Artigo da seção pessoas Frans Post

Frans Post

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deFrans Post: 1612 Local de nascimento: (Holanda / Haarlem) | Data de morte 17-02-1680 Local de morte: (Holanda / Haarlem)
Imagem representativa do artigo

Paisagem com casa alpendrada , séc. 17 , Frans Post
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Biografia

Frans Janszoon Post (Haarlem, Holanda, 1612 - Haarlem, Holanda, 1680). Pintor, desenhista e gravador. Inicia-se na pintura em Haarlem, na Holanda, onde possivelmente estuda com o irmão, o arquiteto Pieter Jansz Post (1608 - 1669). Frequenta os ateliês de Pieter Molijn (1595 - 1661), de Salomon van Ruysdael (ca.1602 - 1670) e de Salomon de Bray (1597 - 1664). Indicado pelo irmão ao conde Maurício de Nassau, governador-geral do Brasil Holandês, integra a comitiva que vem ao país em 1637. Entre seus companheiros destacam-se os artistas Albert Eckhout (ca.1610 - ca.1666) e Georg Marcgraf (1610 - 1644). Paisagista, Frans Post fica encarregado de documentar a topografia, a arquitetura militar e civil, cenas de batalhas navais e terrestres. As telas a óleo pintadas no Brasil não fazem concessão ao exotismo, sua paisagem é serena e subordinada à realidade. Em 1644, volta à Holanda e continua a pintar temas brasileiros, realizando uma centena de quadros a óleo baseados em seus esboços e desenhos, aos quais passa a acrescentar elementos exóticos da fauna e flora tropical. Em 1646, ingressa na Corporação dos Pintores de São Lucas (Lukasgilde), obrigação de todo o pintor que não estivesse a serviço da corte, da qual dez anos mais tarde torna-se diretor e, posteriormente, tesoureiro. Com uma seleção dos inúmeros desenhos realizados sobre o Brasil, ilustra o livro Rerum per Octennium in Brasília, de Gaspar Barléu (1584 - 1648), que conta os feitos de Mauricio de Nassau durante os oito anos de governo no Brasil, publicado em 1647.

Análise

Pouco se conhece da obra do paisagista holandês Frans Post antes de sua chegada a Pernambuco, em 1637, como membro da comitiva de artistas e cientistas trazida pelo conde Maurício de Nassau para documentar o Novo Mundo durante seu governo no Brasil. Filho do pintor de vitrais Jan Janszoon Post (15-- - 1614) e irmão do arquiteto e pintor Pieter Jansz Post (1608 - 1669), Post volta-se cedo para um dos gêneros de pintura mais importantes da Holanda na época, a pintura de paisagem. Não se sabe ao certo como se deu sua formação. Talvez tenha freqüentado ateliês de paisagistas de prestígio como Salomon van Ruysdael (ca.1602 - 1670) ou Pieter Molijn. De qualquer forma, a relação com a pintura holandesa da primeira metade do século XVII é evidenciada em toda sua produção artística.

Ao aportar na costa brasileira como pintor oficial responsável por retratar em desenhos e telas a paisagem, os feitos militares, a arquitetura do Brasil holandês, Post era somente uma jovem promessa de talento. Indicado por seu irmão a Nassau, é no contato com a realidade brasileira que desenvolve uma obra original. Mesmo após sua volta à Europa não deixa de pintar vistas tropicais, especializando-se em temas brasileiros. Acredita-se que ele tenha pintado 18 quadros em sua permanência de quase oito anos no país, mas apenas sete deles podem ser vistos hoje. Em telas como Vista da Ilha de Itamaracá, 1637, Vista dos Arredores de Porto Calvo, 1639 ou Forte Hendrik, 1640, percebe-se nitidamente algumas características que marcam a produção de Post: linhas baixas do horizonte com céus altos em planos abertos para uma vasta área em contraposição à vegetação ou motivos em primeiro plano em desenhos simplificados, mas meticulosos. Nota-se nessas telas um certo colorido homogêneo de tons rebaixados mais próximo à pintura holandesa do que à cor da paisagem local. Tais composições em perspectiva baixa eram comuns a um tipo de pintura panorâmica desenvolvida na época pelos holandeses. A elas, Post acrescenta a paisagem do Novo Mundo. Dessa junção surgem pinturas informativas e serenas, contidas diante da exuberância tropical. Nesse sentido, Post é "o primeiro artista em terra americana a ter dado uma visão fiel e ao mesmo tempo poética da região, evitando fantasias e inverossimilhanças", como observa o historiador José Roberto Teixeira Leite.

De volta à Europa, seus desenhos servem como base para as pranchas publicadas no volume Rerum per Octennium in Brasilia de Gaspar Barléu (1584 - 1648). Desliga-se do conde Maurício de Nassau, mas continua pintando paisagens tropicais, para as quais encontra mercado. Essa produção realizada distante do motivo, com base em estudos realizados na América, toma caminhos diversos. Até cerca de 1659 o artista segue em suas construções de paisagens topográficas de precisão documental. Contudo, é comum encontrar nas cenas feitas na Europa certa "quebra" da serenidade da paisagem mediante a colocação de animais ou cenas selvagens como lagartos, serpentes, tatus, cobras devorando coelhos, por exemplo, no primeiro plano do quadro. Nesse momento também a luz difusa de seus trabalhos brasileiros é substituída pelo contraste de cores mais fortes.

De 1660 a 1669, fase de maturidade de Post, nota-se um crescente domínio da técnica e dos temas brasileiros, no entanto isso se dá em detrimento da espontaneidade. Não há mais a preocupação documental. O artista passa a compor com base no rearranjo de elementos vegetais, animais, topográficos e arquitetônicos, demonstrando um perfeito manuseio de seu vocabulário pictórico. Trata-se de paisagens ideais, muitas vezes ricas de detalhes pitorescos. Nesse período encontra-se em plena potência de sua qualidade de miniaturista. A fatura torna-se mais empastada e o fundo é estruturado em tons verdes e azuis (na tradição da pintura flamenga). Certa luminosidade diáfana toma conta dos últimos trabalhos. Entretanto, nesta fase de auge comercial não arrisca em novas composições, voltando sempre aos mesmos temas (exemplo: vistas de Olinda, engenhos, paisagens com casas e personagens esparsos). Nos últimos anos de existência, Frans Post vive de forma obscura, entregue à bebida e sem capacidade de criação. Talvez a dimensão de seu êxito artístico como o mais importante pintor da paisagem brasileira no século XVII possa ser avaliada pela homenagem do amigo Frans Hals (ca.1581 - 1666), que em meados de 1655 realiza seu retrato.

Outras informações de Frans Post:

  • Outros nomes
    • F. Post
    • Frans Janszoon Post
    • Franz Post
  • Habilidades
    • Pintor
    • desenhista
    • gravador

Obras de Frans Post: (33) obras disponíveis:

Todas as obras de Frans Post:

Exposições (81)

Todas as exposições

Eventos relacionados (1)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (14)

  • FERRÃO, Cristina (org.); SOARES, José Paulo Monteiro (org.). Brasil holandês, volume 1: Frans Post: os desenhos do British Museum. Texto Leonardo Dantas Silva. Petrópolis: Index, 2000.  v. 1 . 94 p. 
  • IMAGENS do Brasil holandês: 1630-1654. Apresentação de Joaquim de Arruda Falcão Neto. Introdução de Beno Suchodolski. Texto de Evaldo Cabral de Mello. Rio de Janeiro: Paço Imperial; São Paulo: Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, 1987.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. A pintura no Brasil Holandês. Rio de Janeiro: GRD, 1967. 124 p.
  • WHITEHEAD, Peter James Palmer; BOESEMAN, Martin. Um Retrato do Brasil Holandês do Século XVII: animais, plantas e gente, pelos artistas de Johan Maurits de Nassau. Tradução Edmond Jorge. Rio de Janeiro: Kosmos, 1989. 358 p., il. color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 2v.
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes: imaginário do novo mundo. São Paulo: Metalivros, 1994. v. 1.
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. Trans-posições. In: BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 24. , 1998, São Paulo. Núcleo histórico: antropofagia e histórias de canibalismos. Curadoria Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa; apresentação Paulo Herkenhoff, Francisco Weffort. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998.
  • HERKENHOFF, Paulo (org.), LAGO, Bia Corrêa do. O Brasil e os holandeses: 1630-1654. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999. 271 p., il. color.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, São Paulo, SP. O olhar distante. Curadoria Jean Galard, Pedro Corrêa do Lago; assistência de curadoria Mariana Cordiviola; tradução Alain François, Contador Borges, Tina Delia, John Norman, Eduardo Hardman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • REVIGLIO, Laura. Frans Post: o primeiro paisagista do Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 13, p. 1-33, 1972.
  • SOUSA-LEÃO, Joaquim de. Frans Post: 1612-1680. Rio de Janeiro: Kosmos, 1973. (Painters of the Past).
  • ZANINI, Walter (Coord.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. v.2.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • FRANS Post. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9982/frans-post>. Acesso em: 11 de Dez. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7