Artigo da seção pessoas Salomão Scliar

Salomão Scliar

Artigo da seção pessoas
Cinema  
Data de nascimento deSalomão Scliar: 1925 Local de nascimento: (Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre) | Data de morte 1991 Local de morte: (Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre)

Biografia

Salomão Scliar (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1925 – Idem, 1991). Cineasta, fotógrafo, produtor e roteirista. Nascido numa família gaúcha ligada às artes, em 1943, muda-se para o Rio de Janeiro. Integra a redação da revista Diretrizes, onde trabalha seu irmão, o pintor Carlos Scliar (1920-2001). Estabelece longa carreira no fotojornalismo, em revistas como O Cruzeiro, Manchete, Senhor e Realidade. Realiza reportagens fotográficas em vários estados do Brasil e no exterior.

Dirige, em 1945, o curta-metragem documental Homens do Mar, sobre pescadores, tema que, anos depois, inspira o seu único longa-metragem, Vento Norte (1951). Trabalha como assistente de câmera em O Cavalo 13 (1946), de Luiz Alípio de Barros (1893-1981) e Inocência (1948), de Fernando de Barros (1915-2002) e Luiz de Barros. Também é operador de câmera em Caminhos do Sul (1949), de Fernando de Barros.

Intelectual, amante do jazz, da fotografia, da pintura e do cinema, participa da fundação do Clube de Cinema de Porto Alegre, em 1948. No início da década de 1950, funda a Horizonte Filmes, com a intenção de montar um estúdio e iniciar uma série de filmes gaúchos. Sem conseguir realizar o estúdio, filma Vento Norte em locações na praia de Torres, Rio Grande do Sul, em 45 dias. Além de criar a ideia original – transformada em argumento pelo escritor Josué Guimarães (1921-1986) – Salomão escreve o roteiro final, fotografa, dirige e coproduz esse primeiro longa sonoro realizado no Rio Grande do Sul. Planeja um segundo longa de ficção, Terra de Sangue, que não sai do papel. Realiza documentários para cinema e TV, até a década de 1960.

Análise

Salomão Scliar  destaca-se pelo apuro visual em suas fotografias e filmes, como atestam as cenas de conjunto e as sequências marítimas, em Vento Norte. Suas reportagens fotográficas tratam frequentemente de temas sociais – o mundo do trabalho, a pobreza, o contraste entre o Brasil rural e o urbano – também tematizados em seu filme. Parte da crítica enxerga na obra elementos do neorealismo italiano, por abordar as dificuldades e os conflitos de trabalhadores e pela participação de pescadores autênticos como intérpretes.

A professora Mariarosaria Fabris, por sua vez, compara o diálogo do filme com Que viva México! (1932), Sergei Eisenstein (1898-1948), “principalmente no castigo infligido a um de seus personagens (enterrado na areia até o pescoço)”1.

Para o cineasta e professor Glênio Póvoas, autor de dissertação sobre Vento Norte, o filme ainda deslumbra devido à “luminosidade da fotografia, a cuidada composição dos enquadramentos – e a um certo caráter documental que lhe confere valor de peça antropológica.”

Nota

1 FABRIS, Mariarosaria. A questão realista no cinema brasileiro: aportes neo-realistas. Alceu, Rio de Janeiro, v. 1, 2007. p. 82-94.

Outras informações de Salomão Scliar:

Exposições (2)

Artigo sobre As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro (1940-1960) (2012 : Rio de Janeiro, RJ)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioAs origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro (1940-1960) (2012 : Rio de Janeiro, RJ): 11-07-2012  |  Data de término | 06-10-2012
Resumo do artigo As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro (1940-1960) (2012 : Rio de Janeiro, RJ):

Instituto Moreira Salles (Rio de Janeiro, RJ)

Artigo sobre As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro (1940-1960) (2012 : São Paulo, SP)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioAs origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro (1940-1960) (2012 : São Paulo, SP): 23-11-2012  |  Data de término | 31-03-2013
Resumo do artigo As origens do fotojornalismo no Brasil: um olhar sobre O Cruzeiro (1940-1960) (2012 : São Paulo, SP):

Instituto Moreira Salles (Higienópolis, São Paulo, SP)

Fontes de pesquisa (8)

  • NETO, Antônio Leão da Silva. Dicionário de filmes brasileiros. São Paulo: Edição do Autor, 2002.
  • BUNDT, Roger Luiz da Cunha. A Regionalidade do Cinema Gaúcho. Disponível em: < http://encipecom.metodista.br/mediawiki/images/7/73/GT3-_10-_A_regionalidade-Roger.pdf >. Acesso em: 21 maio 2012.
  • FABRIS, Mariarosaria. A questão realista no cinema brasileiro: aportes neo-realistas. Alceu, Rio de Janeiro, v. 1, 2007. p. 82-94
  • LUNARDELLI, Fatimarlei. Quando éramos jovens: história do Clube de Cinema de Porto Alegre. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS: Secretaria Municipal de Cultura, 2000.
  • MAIA, Yolandino. Vento norte – um filme gaúcho. Momento feminino, Rio de Janeiro, n.82 , mar.1951. p. 11
  • PÓVOAS, Glênio. História e analise do filme Vento Norte. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), São Paulo, 1998.
  • PÓVOAS, Glênio. Encantamento do filme Vento norte atravessa meio século. Sessões do Imaginário, Porto Alegre, n. 6, jul., 2001. p. 20-24
  • RAMOS, Fernão; MIRANDA, Luis Felipe. Enciclopédia de cinema brasileiro. São Paulo: Editora SENAC, 2ª Edição, 2004.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • SALOMÃO Scliar. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa622508/salomao-scliar>. Acesso em: 23 de Ago. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7