Artigo da seção pessoas Martinho de Haro

Martinho de Haro

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deMartinho de Haro: 11-11-1907 Local de nascimento: (Brasil / Santa Catarina / São Joaquim) | Data de morte 23-05-1985 Local de morte: (Brasil / Santa Catarina / Florianópolis)
Imagem representativa do artigo

São Miguel , s.d. , Martinho de Haro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia

Martinho de Haro (São Joaquim, Santa Catarina, 1907 - Florianópolis, Santa Catarina, 1985). Pintor, desenhista e muralista. Inicia-se na pintura em Lages, Santa Catarina, em 1920. Em 1926, expõe individualmente pela primeira vez no Conselho Municipal de Florianópolis. Entre 1927 a 1937, estuda como bolsista do governo catarinense na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro. Na instituição, tem aulas com os pintores Henrique Cavalleiro (1892-1975) e Rodolfo Chambelland (1879-1967).

Em 1930, trabalha como auxiliar do pintor João Timótheo da Costa (1879-1932), na decoração da Igreja de Nossa Senhora da Pompéia. Entre 1930 e 1935, trabalha com o artista Eliseu Visconti (1866-1944) na execução do panô do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1931, participa do Salão Nacional de Belas Artes, organizado pelo arquiteto Lucio Costa (1902-1998). Em 1938, embarca para França, onde estuda com Othon Friesz (1879-1949) na Académie de La Grande Chaumière, em Paris.

Em 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, Martinho de Haro retorna à São Joaquim. Permanece na cidade natal até 1944, ano em que se muda para Florianópolis, cidade onde mora até o falecimento, em 1985. 

Análise

Martinho de Haro dedica-se à pintura. Na década de 1930, vive no Rio de Janeiro e participa de exposições na capital carioca. Do ponto de vista temático, sua obra na época registra cenas cotidianas de cidades do interior, com sanfoneiros, peões e camponeses. Em 1937, recebe o prêmio de viagem ao exterior pela tela Rodeio. Sobre esse período, o crítico de arte Walmir Ayala (1933-1991) observa que, se tematicamente Martinho de Haro ainda se prende às lembranças da comunidade natal, na forma e na concepção do desenho coloca-se em sintonia com os cânones do modernismo. Haro busca liberdade formal equilibrada com conhecimento técnico aproximando-se da linguagem ingênua, em confronto com intenções academizantes.

O artista também trabalha com outros gêneros: paisagem, natureza-morta, retrato, autorretrato e motivos religiosos, preservando linguagem plástica própria e reconhecível. Nos anos de 1940, a produção de retratos ganha força: Retrato de Rodrigo (1944), Menina (1944) e Retrato de Maria (1948) são alguns exemplos do período. Na década de 1950, começam a se impor as paisagens, parte mais rica da produção de Martinho de Haro. Inspirando-se em vistas de Santa Catarina, produz telas como Paisagem de São José (1954) e Panorama de Florianópolis (1975). Segundo Ayala, nas naturezas-mortas executadas pelo artista, como Vaso com Flores (1976), há um sentimento de aceitação do rito doméstico, cujo repertório registra a fragilidade e a origem primitiva do núcleo familiar.

Outras informações de Martinho de Haro:

Obras de Martinho de Haro: (17) obras disponíveis:

Exposições (16)

Eventos relacionados (1)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (1)

  • AYALA, Walmir. Martinho de Haro. Rio de Janeiro: L. Christiano, 1986.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARTINHO de Haro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9945/martinho-de-haro>. Acesso em: 15 de Dez. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7