Termos E Conceitos

Expressionismo

  • Análise
  • Definição
    O termo expressionismo tem sentido histórico preciso ao designar uma tendência da arte europeia moderna, enraizada em solo alemão, entre 1905 e 1914. A noção, empregada pela primeira vez em 1911 na revista Der Sturm [A Tempestade], mais importante órgão do movimento, marca oposição ao impressionismo francês. À ideia de registro da natureza por meio de sensações visuais imediatas, cara aos impressionistas, o expressionismo contrapõe a expressão que se projeta do artista para a realidade, distante das paisagens luminosas de Claude Monet (1840-1926), ou de uma concepção de arte ligada à mente, e não apenas ao olhar, como quer Paul Cézanne (1839-1906). Para os expressionistas, arte liga-se à ação, muitas vezes violenta, através da qual a imagem é criada, com o auxílio de cores fortes -  que rejeitam a verossimilhança - e de formas distorcidas. A afirmação do expressionismo se dá com o grupo Die Brücke [A Ponte], criado em 1905 em Dresden, contemporâneo ao fauvismo francês, no qual se inspira.

    Formado por artistas como Ernst Ludwig Kirchner (1880-1938), Karl Schmidt-Rottluff (1884-1976), Erich Heckel (1883-1970), Emil Nolde (1867-1956), Ernst Barlach (1870-1938), entre outros, o grupo define objetivos e procedimentos que ficam, daí por diante, associados ao movimento alemão: o caráter de crítica social da arte; as figuras deformadas, cores contrastantes e pinceladas vigorosas que rejeitam todo tipo de comedimento; a retomada das artes gráficas, especialmente da xilogravura; o interesse pela arte primitiva. Essa poética encontra sua tradução em motivos retirados do cotidiano, nos quais se observam o acento dramático e algumas obsessões temáticas, por exemplo, o sexo e a morte.

    A arte expressionista encontra suas fontes no romantismo alemão, em sua problematica do isolamento do homem frente à natureza, assim como na defesa de uma poética sensível à expressão do irracional, dos impulsos e paixões individuais. Combina-se a essa matriz, o pós-impressionismo de Vincent van Gogh (1853-1890) e Paul Gauguin (1848-1903). Do primeiro, destacam-se a intensidade com que cria objetos e cenas, assim como o registro da emoção subjetiva em cores e linhas. Do segundo, um certo achatamento da forma, obtido com o auxílio da suspensão das sombras, o uso de grandes áreas de cor e atenção às culturas primitivas. O imaginário monstruoso do pintor belga Jame Ensor (1860-1949), suas máscaras e anjos decaídos, constitui outra referência importante. Assim como uma releitura do simbolismo, pelas possibilidades que abre à fantasia e ao universo onírico, embora os expressionistas descartem uma visão transcendente do simbólico e certo espiritualismo que rondam a linguagem simbolista. O pintor norueguês Edvard Munch (1863-1944) é talvez a maior referência do expressionismo alemão.

    A dramaturgia de Ibsen e Strindberg bem como as obras de Van Gogh e Gauguin marcam decisivamente os trabalhos de Munch, em sua ênfase no sentido trágico da vida. A famosa tela O Grito, 1893 - reproduzida dois anos depois em litografia -, fornece uma chave privilegiada de acesso ao seu universo. A pessoa de aspecto fantasmático, em primeiro plano, define um foco que arrasta todo o cenário. As linhas deformadas da figura expandem-se pelo entorno, que participa da angústia do grito, emitido por ela própria, segundo algumas leituras, ou pela natureza, de acordo com Munch em texto escrito para o quadro, publicado na Revue Blanche, em 1895: "Tornei-me consciente do infinito e vasto grito da natureza". A distorção da figura que grita - ou que abafa com as mãos o grito da natureza -, sobre a qual paira a imagem da morte, afasta qualquer idéia de beleza.

    O expressionismo conhece desdobramentos em outros grupos na Alemanha, como o Der Blaue Reiter [O Cavaleiro Azul], de Franz Marc (1880-1916) e Wassily Kandinsky (1866-1944), criado em 1911, e considerado um dos pontos altos do movimento. Após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a voga expressionista reverbera na produção dos artistas reunidos em torno da neue sachlichkeit [nova objetividade], Otto Dix (1891-1969) e George Grosz (1893-1959), por exemplo. Perseguido pelos nazistas em 1933 como "arte degenerada", o expressionismo é retomado após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), num contexto de crítica ao fascismo e de tematização dos horrores da guerra, cujo exemplo maior é Guernica, de Pablo Picasso (1881-1973).

    Fora da Alemanha, manifestações de cunho expressionista aparecem na Bélgica e Holanda nas obras de Constant Permeke (1886-1952), Gustave de Smet (1877-1943), Jan Toorop, H. Werckmann e outros. Na França, trabalhos de Henri Matisse (1869-1954), André Derain (1880-1954), Raoul Dufy (1877-1953), Georges Rouault (1871-1958), Marc Chagall (1887-1985), Chaim Soutine (1893-1943) e outros dialogam, de modos diferentes, com o expressionismo alemão. É possível lembrar ainda os austríacos Egon Schiele (1890-1918) e Oskar Kokoschka (1886-1980), que desenvolvem pesquisas de franca inclinação expressionista, incentivadas pelos estudos psicanalíticos de Freud, na Viena no fim do século. Após os anos 1950, o expressionismo abstrato aparece como principal herdeiro do movimento nos Estados Unidos.

    No Brasil, a produção dos anos 1915 e 1916 de Anita Malfatti (1889-1964), em trabalhos como O Japonês, A Estudante Russa e A Boba, são reveladores de seu aprendizado expressionista. Ainda no contexto modernista, é possível lembrar a forte dicção expressionista de parte da obra Lasar Segall (1891-1957) e o expressionismo sui generis de Oswaldo Goeldi (1895-1961). Mais para frente, com as obras de Flávio de Carvalho (1899-1973), e com as pinturas de Iberê Camargo (1914-1994), percebem-se as possibilidades abertas pela sintaxe expressionista do país.

Conteúdos Relacionados

People
Terms and Concepts

Obras(73)

  1. Casario  
  2. Sem Título  
  3. Sem Título  
  4. Cristo Humilhado  
  5. A Queda II  
  6. Retrato de um professor [Cabeça de velho] 
  7. A Estudante Russa  
  8. A Mulher de Cabelos Verdes  
  9. A Onda  
  10. O Barco  
  11. O Japonês  
  12. Rochedos, Monhegan Island  
  13. Torso / Ritmo  
  14. Cúmplices  
  15. Auto-Retrato  
  16. Freguesia do Ó  
  17. Paisagem  
  18. Paisagem  
  19. Auto-Retrato  
  20. Natureza-Morta com Flores  
  21. Auto-Retrato  
  22. Mulher na Rede  
  23. Auto-Retrato  
  24. A Procissão  
  25. Mulher ao Toucador  
  26. Dança  
  27. Auto-Retrato  
  28. Praça da Sé, São Paulo  
  29. Roda de Samba  
  30. Cena de Samba  
  31. Festa Cívica  
  32. Chegada à Estação  
  33. Sem Título  
  34. Igreja da Glória  
  35. O Caminhão Mack  
  36. Igreja e Casario em Ouro Preto  
  37. Montanhas de Minas  
  38. O Demiurgo  
  39. A Pianista  
  40. Interior e Lustre  
  41. Cadeira  
  42. Os Guardiães do Sagrado  
  43. Esplêndida Natureza da Obra de Arte  
  44. Os Anjos Não Crescem  
  45. Nu em Amarelo  
  46. Brother Salvando o Show  
  47. Nu com Guarda-pó Azul  
  48. Auto-retrato Dourado  
  49. Astronautas  
  50. Alegoria  
  51. Personagens, uma Oculta  
  52. Muda Acusação  
  53. Death XII  
  54. O Passado Vive no Presente  
  55. Auto-retrato sem Óculos  
  56. Natureza-Morta com Violino  
  57. Museu da Inconfidência  
  58. Ouro Preto  
  59. Atelier do Artista  
  60. Guindastes no Cais do Rio  
  61. Ac - 8722  
  62. Santa Teresa  
  63. Ac - 8727  
  64. Igreja do Carmo  
  65. Estação da Luz  
  66. Pintura  
  67. Saint-rémy Vista do Hospital  
  68. La Chambre de Van Gogh à Arles  
  69. Trigais  
  70. Rap Para São Jorge  
  71. Grávidas  
  72. Que Vocalista É Esse?  
  73. Pizza 2000  

Fontes de Pesquisa

BATISTA, Marta Rossetti. Anita Malfatti no tempo e no espaço. São Paulo: IBM Brasil, 1985.

BEHR, Shulamith. Expressionismo. São Paulo: Cosac & Naif, 2000.

MATTOS, Cláudia Valladão de. Lasar Segall. São Paulo: Edusp, 1997. (Coleção Artistas Brasileiros)

OSORIO, Luiz Camillo. Flávio de Carvalho. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. (Espaços da Arte Brasileira)

NAVES, Rodrigo. Goeldi. São Paulo: Cosac & Naify, 1999. (Espaços da arte brasileira)

PRELINGER, E. After the scream, the late paintings of E. Munch. Atlanta: High Museum of Art, New Haven, London: Yale University Press, 2002.