Artigo da seção pessoas Marina Caram

Marina Caram

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deMarina Caram: 1925 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Sorocaba) | Data de morte 03-03-2008 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Selos e Carimbos , 1967 , Marina Caram
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia

Marina Caram (Sorocaba, São Paulo, 1925 - São Paulo, São Paulo, 2008) Pintora, escultora, desenhista, gravadora e ilustradora. Inicia sua produção artística em Sorocaba, em 1945. Muda-se para São Paulo e é apresentada ao modernista Oswald de Andrade (1890-1954) que, impressionado com o trabalho da jovem artista, apresenta-lhe a Pietro Maria Bardi (1900-1999). Em meados de 1950, conhece Di Cavalcanti (1897-1976), que lhe empresta seu ateliê. Sua primeira exposição é uma individual no Museu de Arte de São Paulo (Masp), em 1951. Recebe do governo francês uma bolsa de estudos em Paris, onde frequenta a Escola Superior de Belas Artes, entre 1951 e 1953.

Regressando ao Brasil, expõe novamente no Masp. Realiza diversas viagens de estudo, conhecendo Inglaterra, Argentina, Uruguai, Bolívia e várias partes do Brasil. Em 1983, recebe convite do Museu Saint-Vic, em Saint-Armand Montrond, França, para expor suas obras. Como ilustradora, Caram colabora com o Suplemento Literário do jornal O Estado de S. Paulo e realiza as ilustrações dos livros Ibéria Crucificada, de Miguel Melgarejo (1961); Grito de Augusto, de Aldenora de Sá Porto (1967); Joatão e a Ilha, de José Fonseca Fernandes (1986); e Vocação Hipócrita, de Paulo Fratelli (1986).

A Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) concede à artista prêmio na categoria de Retrospectiva, pelos 40 anos de sua produção em pintura, em 1985. Obras de Marina Caram fazem parte do acervo do Masp, do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (MAC/SP) e da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Análise

Marina Caram constrói uma figuração de características expressionistas dentro de uma temática eminentemente social, apresentando em seus trabalhos personagens anônimos das grandes cidades e das manifestações folclóricas, como em Prostituta (1952), Enterro no Morro (1963) e Favelado Rei do Carnaval (1974). Essas figuras aparecem numa configuração dramática, acentuada pela atmosfera sombria e pelas pinceladas vigorosas que, em geral, predominam em sua obra.

Para o crítico e colecionador de arte Pietro Maria Bardi, Caram tem, no início de sua carreira, a afinidade com o sentimento expressionista e com os temas ligados ao drama humano. A artista também aborda o sincretismo religioso da Bahia, compondo pinturas da série Orixás, como Omulu (1954), Oxossé (1959) e Exu (1960), sempre num registro de distorção das representações e busca por dramaticidade. Nesse mesmo período, realiza a série de xilogravuras Barroca.

Durante os anos 1960, outros temas se destacam em sua obra, como a relação entre o homem e as profissões, Selos e Carimbos (1967), e entre o homem e a máquina, Artesanato Mutilado pela Máquina (1969). Entre as décadas de 1970 e 1980, Caram produz uma série de pinturas cujos temas são o Carnaval e o circo. Nessas obras, misturam-se alegria e desespero, como em Fim de Carnaval (1975) e Palhaço Enamorado(1983).

Outras informações de Marina Caram:

  • Outros nomes
    • Marina Caram Loureiro
    • M. Caram
    • Marina Caran
  • Habilidades
    • escultor
    • Ilustrador
    • Pintor
    • desenhista
    • gravador

Obras de Marina Caram: (15) obras disponíveis:

Exposições (44)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (24)

  • GALLAS, Alfredo G. (coord.). 100 obras Itaú. São Paulo: Itaugaleria, 1985. 210 p., il. color. 700.74 C394 1985
  • GALLAS, Alfredo G. (coord.). 100 obras Itaú. São Paulo: Itaugaleria, 1985. 210 p., il. color.
  • XILOGRAVURA: do cordel à galeria. São Paulo: Metrô, 1994. 36 p., il. p&b. Spmetrô 1994
  • ARTE suporte computador. Organização Solange Lisboa e Antonio Ruete. São Paulo: Casa das Rosas, 1997. SPcr 1997/a
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp Sec.XX
  • CARAM, Marina. Marina Caram. São Paulo: Galeria do Memorial, 1993.
  • CARAM, Marina. Marina Caram. Apresentação Pietro Maria Bardi. São Paulo: MASP, 1985. [48] p., il. p&b. color. CAT-G C259 1985
  • CARAM, Marina. Marina Caram: o trágico e o lírico. São Paulo: Galeria do Memorial, 1993. , il. color. C259 1993
  • CARAM, Marina. Marina Caram. São Paulo: MASP, 1985.
  • EXPRESSIONISMO no Brasil: heranças e afinidades. Apresentação de Roberto Muylaert e Sheila Leirner. São Paulo: Fundação Bienal, 1985. (XVIII Bienal Internacional de São Paulo, 1985).
  • Falecimentos. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 de mar. 2008. Cidades/Metrópole, C.4. Não catalogado
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1987: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Inter / Arte / Brasil, 1986. v. 2. R702.9 L895a v.2, v.5
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • PINACOTECA Ruben Berta e PINACOTECA Aldo Locatelli: catálogo geral. 1991. , il. p&b color. RSprb 1991
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. R703.0981 P818d
  • RESSIONISMO no Brasil: heranças e afinidades. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1985. 128 p., il. p&b., color. SPfb 1985
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 10. , 1961, São Paulo. 10º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1961. SPspam 10/1961
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 10. , 1961, São Paulo. 10º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1961.
  • SCHMIDT, Carlos von. Marina Caram: visão crítica. Artes:, São Paulo, v. 22, n. 63, p. 48, abr. /jun. 1987.
  • SCHMIDT, Carlos von. Marina Caram: visão crítica. Artes:, Sao Paulo, v.22, n.63, p.48, abr./jun. 1987. P10/63/87
  •  

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARINA Caram. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa8779/marina-caram>. Acesso em: 24 de Abr. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7