Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Primeira Feira Paulista de Opinião

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.04.2016
05.06.1968 - 06.1968 Brasil / São Paulo / São Paulo – Teatro Ruth Escobar
Espetáculo produzido pelo Teatro de Arena em 1968, com direção de Augusto Boal a 1ª Feira Paulista de Opinião reúne alguns dos mais atuantes dramaturgos do período, como Lauro César Muniz, Bráulio Pedroso, Gianfrancesco Guarnieri, Jorge Andrade, Plínio Marcos e Augusto Boal, além de compositores como Edu Lobo, Caetano Veloso, Ary Toledo, Sérgio ...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Espetáculo produzido pelo Teatro de Arena em 1968, com direção de Augusto Boal a 1ª Feira Paulista de Opinião reúne alguns dos mais atuantes dramaturgos do período, como Lauro César Muniz, Bráulio Pedroso, Gianfrancesco Guarnieri, Jorge Andrade, Plínio Marcos e Augusto Boal, além de compositores como Edu Lobo, Caetano Veloso, Ary Toledo, Sérgio Ricardo e Gilberto Gil, que criam suas obras em torno da seguinte questão: O que pensa o Brasil de hoje? A montagem une a classe teatral paulista e a carioca na luta contra as ações autoritárias da Censura.

No programa do espetáculo, Boal escreve um longo artigo intitulado O que pensa você da arte de esquerda?, em que teoriza sobre as diferenças e divergências das tendências de esquerda do momento e conclui convocando a união de todos, independentemente de pensamento político ou orientação estética: "Os caminhos da esquerda revelaram-se becos diante do maniqueísmo governamental. Já nada vale autoflagelar-se realisticamente, exortar platéias ausentes ou vestir-se de arco-íris e cantar chiquita bacana e outras bananas. Necessário, agora, é dizer a verdade como é. E como dizê-la? E mais: como sabê-la? Nenhum de nós, como artista, reúne condições de, sozinho, interpretar nosso movimento social. Conseguimos fotografar nossa realidade, conseguimos premonitoriamente vislumbrar seu futuro, mas não conseguimos surpreendê-la no seu movimento. (...) É necessário pesquisar nossa realidade segundo ângulos e perspectivas diversas: aí estará seu movimento. Nós, dramaturgos, compositores, poetas, caricaturistas, fotógrafos, devemos ser simultaneamente testemunhas e parte integrante dessa realidade. Seremos testemunhas na medida em que observamos a realidade e parte integrante na medida em que formos observados. Esta é a idéia da 1ª Feira Paulista de Opinião".1

O 1º ato do espetáculo é composto pelas obras Tema, de Edu Lobo, Enquanto o Seu Lobo Não Vem, de Caetano Veloso, O Líder, de Lauro César Muniz, O Sr. Doutor, de Bráulio Pedroso, ME.E.U.U. Brasil Brasileiro, de Ary Toledo e Animália, de Gianfrancesco Guarnieri. No 2º ato estão Espiral, de Sérgio Ricardo, A Receita, de Jorge Andrade, Verde Que Te Quero Verde, de Plínio Marcos, Miserere, de Gilberto Gil, A Lua Muito Pequena e A Caminhada Perigosa, de Augusto Boal.

A peça é submetida à Censura, praxe no período, mas não recebe posição até o dia da estréia. Boal e a equipe resolvem levá-la na íntegra e são notificados após a apresentação de que o espetáculo fora liberado mediante 84 cortes. Continuam levando a peça sem os cortes como "desobediência civil" e o espetáculo é suspenso pelo Departamento de Polícia Federal. A classe teatral vai até o Ministério da Justiça reivindicando uma posição coerente do governo, e o ministro Gama e Silva se compromete a estudar a questão. O juiz da Sétima Vara da Justiça Federal, através de uma liminar, libera a apresentação do espetáculo, e Boal tenta manter o acordo com o ministro buscando respeitar a maioria dos cortes.

Nesse sentido, a 1ª Feira Paulista de Opinião simboliza um momento em que a classe artística tenta, desesperadamente, unir forças para não só romper com os entraves burocráticos, mas também exigir a extinção da Censura. Entretanto, o que os artistas não suspeitam é que justamente em dezembro de 1968 será instaurado o Ato Institucional Número 5 - AI-5, trará o endurecimento da repressão e da censura, obrigando os artistas a se retrair e a repensar suas propostas de atuação, buscando novas formas de expressão e reação.

Notas
1 BOAL, Augusto. O que pensa você da arte de esquerda? In: PRIMEIRA Feira Paulista de Opinião. (Programa). São Paulo, 1968. Acervo AMM da Divisão de Pesquisas - Idart / CCSP.

Ficha Técnica

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Sérgio Pinto. Hoje, aqui, o Brasileiro. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 maio 1978.
  • Com os cortes, a Feira é livre. Jornal da Tarde, São Paulo, 13 jun. 1968.
  • GARCIA, Miliandre. Da resistência à desobediência, das ruas à justiça: a I Feira Paulista de Opinião. XXVIII Simpósio Nacional de História. Lugares dos Historiadores: velhos e novos desafios. Florianópolis, 27 a 31 de jul. 2015. Disponível em < http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1427917908_ARQUIVO_GARCIA,Miliandre.IFeiraPaulistadeOpiniao-resumoAnpuhRTF.pdf >. Acesso em: 28 abr. 2016.
  • MAGALDI, Sábato; VARGAS, Maria Thereza. Cem anos de teatro em São Paulo (1875-1974). São Paulo: Senac, 2000.
  • Manifesto antitropicalista. BOAL, Augusto. Símbolo da mais burra alienação. Folha da Tarde, São Paulo, 29 maio 1968. Disponível em: < http://www.nodo50.org/insurgentes/textos/cultura/09manifestoantitropicalista.htm >. Acesso em: 4 jun. 2004.
  • PRADO, Décio de Almeida. Despedida. In: In: ______. Exercício findo: crítica teatral (1964-1968). São Paulo: Perspectiva, 1987. (Coleção debates; 199).
  • PRIMEIRA Feira Paulista de Opinião. (Programa). São Paulo, 1968. Acervo AMM da Divisão de Pesquisas - Idart / CCSP.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: