Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Anjo Negro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.12.2015
02.04.1948 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro – Teatro Fênix
Registro fotográfico autoria desconhecida

Anjo Negro, 1948
Maria Della Costa
Acervo Cedoc/FUNARTE

O espetáculo de estreia do Teatro Popular de Arte (TPA), de Maria Della Costa (1926-2015) e Sandro Polloni (1921-1995), causa um escândalo sem precedentes no teatro brasileiro. Na encenação exuberante de Ziembinski (1908-1978), a montagem marca a volta aos palcos da atriz Itália Fausta (1879-1951) e afirma o pioneirismo da jovem companhia.

Texto

Abrir módulo

Histórico
O espetáculo de estreia do Teatro Popular de Arte (TPA), de Maria Della Costa (1926-2015) e Sandro Polloni (1921-1995), causa um escândalo sem precedentes no teatro brasileiro. Na encenação exuberante de Ziembinski (1908-1978), a montagem marca a volta aos palcos da atriz Itália Fausta (1879-1951) e afirma o pioneirismo da jovem companhia.

A histórica montagem de Vestido de Noiva, em 1943, se torna um marco pela encenação de Ziembinski, enquanto o texto de Nelson Rodrigues (1912-1980) chama a atenção mais pelo jogo de planos de ação do que pelo comportamento das personagens. Em Anjo Negro, a grande plasticidade usada pelo diretor não esconde a explosão trágica do texto, baseada no efeito do preconceito racial sobre o comportamento humano. A peça de Nelson Rodrigues, censurada por seis votos contra um, julgada pelo chefe de Polícia, pelo ministro da Justiça e finalmente liberada, atinge a moral da família burguesa e coloca o dedo na ferida do mal disfarçado racismo brasileiro.

A questão é tratada de forma aparentemente paradoxal. O negro Ismael, por odiar a própria cor, repudia tudo o que possa estar associado à sua raça - da religião aos hábitos culturais. Sua mãe o amaldiçoa depois de ele cegar Elias, o irmão de criação branco. Casado com a branca Virgínia contra a vontade dela, Ismael se torna cúmplice da mulher, que assassina os próprios filhos por serem negros. Virgínia sente pelo marido um misto de repugnância e paixão. Ao nascer Ana Maria, filha branca de Virgínia com Elias, Ismael a cega para que ela nunca veja a negritude paterna. Vendo ali o início de uma relação incestuosa, Virgínia, sempre com a cumplicidade do marido, acaba por matar a filha, quando esta se torna adolescente.

No Correio da Manhã, uma crítica estreante não titubeia em aplaudir a tentativa de interdição da peça e considerá-la um "ponto de partida para uma luta de raça, com o intuito de engendrar ódios e desordens sociais".1 Um grupo de senhoras, ex-alunas do Colégio Sacré-Coeur, se reúne sob a presidência do reitor do Colégio Santo Inácio e consegue 64 assinaturas para um documento que apóia a ação da censura. Nos jornais, a polêmica gira em torno do uso de músicas e orações católicas durante a cena do funeral.

Alguns críticos julgam excessiva a plasticidade expressionista da encenação e tentam explicá-la pela necessidade de desumanizar as personagens para "criar uma atmosfera estranha, de pesadelo, propícia ao florescimento e expansão de todas as taras, todas as aberrações e perversões do instinto".2 Outros consideram que o espetáculo "não é a vitória de um autor, mas de um diretor" que "substituiu a interpretação e o texto pela encenação".3 Paschoal Carlos Magno (1906-1980) exalta as inovações técnicas e artísticas da linguagem:

"Seus cenários, desdobrando planos, na sua largura, profundidade e altura, permitem ao diretor agrupar, aumentar, diminuir, fazer desaparecer, como por passes mágicos, auxiliado por efeitos luminosos, os intérpretes. Cada marcação - percebe-se logo - foi estudada e realizada com sensibilidade e inteligência. O primeiro ato é uma lição de direção cênica".4

Pouco se fala dos atores, postos à prova pela grande carga dramática e pelo rigoroso desenho formal. E mesmo os comentários mais positivos, quando se louva a dedicação e a concentração de Maria Della Costa, excluem os intérpretes do relativo êxito da montagem, considerando que foram abafados e apiedando-se do seu esforço.

Em todas as abordagens, o texto é visto como o único elemento definitivamente negativo. O autor Nelson Rodrigues é alvo de ironias e rejeição por parte de críticos que afirmam faltar ao persistente candidato a autor os méritos mais básicos para o ofício.

Anjo Negro faz temporada de um mês e meio no Rio de Janeiro e, em seguida, viaja para São Paulo, onde Décio de Almeida Prado (1907-2000) considera que o espetáculo traz, em seus planos assimétricos, suas escadas irregulares e interpretações coreografadas, o melhor do estilo de Ziembinski, já revelado em Vestido de Noiva e em Pelleas e Melisanda. Embora o trabalho dos atores mereça algumas restrições, o texto é considerado o ponto vulnerável da iniciativa. Segundo o crítico, os diálogos fracos, as deficiências na estrutura e a "insuficiência poética, literária e até teatral"5 não conseguem ser corrigidos pelo poderoso conteúdo.

Notas
1 RIBEIRO, Violeta. A respeito de 'Anjo Negro'. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 11 abr. 1948.
2 NUNES, Mário. O 'Anjo Negro', tragédia em três atos de Nelson Rodrigues. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 6 abr. 1948.
3 MAGNO, Paschoal Carlos. 'Anjo Negro', no Fênix. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 6 abr. 1948.
4 Ibid.
5 PRADO, Décio de Almeida. 'Anjo Negro'. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 4 fev. 1949.

Ficha Técnica

Abrir módulo
Autoria
Nelson Rodrigues

Direção
Ziembinski

Cenografia
Sandro Polloni
Ziembinski

Coreografia
Helena Villar

Elenco
Augusta Silva / Anjo Negro
Aurora Labella / Anjo Negro
Eunice Fernandes / Anjo Negro
Geraldo Pereira / Anjo Negro
Itália Fausta / Anjo Negro
Jorge Aguiar / Anjo Negro
Josef Guerreiro / Anjo Negro
Maria Della Costa / Anjo Negro
Maria Oliveira / Anjo Negro
Milton Rocha / Anjo Negro
Nicette Bruno / Anjo Negro
Nieta Junqueira / Anjo Negro
Orlando Guy / Anjo Negro
Paula Silva / Anjo Negro
Pérola Negra / Anjo Negro
Regene Mileti / Anjo Negro
Rosely Mendes / Anjo Negro
Yara Brasil / Anjo Negro
Zeni Pereira / Anjo Negro

Produção
Sandro Polloni

Obras 1

Abrir módulo
Registro fotográfico autoria desconhecida

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • MICHALSKI, Yan: Ziembinski e o Teatro Brasileiro. São Paulo: Hucitec / MEC / Funarte, 1995.
  • RODRIGUES, Nelson. Teatro completo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. v. 2. Peças míticas.
  • SILVA, Tânia Brandão da. Peripécias modernas: companhia Maria Della Costa. 1998. 204 p. Tese (Doutorado em História da Arte) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: