Artigo da seção pessoas Tom Jobim

Tom Jobim

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deTom Jobim: 25-01-1927 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 08-12-1994 Local de morte: (Estados Unidos / Nova York / Nova York)

Biografia
Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim (Rio de Janeiro, 1927 – Nova York, Estados Unidos, 1994). Compositor, pianista, arranjador, cantor e violonista. Seu interesse pela música surge por influência de dois tios, um violonista erudito, outro popular, universos que se fundem em sua obra. Já toca violão e gaita quando, com cerca de 14 anos, tem suas primeiras aulas de piano com o compositor alemão Hans Joachim Koellreutter (1915-2005), que leciona no Colégio Brasileiro de Almeida, propriedade de sua mãe, dona Nilza Jobim. Órfão de pai muito cedo, recebe do padrasto Celso Frota Pessoa grande incentivo para estudar música, evoluindo rapidamente.

Em 1946, alterna o primeiro ano da faculdade de arquitetura com o trabalho de pianista em boates de Copacabana e Ipanema, mas logo abandona os estudos em prol da música. Aperfeiçoa-se no piano com Lúcia Branco e Tomás Terán, além de estudar orquestração, harmonia e composição. Trabalha em boates até 1952, quando é contratado como pianista e arranjador na gravadora Continental, acompanhando artistas como Dalva de Oliveira (1917-1972), Orlando Silva (1915-1978) e Dick Farney (1921-1987). Em 1953, tem suas primeiras composições gravadas: Pensando em Você e Faz Uma Semana, por Ernâni Filho (1920), e Incerteza, parceria com Newton Mendonça, por Mauricy Moura (1926-1977). Em 1955, rege na Rádio Nacional sua primeira composição sinfônica, Lenda. No ano seguinte, inicia duradoura parceria com o poeta Vinicius de Moraes (1913-1980), orquestrando, regendo e compondo parte da trilha da peça Orfeu da Conceição.

Em 1958, produz o LP Canção do Amor Demais, de Eliseth Cardoso (1920-1990). Além da faixa-título, parceria com Vinicius de Moraes, o disco traz entre outras duas composições de Jobim: Chega de Saudade, também com letra de Vinicius, e Outra Vez, que registram pela primeira vez a batida característica do violão de João Gilberto (1931). João, no mesmo ano, regrava Chega de Saudade em voz e violão, num 78 RPM que contém Bim Bom na face e é considerado o marco inicial da bossa nova. A canção Desafinado, parceria de Jobim com Newton Mendonça, é incluída no primeiro LP do cantor baiano, Chega de Saudade (1959). O álbum seguinte, O Amor, o Sorriso e a Flor (1960) traz diversas canções suas, entre elas o Samba de Uma Nota Só. Em 1960, por ocasião dos festejos de inauguração da capital, compõe Brasília, Sinfonia da Alvorada. No mesmo ano, Orphée Noir (Marcel Camus, 1959), versão cinematográfica de Orfeu da Conceição, ganha a palma de ouro em Cannes e vence o Oscar de filme estrangeiro.

Em 1962, escreve com Vinicius de Moraes Garota de Ipanema, que logo alcança grande sucesso nos Estados Unidos. No mesmo ano, a versão instrumental de Stan Getz (1927-1991) e Charlie Byrd (1925-1999) para Desafinado leva a gravadora Audio Fidelity, com apoio do Itamaraty, a promover um concerto de bossa nova no Carnegie Hall, em Nova York, onde Jobim passa alguns meses. Ali lança seu primeiro álbum solo, The Composer of Desafinado Plays, em 1963. A partir de então, divide-se entre o Brasil e os Estados Unidos, num trânsito que lhe rende a gravação de oito LPs, incluindo Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim (1967), contratos para atuar no cinema e na TV, além de diversos Grammys. Muitas de suas composições, traduzidas para o inglês, integram o repertório de importantes artistas do universo pop e do jazz.

Fixa-se no Brasil em 1968, ano em que sua canção Sabiá, parceria com Chico Buarque (1944), vence o 3º Festival Internacional da Canção. Lança os álbuns Matita Perê (1973), Urubu (1975) e Terra Brasilis (1980). Em 1984, funda a Banda Nova, formada por amigos e parentes, com a qual excursiona por diversos países até o fim da vida. Com ela grava seus últimos discos: Passarim (1987) e Antonio Brasileiro (1994).

Ao longo da carreira, recebe inúmeras homenagens e honrarias. Compõe a trilha de filmes nacionais (Porto das Caixas, 1961; Tempo de Mar, 1970; A Casa Assassinada, 1971; Eu te Amo, 1981; Gabriela, 1983, Fonte da Saudade, 1984; Para Viver um Grande Amor, 1983) e estrangeiros (Orphée Noir, 1959; The Adventurers, 1970) e da minissérie O Tempo e o Vento (1985). Além de Vinicius de Moraes, com quem escreve cerca de 50 canções, tem parcerias com grandes nomes da música brasileira, como Dolores Duran (Estrada do Sol, Por Causa de Você, Se É por Falta de Adeus), Chico Buarque (Sabiá, Retrato em Branco e Preto, Anos Dourados, entre outras) e Billy Blanco (Sinfonia do Rio de Janeiro, Teresa da Praia, entre outras).

Comentário crítico
Ao lado do violonista e cantor João Gilberto e do poeta Vinicius de Moraes, Tom Jobim integra o tripé fundador do movimento musical conhecido como bossa nova. Surgido no auge do desenvolvimentismo, o estilo bossanovista vem reforçar um imaginário modernizante que se torna hegemônico no Rio de Janeiro dos anos 1950, espelhando as transformações por quais passava a capital. De um lado, a diminuição dos contatos e trocas entre os estratos mais baixos da população, isolados na zona Norte, e as camadas médias, que passam a se concentrar na beira-mar, cria na cidade novas formas de sociabilidade.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Tom Jobim:

  • Outros nomes
    • Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim
    • Antonio Carlos Jobim
  • Habilidades
    • Arranjador
    • Regente/maestro
    • Instrumentista
    • Compositor
    • Pianista

Espetáculos (4)

Fontes de pesquisa (12)

  • BÉHAGUE, Gerard. "Jobim, Antônio Carlos." Grove Music Online. Oxford University Press. Disponível em: <www.oxfordmusiconline.com/subscriber/article/grove/music/44182>. Acesso em: 03 jun. 2013.
  • CABRAL, Sérgio. Antônio Carlos Jobim: uma biografia. Rio de Janeiro: Lumiar, 1997.
  • CAMPOS, Augusto de (org.). Balanço da Bossa e outras bossas. 5a. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.
  • CASTRO, Ruy. Chega de saudade: a história e as histórias da bossa nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica, popular. Organização Marcos Antônio Marcondes. 2. ed., rev. ampl. São Paulo: Art Editora : Itaú Cultural, 1998. R780.981 M321e 2.ed.
  • GAVA, José Estevam. A linguagem harmônica da Bossa Nova. São Paulo: Ed. Unesp, 2002.
  • JOBIM, Antonio Carlos. A vida de Tom Jobim: depoimento. Rio de Janeiro: Rio Cultura, Faculdades Integradas Estácio de Sá, 1983.
  • JOBIM, Paulo (org.). Cancioneiro Jobim: Obras completas. Rio de Janeiro: Jobim Music, Casa da Palavra, 2000.
  • MACHADO, Cacá. Tom Jobim. São Paulo: Publifolha, 1998. (Coleção Folha Explica, 77).
  • Orfeu. Disponível em: http://www.showbras.com.br/orfeu Acessado em: 22/08/2012 Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - TBC Apresenta Arena-Opinião - 1965 Não catalogado
  • SÁNCHEZ, J. L. Tom Jobim: a simplicidade do gênio. Rio de Janeiro : Record, 1995.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • TOM Jobim. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa6060/tom-jobim>. Acesso em: 19 de Nov. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7