza o espetáculo de A Compadecida, quando vemos o público sofrer com os bons espezinhados, e rir da vitória final de tudo quanto é humanamente válido. (...) Ainda não agradecemos a Hermilo Borba Filho a tenacidade e o amor de alheio autor, num gesto dignificante de amizade e elevação profissional. (...) Só recentemente conseguiu encená-la, ao encontrar no Studio Teatral de Nélson Duarte o ambiente propício para a peça, que acabou conquistando enorme público".2

Notas

1. PRADO, Décio de Almeida. Teatro em progresso. São Paulo: Martins, 1964, p. 53-54.

2. SILVEIRA, Miroel. Auto da Compadecida. In: _____. A outra crítica. São Paulo: Símbolo, 1976. p. 249.

 

Ficha Técnica

Abrir módulo
Autoria
Ariano Suassuna (Prêmios Saci e Associação Paulista de Críticos Teatrais - APCT)

Direção
Hermilo Borba Filho

Cenografia
Antônio Faria

Figurino
Antônio Faria

Elenco
Ângelo Diaz / Auto da Compadecida
Armando Bógus / João Grilo
Cici Pinheiro / Auto da Compadecida
Consuelo Leandro
Córdula Reis / Auto da Compadecida
Dalmo Ferreira / Auto da Compadecida
Felipe Carone / Auto da Compadecida
Jorge Nader / Cabra
José Pinheiro / Auto da Compadecida
Milton Gonçalves / Auto da Compadecida
Milton Ribeiro Manuel / Auto da Compadecida
Nélson Duarte / Auto da Compadecida
Samuel dos Santos / Auto da Compadecida
Taran Dach / Auto da Compadecida
Thales Maia / Auto da Compadecida
Theotônio Pereira / Auto da Compadecida
Zeluiz Pinho / Auto da Compadecida

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • AUTO DA COMPADECIDA (Auto Sacramental Nordestino). Direção Hermilo Borba Filho. São Paulo, 1957. 1 folder. Programa do espetáculo, em 1957.
  • MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. Rio de Janeiro: MEC / Funarte, 1962. 274 p.
  • MAGALDI, Sábato; VARGAS, Maria Thereza. Cem anos de teatro em São Paulo (1875-1974). São Paulo: Senac, 2000.
  • PRADO, Décio de Almeida. Teatro em progresso: crítica teatral, 1955-1964. São Paulo: Martins, 1964.
  • SILVEIRA, Miroel. A outra crítica. São Paulo: Símbolo, 1976.
  • VASSALO, Ligia. O Grande Teatro do Mundo. In: Ariano Suassuna, Cadernos de Literatura Brasileira. São Paulo, Instituto Moreira Salles, novembro de 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: