Artigo da seção pessoas Danúbio Gonçalves

Danúbio Gonçalves

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deDanúbio Gonçalves: 30-01-1925 Local de nascimento: (Brasil / Rio Grande do Sul / Bagé)
Imagem representativa do artigo

Macunaíma , 1972 , Danúbio Gonçalves
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia

Danúbio Villamil Gonçalves (Bagé, Rio Grande do Sul, 1925). Gravador, desenhista, pintor e professor. Freqüenta o ateliê de Candido Portinari (1903-1962) com Iberê Camargo (1914-1994). Estuda gravura e desenho na Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro, com Carlos Oswald (1882-1971) e Axl Leskoschek (1889-1975), na década de 1940. Viaja para Paris, e entre 1949 e 1951 freqüenta a Académie Julian. De volta ao Brasil, funda o Clube de Gravura de Bagé, no Rio Grande do Sul, com Glauco Rodrigues (1929-2004), Glênio Bianchetti (1928) e Carlos Scliar (1920-2001). Com esses artistas, integra o Clube de Gravura de Porto Alegre, entre 1951 e 1955. Desde 1963, orienta os alunos do curso de litogravura do Ateliê Livre da Prefeitura de Porto Alegre, instituição que dirige até 1978. No período entre 1969 e 1971, leciona gravura no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IA/UFRGS). Publica os livros Do Conteúdo à Pós-Vanguarda, editado pela Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, em 1995, e a obra Processos Básicos da Pintura, pela editora AGE, em 1996. Em 2000, é realizada exposição retrospectiva de sua produção no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Margs), e é publicado o livro Danúbio Gonçalves: Caminhos e Vivências, pela editora Fumproarte, com textos de Paulo Gomes e Stori (1946).

Análise

Danúbio Gonçalves é conhecido principalmente por sua atuação como gravurista. Co-fundador do Clube de Gravura de Bagé, sua atividade artística e seu engajamento político são indissociáveis. Com outros artistas, visita países do bloco comunista, rejeita a Bienal de São Paulo e o abstracionismo, e defende uma arte regional, de cunho social, próxima do Realismo Socialista.

Sua produção mais característica são xilogravuras, sobretudo dos anos 1950. Retrata camponeses e trabalhadores, seu cotidiano e suas festas. Algumas obras enfatizam os eventos, instrumentos, danças e roupas típicas, como Festa do Mundo, de 1953. Em outras, há um traço mais expressionista e anguloso, que traduz a violência da atividade dos trabalhadores. As mais conhecidas são as séries Charqueadas e Mineiros de Butiá. A primeira apresenta as etapas da produção do charque, da matança dos bois à secagem da carne. A segunda figura a vida dos mineiros, em evidente referência às obras de Vincent van Gogh (1853-1890), sobre o mesmo tema. Em todas, exprime a angústia e a miséria, através de contrastes marcados, e a força e o movimento, através da talha que ressalta os veios da madeira com diversos traços paralelos. Para o escritor Érico Veríssimo (1905-1975), Danúbio consegue ultrapassar o interesse documental e conferir aos temas um sentido universal.1

Aos poucos, Danúbio deixa o regionalismo e o traço expressionista e, durante os anos 1960, faz pinturas mais abstratas, com tons rebaixados e formas que são às vezes reconhecíveis, mas não realistas como plantas, insetos e animais. Não há profundidade ou textura. Os comentadores falam de "...imagem do homem universal, sua deformação e sobressalto..."2  e de "...expressão de um cosmo ambíguo..."3

Nos anos seguintes, passa por uma fase mais pop. Utiliza técnicas variadas, como tinta acrílica, aquarela e gravura. Ultimamente, além dos temas eróticos, pinta cenas de balonismo, em que tira proveito das grandes áreas de cor dos balões, da grama e do céu.

Notas

1 PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969, p. 246.

2 PONTUAL, idem.

3 SCARINCI, Carlos. A gravura no Rio Grande do Sul: 1900 - 1980. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982, p.147-148.

Outras informações de Danúbio Gonçalves:

  • Outros nomes
    • Danúbio Villamil Gonçalves
    • Danúbio
  • Habilidades
    • gravador
    • desenhista
    • professor de artes plásticas
    • pintor

Obras de Danúbio Gonçalves: (8) obras disponíveis:

Exposições (299)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (33)

  • XILOGRAVURA: do cordel à galeria. São Paulo: Metrô, 1994. 36 p., il. p&b. SPmetrô 1994
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 2v. 709.81 A163ar v.1
  • AYALA, Walmir (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1980. v.4: Q a Z. (Dicionários especializados, 5).
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. 428 p. R750.81 A973d 2.ed.
  • CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1974. v.2: D a L. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.2 pt. 1
  • DANUBIO Gonçalves: desenho, gravura, pintura 1964-1976. Apresentação de Quirino Campofiorito et al. São Paulo: MAM, 1976., il. p&b color.
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves. Curadoria Carlos Antônio Mancuso; texto Carlos Antônio Mancuso; fotografia Fernando Zago; projeto gráfico Alex Medeiros; apresentação Fábio Luiz Borgatti Coutinho. Porto Alegre: Margs, 2000. 96 p. il. p&b, color.
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves: caminhos e vivências. Texto Paulo Gomes, Norberto Stori. Porto Alegre: Fumproarte, 2000.
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves : desenho, gravura, pintura 1964- 1976. Sao Paulo: MAM, 1976. , il.p&b color. G6353 1976
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves. Porto Alegre: Galeria de Arte do Clube do Comércio, 1982. , il. p&b color. G6353d 1982
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves. Porto Alegre: Galeria de Arte Mosaico, 1990. il. color.
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves. Porto Alegre: Margs, 2000. 96 p., il. p&b, color. CAT-G G6353d 2000
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves: caminhos e vivências. Porto Alegre: FUMPROARTE, 2000. 144 p., il. color. 759.81 G6353d
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves: desenho, gravura, pintura 1964 - 1976. Apresentação Quirino Campofiorito. São Paulo: MAM/SP, 1976.
  • GONÇALVES, Danúbio. Danúbio Gonçalves: pintura, gravura: hommage à torres. Porto Alegre: Galeria de Arte Mosaico, 1990. il. color., foto p.b G6353 1990
  • GONÇALVES, Danúbio. Retrospectiva de gravura. Texto Francisco Stockinger, Erico Veríssimo, Jacob Klintowitz, Carlos Scarinci, Carlos Scliar. Porto Alegre: Margs, 1982. 12 p.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 2000. IC 769 G777
  • INVESTIGAÇÕES: a gravura brasileira. São Paulo: Itaú Cultural, 2000. (Rumos Itaú Cultural Artes Visuais).
  • KLINTOWITZ, Jacob. Versus: dez anos de crítica de arte. Prefácio Jacob Klintowitz; apresentação Pietro Maria Bardi. São Paulo: Galeria de Arte André, 1978. 143 p. 701.18 K65v
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • MOSTRA DE GRAVURA CIDADE DE CURITIBA, 9., 1990. IX Mostra de Gravura Cidade de Curitiba. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1990. PRmgcc 9/1990
  • OS CLUBES de Gravura do Brasil. Curadoria Carlos Scliar. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1994. SPpe 1994/c
  • OS COLECIONADORES - Guita e José Mindlin: matrizes e gravuras. Curadoria Jacob Klintowitz; apresentação Horacio Lafer Piva, Jaime A. Greene; texto José Mindlin, Jacob Klintowitz. São Paulo: Centro Cultural FIESP, 1998. [64] p., il. color.
  • POÉTICA da resistência: aspectos da gravura brasileira. Curadoria Armando Mattos, Denise Mattar, Marcus de Lontra Costa. Rio de Janeiro: MAM, 1994. CAT-G RJmam 1994/p
  • POÉTICA da resistência: aspectos da gravura brasileira. Curadoria Armando Mattos, Denise Mattar, Marcus de Lontra Costa. Rio de Janeiro: MAM, 1994.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. R703.0981 P818d
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • PROJETO "Caixa Resgatando a Memória". Porto Alegre: Caixa Econômica Federal, 1998. 163 p., il. color. 700.98165 P964
  • PROJETO "Caixa Resgatando a Memória". Texto Marilene Burlet Pieta, Paulo Gomes, Susana Gastal; apresentação Marisa Veeck; design gráfico Mário Röhnelt; versão em inglês Brigitta Struck; versão em espanhol Eva Maria Fayos Garcia; apresentação Sérgio Cutuolo dos Santos. Porto Alegre : Caixa Econômica Federal, 1998. 163 p. il. color.
  • SANTOS, Irene; BETTIOL, Zoravia (Coord.). Brasil 500 anos: navegadores de imagens : registro fotográfico de Irene Santos. Porto Alegre: Usina do Gasômetro - Galeria dos Arcos, 2000. [24] p., il. color. p&b. S2365 2000
  • SCARINCI, Carlos. A gravura no Rio Grande do Sul: 1900-1980. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982. (Documenta, 10). 769.981 S285g
  • ZANINI, Walter (Coord.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. v.2. 709.81 H673 v.1

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • DANÚBIO Gonçalves. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9418/danubio-goncalves>. Acesso em: 14 de Dez. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7