Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Apareceu a Margarida

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.07.2021
05.09.1973 - 17.02.1974 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro – Teatro Ipanema
Registro fotográfico autoria desconhecida

Marília Pêra em cena de Apareceu a Margarida, 1973
Marília Pêra
Acervo Cedoc/FUNARTE

Texto de estréia de Roberto Athayde (1949), que escreve este monólogo aos 22 anos. Apareceu a Margarida é encenado por Aderbal Freire-Filho (1941) e protagonizado por Marília Pêra (1943-2015), com grande sucesso.

Texto

Abrir módulo

Texto de estréia de Roberto Athayde (1949), que escreve este monólogo aos 22 anos. Apareceu a Margarida é encenado por Aderbal Freire-Filho (1941) e protagonizado por Marília Pêra (1943-2015), com grande sucesso.

O autor constrói uma imagem cênica pessoal e original em que a metáfora do poder se encarna em Dona Margarida, professora primária que quer educar seus alunos segundo métodos autoritários e bastante violentos. Na crítica ao espetáculo, Yan Michalski (1932-1990) escreve: "Dona Margarida [...] afirma insistentemente querer o nosso bem: 'D. Margarida é uma segunda mãe para vocês'. Mas os métodos de que ela se vale para levar-nos ao paraíso do saber e da boa educação são tão ilógicos e neuróticos que nos sentimos dominados por uma força cega e onipotente, contra a qual não adianta reagir - e, aliás, ela não nos deixa a menor chance de reação. À medida que a aula progride, acabamos mergulhando numa sensação de terror diante do processo irracional do qual estamos sendo passivos objetos, vítimas e hipotéticos - mas implausíveis-futuros beneficiários. [...]

Esse mergulho no terror, entretanto, é realizado pelo autor com um senso de humor que torna a aula extremamente atraente para os alunos-espectadores. O texto de Roberto Athayde é brilhantemente colorido e inventivo, com achados cômicos que se atropelam um atrás do outro, alguns dos quais de uma virulência inesperada. [...]

Ela [Marília Pêra] revela qualidades de atleta, acrobata, palhaço, mulher atraentíssima, monstro, e sobretudo atriz completa: engraçadíssima, comovente, espalhando diante de nós uma fabulosa gama de recursos interpretativos, colorindo seu longo discurso com permanentes e surpreendentes mudanças de tom, tempo e intenção. [...]"1

Apesar de ser o texto de estréia de Roberto Athayde, Apareceu a Margarida, apesar de primeiro, é seu trabalho mais representativo e ganha inúmeras montagens no país e no exterior, sendo encenada em mais de trinta países, e tendo como intérpretes e diretores nomes como Annie Girardot na França, com direção de Jorge Lavelli, 1974; Anna Proclemer na Itália, direção de Giorgio Albertazzi, 1975; Estelle Parsons nos Estados Unidos, com o próprio autor assumindo a direção, 1977; e uma encenação na Grécia assinada por Michael Cacoyannis, 1975.

Nota

1. MICHALSKI, Yan. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 11 set. 1973. Caderno B.

Ficha Técnica

Abrir módulo
Autoria
Roberto Athayde

Direção
Aderbal Freire-Filho

Cenografia
Bina Fonyat

Figurino
Bina Fonyat

Elenco
Beth Erthal / substituiu Marilia Pera em excursão
Ivan Pontes
Marília Pêra (Prêmios Molière e Governador do Estado)

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 8

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • APARECEU a Margarida. Rio de Janeiro: CEDOC / Funarte. Dossiê Espetáculos Teatro Adulto.
  • MARINHO, Flávio. O Globo, Rio de Janeiro, 2 fev. 1981. Segundo Caderno.
  • MICHALSKI, Yan. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 27-29 set. 1973. Caderno B.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: