Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Bonita Lampião

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.01.2016
17.08.1994 - 04.09.1994 Brasil / São Paulo / São Paulo – Teatro Sérgio Cardoso
Registro fotográfico K. K. Alcovér

Bonita Lampião, 1995
K. K. Alcovér
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

Roteirizado, dirigido e coreografado por Renata Melo (1956), Bonita Lampião une teatro e dança para exprimir cenicamente a humanidade do amor de Maria Bonita e Lampião, o casal mitológico representante maior do cangaço nordestino.

Texto

Abrir módulo

Histórico

Roteirizado, dirigido e coreografado por Renata Melo (1956), Bonita Lampião une teatro e dança para exprimir cenicamente a humanidade do amor de Maria Bonita e Lampião, o casal mitológico representante maior do cangaço nordestino.

Bonita Lampião é resultado de três anos de pesquisa da diretora, que consegue viabilizar seu projeto através de bolsa da Fundação Vitae, em 1993. Além dos estudos teóricos, Renata vai à campo buscar informações no sertão de Pernambuco, onde viveu o casal. Tentando experienciar a trilha do cangaço, atravessa a caatinga, chegando a Serra Talhada, local de nascimento de Lampião. Alcança o acampamento em que Maria Bonita, Lampião e seu bando foram mortos pela polícia. Além de anotações, registra em um gravador tudo o que ouve - de entrevistas feitas com o povo do Nordeste até missas, canções de cantadores de rua, sons de procissões e lojinhas de discos.

"A história de Maria Bonita e Lampião me causa grande impressão, especialmente a obstinação dela por esse homem mitológico, misto de bandido e herói", declara Renata. "Eles conviveram durante dez anos e morreram juntos, ele com 40, ela com 28 anos".1

Com o suporte de Vivien Buckup, que faz assistência de direção e coreografia, Renata realiza um espetáculo que transforma em dança a gestualidade rude dos homens e mulheres do cangaço nordestino. Além dos recursos da dança, utiliza-se também do teatro, recorrendo à fala para "declarar o caráter resoluto de quem se completa no outro mesmo que seja no inferno".2

Renata interpreta Maria Bonita ao lado do ator Plínio Soares, no papel de Lampião. O cenário e os figurinos são de Daniela Thomas (1959), que se inspira na ingenuidade e beleza da arte popular. No palco, desenha um cercado de madeira, uma arena em que painéis pintados com arabescos lembram as carrocerias antigas dos caminhões.

Helena Katz, numa crítica ao espetáculo, elogia a qualidade da montagem: "Renata Melo sintetizou todo um universo com o talento dos criadores raros. Religiosamente, agreste, sonho, violência e singeleza reunidos a golpes de secura, como convém aos banidos. No seu corpo, a clareza de cada episódio, a pungência das nuances. No de Plínio Soares, a complementaridade. Duo que devolve um mito, em grandeza e emoção, sem um traço de barateamento. Difícil, muito difícil mesmo conseguir escapar a todas as ciladas que os regionalismos aprontam. Temos que seguir este precioso espetáculo. Tal como fez Bonita com Lampião".3

Bonita Lampião apresenta-se em muitos festivais de dança e teatro no Brasil e no exterior. Marca uma nova etapa para Renata Melo, a coreógrafa conhecida pelos inventivos esquetes urbanos para o extinto grupo Marzipan, abrindo as portas para uma pesquisa mais profunda em torno do teatro-dança, que ganha um aprimoramento em Domésticas, espetáculo posterior a este.

Notas

1. MELO, Renata. In: PONZIO, Ana Francisca. Renata Melo estréia espetáculo sobre "Maria Bonita" a rainha do cangaço. São Paulo, Folha de S.Paulo, 17 de agosto de 1994.

2. PONZIO, Ana Francisca. Renata Melo estréia espetáculo sobre "Maria Bonita" a rainha do cangaço. São Paulo, Folha de S.Paulo, 17 de agosto de 1994.

3. KATZ, Helena. Bonita Lampião une sertão e cidade. São Paulo, O Estado de S. Paulo, 26 de agosto de 1994. 

 

Ficha Técnica

Abrir módulo
Dramaturgia
José Rubens Siqueira

Roteiro
Renata Melo

Direção
Renata Melo

Direção (assistente)
Vivien Buckup
Vivien Buckup

Cenografia
Daniela Thomas (Prêmios Shell e APCA)

Cenografia (assistente)
Cássio Amarante

Figurino
Daniela Thomas

Figurino (assistente)
Carla Caffé

Trilha sonora
Suba

Coreografia
Renata Melo

Elenco
Plínio Soares / Bonita Lampião
Renata Melo / Bonita Lampião

Participação especial
João Parayba
João Parayba
Nicholas Pap
Nicholas Pap

Produção
Amalia Paola Tarallo
Francisco Marques

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BIFULCO, Adriana. Entre palcos e pontes. Jornal da Tarde, São Paulo, 11 novembro de 1994, p. 28.
  • BONITA Lampião. (Programa). São Paulo, 1994. Acervo AMM da Divisão de Pesquisas - Idart/CCSP.
  • GUZIK, Alberto. Um espetáculo impecável. Jornal da Tarde, São Paulo, 02 setembro de 1994, p. 5A.
  • PONZIO, Ana Francisca. "Bonita Lampião" descobre poesia rústica. Folha de S.Paulo, São Paulo, 30 outubro de 1994, p. Acontece Especial A 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: