Artigo da seção pessoas Igor Lintz Maués

Igor Lintz Maués

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deIgor Lintz Maués: 08-12-1955 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia

Igor Lintz Maués (São Paulo, São Paulo, 1955). Compositor. Estuda composição, música eletroacústica e de computador na Universidade de São Paulo (USP), no Conservatório Real de Haia, no Instituto de Sonologia de Utrecht, ambos na Holanda, e na Universidade de Música e Artes Cênicas de Viena. Funda, em 1976, o grupo de música popular paulista Premeditando o Breque (o Premê), em parceria com Biafra (1957), Mário Manga (Mário Augusto Aydar, 1955), Marcelo [Antônio Marcelo Galbetti (1954)], Claus [Claus Erik Petersen (1955)] e Azael [Azael Rodrigues (1955-2016)], do qual faz parte até meados dos anos 1980.

Na década de 1980, torna-se professor na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), na qual dirige o Laboratório de Música Eletroacústica, criado por Michel Phillipot (1925-1996) e Conrado Silva (1940-2014) em 1977. Permanece lá até 1990.

Sua dissertação de mestrado Música Eletroacústica no Brasil, defendida na USP em 1989, torna-se obra de referência sobre o início deste gênero no país. Desde 1991, é professor na Universidade de Música e Artes Cênicas de Viena, onde leciona, entre outras disciplinas, design acústico, em colaboração com Peter Weibel (1944).

Pesquisa o cenário austríaco da música eletroacústica entre as 1980 e 1990, registrado em seu livro Acustica/Elektronische Frühling - Dokumentation elektroakustischer Musik in Österreich (1995), com Gerald Trimmel (1962).

De 1995 a 2000 preside a Sociedade Austríaca de Música Eletroacústica. Entre 1997 e 2002 dirige o fórum de compositores do International Summer Meeting of Electroacoustic Music (Ismeam), em Sárvár, Hungria. Funda, em 1999, a Vienna Noise Orchestra e, desde então, responde por sua direção artística. De 2003 a 2009 é diretor artístico da série de concertos Klangprojektionen, em Viena.

O mal de Parkinson, doença que o aflige há alguns anos, não o retira de atividade. Mantém-se atuante, com vários concertos e participações artísticas no Brasil, França, Itália, Alemanha, Hungria, entre outros.

Compositor convidado por diversos estúdios da América Latina e Europa, entre suas distinções constam o Prêmio Max Brand, de 1993, e nomeações para a International Computer Music Association Commission Award, de 1995 e 1996, além de prêmios do gabinete do chanceler austríaco/ Seção de Artes de 2001 e 2006.

Análise

Com residência fixa na Áustria há anos, Igor Lintz Maués atua na Europa, como artista e professor. Sua tese de mestrado Música Eletroacústica no Brasil: 1956-1981, é referencia histórica para os estudos da música eletroacústica no país, um dos poucos trabalhos que se debruçam sobre o tema.

Lintz Maués reinventa-se como autor de peças para orquestras de câmara e sinfônica, viola e músicas eletroacústicas. Já em seu repertório de interprete e arranjador, estão composições para quarteto elétrico e orquestra de ruídos, com timbres instrumentais clássicos e sons eletrônicos.

Sua produção experimental com o Premeditando o Breque teve orientação popular, traço presente em seu percurso. Sua contribuição também se estende à erudição, ao rock e até ao

chorinho, sempre em consonância com a música eletroacústica contemporânea, vertente de maior fôlego em sua carreira de artista, pesquisador e professor. A voz é recorrente em seus trabalhos, dialogando com sons computacionais ou timbres de instrumentos clássicos. Esta articulação entre o erudito e o popular, entre instrumentos clássicos e a música eletroacústica define seu percurso, bem recebido nas esferas acadêmica e de mercado. Isso se verifica em festivais, concertos e programas de rádio.

Sua discografia conta com participações em LPs e CDs, desde o início, em 1979, no LP do 1o Festival Universitário de Música Popular Brasileira (MPB), lançado pela Continental; nos LPs do grupo Premê (1980, 1981, 1983, 1986, 1991 e 1996) e, nos anos de 1995, 1997 e 2009, em coletâneas de CDs dedicados a música eletroacústica.

Entre os trabalhos, destacam-se:  Die flüchtige Evidenz (2012) para viola e eletrônica; Pour Annette (2011) eletroacústica; Ad multos annos (2009) para orquestra sinfônica; Loslassen (2007) instalação sonora; Schenk mir dein Ohr (2006) eletroacústica e Sieben (2005) para percussão e eletrônica. O repertório apresenta ainda um concerto para quarteto elétrico e orquestra de ruídos (2001) e Jede Frau trägt einen Schrei (1991) para trombone e multimeios.

O artista experimenta vídeo, performance, life electronic, uso telemático de execução musical, intervenções em espaço urbano e projeções sonoras, o que atesta seu gosto pela experimentação e pela tecnologia, afinadas com a própria música eletroacústica.

O trabalho colaborativo é uma das tônicas do artista, atuando com alunos, artistas e pesquisadores, que usam o ciberespaço como mediador de contato. Também é seu principal meio de divulgação, já que parte de sua obra está disponível em websites da Internet.

As pesquisas com linguagem sonora resultam em trabalhos singulares, executados em programas dedicados ao artista, como o Eletroacústicas, da Rádio MEC FM, além da produção acadêmica, voltada para a formação de novos pesquisadores do gênero musical.

A produção artística como compositor, mistura timbres experimentais com a sonoridade de meios eletrônicos.

O trabalho em outras manifestações determina empreendimentos coletivos, em diálogo com o teatro de rua, a performance, a dança e as artes plásticas. Tais práticas, anteriores a atuação com a música eletroacústica, são retomadas em trabalhos colaborativos e distribuídos em rede, estimulando alunos e outros pesquisadores.

Outras informações de Igor Lintz Maués:

  • Outros nomes
    • Igor Lintz-Maués
  • Habilidades
    • compositor
  • Relações de Igor Lintz Maués com outros artigos da enciclopédia:

Fontes de pesquisa (5)

  • ESCOLA de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Encontro com o compositor Igor Lintz Maués. In: Núcleo de Pesquisas em Sonologia (Nusom). São Paulo, 16 set. 2013. Disponível em: < http://www2.eca.usp.br/nusom/encontro_igor_maues >. Acesso em: 10.jul.14.
  • LINTZ MAUÉS, Igor. Música eletroacústica no Brasil: composição utilizando o meio eletrônico (1956-1981). Tese (Mestrado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica, popular. 2. ed., rev. ampl. São Paulo: Art Editora : Itaú Cultural, 1998. 912 p. p. 644
  • MELLO, Thiago. Conversa com Igor Lintz-Maues. Linda, revista sobre cultura eletroacústica. 20 jan. 2014. Disponível em: < http://linda.nmelindo.com/2014/01/conversa-igor-lintz-maues/ >. Acesso em: 14 jul.14.
  • RÁDIO MEC FM. Eletroacústicas. I - 06/02/2013 ( 07/arquivo: 07/02/2013); II - 13/02/2013 ( arquivo 14/02/2013); III - 20/02/2013 ( arquivo: 21/02/2013); IV – 27/02/2013 ( arquivo: 28/02/2013); V - 18/09/2013 ( arquivo: 19/09/2013); VI - 25/09/2013. Acesso em: 20 jul. 2014.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • IGOR Lintz Maués. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa636740/igor-lintz-maues>. Acesso em: 28 de Jun. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7