Artigo da seção pessoas Frederico Ribeiro Martins

Frederico Ribeiro Martins

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deFrederico Ribeiro Martins: 1970 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Niterói)

Biografia
Frederico Ribeiro Martins (Niterói, Rio de Janeiro, 1970). Cantor, compositor, arranjador. Começa a estudar violão com 11 anos de idade e, três anos depois, monta sua primeira banda voltada ao jazz e à Musica Popula Brasileira (MPB). Integra o Grupo de Violões da Universidade Federal Fluminense (UFF) entre 1986 e 1989. A partir deste período, inicia seus estudos em contraponto, arranjo e harmonia funcional, tendo aulas de composição com Hans Joachim Koellreutter (1915-2005) e Sergio Benevenuto (1956). Paralelamente, transcreve partituras para songbooks, produzidos por Almir Chediak (1950-2003), lançados pela Editora Lumiar, entre eles, os de Noel Rosa (1910-1937), Chico Buarque (1944), Tom Jobim (1927-1994), Gilberto Gil (1942), João Bosco (1946), Rita Lee (1947), Dorival Caymmi (1914-2008) e Caetano Veloso (1942).

Em 2001, lança o CD Janelas, contendo as canções “Tempo Afora”  e “Flores”, ambas parcerias com Marcelo Diniz (1979). O disco é produzido por Rafael Ramos e conta com a participação de Marcos Suzano (1963), Jurim Moreira (1956) e Fábio Fonseca. Lança, em 2004, o CD Raro e Comum, produzido por Patrícia Ferraz, com a participação de Ney Matogrosso (1941), Zélia Duncan (1964) e dos músicos Marcos Suzano e DJ Marcelinho da Lua. Três anos depois lança o disco Tempo Afora, também em DVD, com direção de Paulo Henrique Fontenelle e a participação dos músicos Chico Chagas (1971), Fernando Caneca (1964) e Victor Bertrami (1977). O disco Guanabara, terceiro da carreira, é lançado em 2009.

Muda-se para a Espanha e lança, em 2011, o álbum Acrobata ao lado da cantora galega Ugia Pedreira (1970), compositora consolidada no cenário artístico da Galícia. Fred Martins tem algumas de suas canções gravadas por diversos artistas, como “Novamente”, trilha da novela Esperança da TV Globo, também gravada por Ney Matogrosso, Gilberto Lemos e Tatiana Rocha (1967). “Flores” é gravada por Zélia Duncan em seu disco Sortimento (2001).  A canção “Guanabara” é interpretada Juliana Caymmi (1975), no disco Para Dançar a Vida (2010) e Paula Santoro (1966), em Mar do Meu Mundo (2012). Maria Rita (1977) grava a canção “Sem Aviso”, no disco Segundo (2008). Ney Matogrosso e o grupo Pedro Luis e a Parede gravam “Tempo Afora” no álbum Vagabundo (2004).  

Comentário crítico
A linguagem pop de Fred Martins emerge de uma pesquisa sobre a composição e a obra de nomes consagrados da música brasileira. Essa característica reflete-se na versatilidade de gêneros que dialogam com o samba, a bossa nova e o rock. A estrutura harmônica de das canções de Martins demonstra conhecimento extenso, fruto da experiência de transcrições e de seus estudos.

Os discos Janelas (2001), Raro e Comum (2004) e Tempo Afora (2007) têm uma vertente pop, bastante executadas na radio e televisão. Representam o diálogo do compositor com a cena carioca, em especial nas parcerias com Marcelo Diniz, Suely Mesquita (1960), Zélia Duncan, Lucina (1950) e Francisco Bosco (1976).

No disco Guanabara (2009) o mergulho no samba e na bossa nova acontece também nos arranjos e na interpretação de Fred Martins. Integralmente acústico, traz gravações de voz e violão captadas simultaneamente. A batida do violão e a voz  são inspirados nas gravações do cantor e violonistas João Gilberto (1931), ícone da bossa nova. As composições têm referencias dos sambas e Cartola (1908-1980), Nelson Cavaquinho (1911-1986) e Paulinho da Viola (1942).

Seu quarto disco, Acrobata (2011), é uma fusão da canção galega com a brasileira. Feita em parceria com Ugia Pedreira (1970), é um trabalho sobre as semelhanças e diferenças entre essas culturas, repertórios e idiomas. Tem como denominador comum o lirismo lusófono. No mesmo ano, Martins também se aprofunda na cultura espanhola participando na criação da trilha do espetáculo de balé flamenco Utopia, de María Pagés (1963).

Outras informações de Frederico Ribeiro Martins:

  • Habilidades
    • Compositor
    • Arranjador
    • Cantor/Intérprete

Fontes de pesquisa (2)

  • FRED MARTINS. Site oficial do artista. Rio de Janeiro, 2001. Disponível em: < http://www.fredmartins.mus.br >. Acesso em: 12 jun. 2013.
  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira – Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006. Disponível em: < http://www.dicionariompb.com.br/fred-martins/ > . Acesso em: 12 jun. 2013.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • FREDERICO Ribeiro Martins. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa638026/frederico-ribeiro-martins>. Acesso em: 23 de Mai. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7