Pessoas

Anésia Pacheco e Chaves

Outros Nomes: Anésia Pacheco e Chaves
  • Análise
  • Biografia
    Anésia Pacheco e Chaves (Paris, França 1931). Pintora, desenhista, escultora, gravadora, escritora. Muda-se com a família para o Brasil, aos quatro anos de idade, e fixa residência em São Paulo. Inicia o aprendizado artístico nos cursos e ateliês de Anita Malfatti, Di Cavalcanti e Lívio Abramo, e participa do Atelier-Abstração, coordenado por Flexor. Em 1952, viaja para Paris, frequenta a Académie de la Grande Chaumière e faz o curso de história e crítica de arte na escola do Museu do Louvre. Na capital francesa, também estuda com Fernand Léger e André Lhote. Participa da Bienal Internacional de São Paulo em 1953, 1957 e 1959. De volta ao Brasil, na década de 1960, dedica-se prioritariamente à pintura, cujos resultados são expostos em individual na galeria Atrium, em São Paulo, em 1965. Expõe na Bienal de Veneza, em 1978, e na Bienal Internacional de São Paulo, em 1989, ocupa uma sala especial com o trabalho Abandonando as Bagagens. Representa o Brasil na Exposição Internacional Poesia Visual, na Itália, em 1974. A partir de 1970, fortalece sua atividade de escritora e crítica e, entre 1978 e 1985, escreve sobre arte, cultura e feminismo no jornal Folha de S.Paulo. Realiza um audiovisual com base em seus livros-obras Cadernos de uma Mulher, em 1981. Publica os livros E Agora, Mulher?, em 1986, Cadernos, 1993, Rolos, 1997, Manchas, 1999, Objetos Ansiosos: Ensaios, 2001, entre outros.

    Comentário crítico
    A obra de Anésia Pacheco e Chaves localiza-se nas interseções do desenho, da pintura e da literatura, sobretudo da poesia. As inscrições no papel são antes de mais nada formas e grafismos. O próprio papel oscila entre o suporte e o objeto, apresentado de diversos modos: folhas planas, enroladas, amarradas, transformadas. A artista confere ao livro o estatuto de obra de arte; não "livro de arte", mas "livro-arte", objeto artesanal para ser visto, lido, manuseado, experimentado. As palavras escritas entram nas pinturas em 1972 e nunca mais são abandonadas. Os livros-obras, por sua vez, são realizados a partir de 1975. Neles, encontram-se desenhos, colagens, pinturas, gravuras e textos. "Os cadernos tornam possível jogar com o texto escrito e, ao mesmo tempo, com a imagem. Gosto disso, da ambiguidade. O que ilustra o quê? A imagem, o texto ou o texto, a imagem?" Mas o livro de Anésia Pacheco e Chaves não por acaso se intitula "caderno", lugar de anotações, de inscrições e de registros de vários tipos. O caderno guarda proximidade com o "diário" pelo tom confessional que possui. Forma aberta por natureza, traz consigo o sabor de obra em construção, de ensaio que, nesse caso, combina matéria artística e reflexiva. Em suas palavras: "O livro de artista tem um vínculo inegável com uma expressão feminina, o diário íntimo. Por isso encontramos, desde seu início, a presença de mulheres-artistas na sua criação, sem que isto exclua artistas-homens".

Exposições

Fontes de Pesquisa


BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo geral. Apresentação Alex Periscinoto; introdução Carlos von Schmidt, Stella Teixeira de Barros, Gabriel Borba, Casimiro Xavier de Mendonça, César Luís Pires de Mello, Maria Bonomi. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 1, 226 p., il. p&b.

CAVALCANTI, Carlos (org.); AYALA, Walmir (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos - A - C. Apresentação Maria Alice Barroso. Brasília: MEC : INL, 1973. v. 1, pt. 2, il. p&b. (Dicionário especializado, 5).

CHAVES, Anésia Pacheco e. Cadernos, 2. Fotografia Yoshiaki Tanaka. São Paulo: Miró, [2009]. [62] p., il.

CHAVES, Anésia Pacheco e. Cadernos. Texto Anésia Pacheco Chaves; fotografia Eduardo Longman; tradução Rozanne M. de C. Leite Zachetti, Paulo Latez. São Paulo: Árvore da Terra, 1993. 118 p., il.

CHAVES, Anésia Pacheco e. E agora, mulher? Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

CHAVES, Anésia Pacheco e. Manchas. Tradução Maryvone Petorelli. São Paulo: Árvore da Terra, 1998.

CHAVES, Anésia Pacheco e. Perdição: ensaios. São Paulo: Árvore da Terra, 2003. 51p.

CHAVES, Anésia Pacheco e. Rolos. Edição Cândida Maria de Arruda Botelho; ilustração Eduardo Longmann. São Paulo: Árvore da Terra, 1996. 96 p., il. p&b. color.

CHAVES, Anésia Pacheco e. Sem nome: ensaios. São Paulo: Edição do Autor, 2004. 91p. ; il.

PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1971, São Paulo, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1971: desenho, gravura. Apresentação Joaquim Bento Alves de Lima Neto; texto Paulo Mendes de Almeida. São Paulo: MAM, 1971. 115 p., il. p&b.

PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1974, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1974: Desenho, gravura. São Paulo: MAM, 1974. [130] p., il. p&b.

POÉTICAS visuais. São Paulo: MAC/USP, 1977. , il. p&b.

PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Apresentação Antonio Houaiss; fotografia Antônio Luís Nicolay, Otávio Gomes Soares; texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Roberto Pontual, Carlos Cavalcanti, Flávio Mota, Aracy Amaral, Walter Zanini, Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p., il. p&b., color.

ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil - I. Pesquisa Cacilda Teixeira da Costa, Marília Saboya de Albuquerque; projeto gráfico Silvia Filgueiras Steinberg; produção gráfica Delfim Fujiwara; arte-finalização Guilherme Sarmento, Rui Pitombo; apresentação Walther Moreira Salles. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães : Instituto Walther Moreira Salles, 1983. 1106 p., il. color. 2v.