Artigo da seção pessoas Edmundo Villani Cortes

Edmundo Villani Cortes

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deEdmundo Villani Cortes: 08-11-1930 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Juiz de Fora)

Biografia
Edmundo Villani-Côrtes (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1930). Compositor, arranjador, regente, pianista e professor. Filho de músicos amadores, inicia-se na área como autodidata, imitando, no cavaquinho, as posições que o irmão faz ao violão. Mais tarde, dedilha ao violão as músicas “que tira de ouvido”. Em 1947, estuda piano com Nialva Bicalho e, posteriormente, com Cincinato Duque Bicalho. Três anos mais tarde, torna-se pianista na Orquestra Filarmônica de Juiz de Fora. Nessa época, toca na rádio PRB3 e na Orquestra de Mário Vieira, da Rádio Industrial, onde escreve seus primeiros arranjos. O preconceito de Bicalho frente ao envolvimento de Villani-Côrtes com a música popular, leva-o a abandonar o curso. Segue seu aprendizado de piano no Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro, onde se forma com Guilherme Mignone, no período de 1951 a 1954.

Em 1953, muda-se para o Rio de Janeiro e integra a Orquestra Tamoio do maestro Cipó (1922-1992). Em 1955, retorna à Juiz de Fora, ali ficando até 1959. Nesse período, estreia seu Concerto nº1 para Piano e Orquestra (1955), forma-se em Direito pela Universidade de Juiz de Fora, e dirige, por dois anos, o Conservatório Estadual de Música. Em 1960, muda-se para São Paulo, onde se aperfeiçoa em piano com José Kliass (1895-1970), de 1960 a 1963 e estuda composição com Camargo Guarnieri (1907-1993), entre 1963 e 1965. Torna-se pianista de orquestras como as de Osmar Milani (1920-2003), de Luis Arruda Paes (1926), e das Rádios Bandeirantes, Gazeta e Record. No fim dos anos 1960, realiza a trilha do filme O Matador (1968), de Amaro César (1922) e Egídio Eccio (1929-1977). Dedica-se, nas duas décadas seguintes, à orquestra da Televisão Tupi, atuando como pianista e arranjador e produzindo cerca de mil arranjos. Ali conhece o diretor da Academia Paulista de Música, Bernardo Federowski, que, em 1973, convida-o a integrar o corpo docente dessa instituição nas cadeiras de harmonia funcional, arranjo e improvisação. Em 1978, influenciado pela breve formação em composição com Hans-Joachim Koellreutter (1915-2005), escreve Noneto1, que recebe a menção honrosa do concurso Noneto de Munique (Instituto Goethe).

Em 1982, torna-se professor de contraponto e composição na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) da qual se aposenta em 1999. Também leciona na Universidade Livre de Música. Seu ingresso na academia, impulsiona a obtenção do mestrado em composição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1988, e do doutorado pela Unesp em 1998.

De 1989 a 1991, atua como pianista no quinteto do programa Jô Soares Onze e Meia, no canal Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). Entre 1990 e 1999, desenvolve seu trabalho como regente da orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo. É premiado sete vezes pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA): Melhor Peça Erudita Vocal (1990), Melhor Peça Sinfônica-Coral (1995), Melhor Peça Experimental (1998), Melhor Peça Coral Sinfônica (2007, 2008, 2009), e o Grande Prêmio da Crítica pelo conjunto da obra (2012). No exterior, destacam-se a estreia de seu Concerto para Flauta e Orquestra, em Londres, pela Covent Garden Chamber Orchestra (2000) e a tournée internacional de Maria José Carrasqueira na qual interpreta seu Concerto n. 3 para Piano e Orquestra com a Orquestra Filarmônica da Armênia (2010).

Análise 
Edmundo Villani-Côrtes desenvolve uma obra clara, simples e direta. Sua principal formação é na prática profissional. O estilo franco e comunicativo é resultado da soma das experiências como ouvinte (rádio, cinema, vida musical familiar), das experimentações como instrumentista autodidata, dos estudos de harmonia e composição e da intensa experiência de escrever arranjos.

Todo esse aprendizado lega, à sua obra, características da música popular brasileira (sobretudo urbana), do jazz norte-americano, do repertório clássico romântico europeu [o alemão Joseph Haydn (1732-1809), o polonês Frédéric Chopin (1810-1849), o russo Dmitry Shostakovich (1906-1975)] e, particularmente, do impressionismo francês [Claude Debussy (1862-1918) e Maurice Ravel (1875-1937)]. Também incorpora elementos que aparecem de forma menos sistemática, como a politonalidade, a utilização de escalas octatônicas e outras técnicas pós-tonais. Sua escrita se mantêm focada em uma linguagem tonal, predominantemente homofônica e calcada no desenvolvimento de temas melódicos.

Essa mescla afirma os preceitos do compositor. Ele diverge dos compositores de vanguarda, que defendem que a composição deve sempre comportar elementos novos. Para Villani-Côrtes,“o bom escritor [...] é aquele que sabe utilizar o vocabulário conhecido e entendido por todos para passar uma nova ideia com clareza. Ele não precisa inventar um novo vocabulário ou uma nova língua para ser original”2. Assim, o compositor lança mão de todas as referências que construem sua escuta musical para extravasá-las em suas próprias obras. O musicólogo Lutero Rodrigues reflete sobre a coerência do compositor com suas origens: “se o seu ouvido foi o único canal que lhe revelou a riqueza sonora das manifestações musicais às quais podia ter acesso, extraindo o máximo de informações do limitado universo em que se formou, a partir do momento em que começou a compor, tornou-se o ouvido seu principal guia – ao lado dos conhecimentos adquiridos em longos anos de estudos – aquele que lhe passou a mostrar os caminhos a seguir e dar-lhe a última palavra em qualquer tomada de decisão durante o processo de composição”3.

Apesar de não se ligar a nenhum movimento estético, Villani-Côrtes compôs peças que mostram a influência dos dois principais que estavam em vigência no país. Um deles é estilo nacionalista, especialmente quando é aluno de Camargo Guarnieri, sem nunca ter sido um estudioso do folclore brasileiro. O outro, a estética de vanguarda, quando é aluno de H. J. Koellreutter. Seu percurso como músico popular e arranjador fazem com que algumas influências tornem-se mais marcantes. A música de Radamés Gnatalli (1906-1988), por exemplo, que, além de compositor, é um dos maiores arranjadores da era do rádio, incide de maneira contundente em sua produção.

O acervo composicional de Villani-Côrtes possui mais de três centenas de obras escritas para instrumentos solistas, canto e piano, coro, conjuntos de câmara, banda sinfônica, orquestra sinfônica, e obras concertantes para quase todos os instrumentos orquestrais. Entre elas, destacam-se seus três concertos para piano, suas Cinco Miniaturas Brasileiras para Orquestra de Cordas (1999), suas Três Cantatas (2000) sobre textos que relatam a História do Brasil no século XX [o Ato Institucional nº5, a Carta da renúncia do presidente Jânio Quadros (1917-1992) e Carta-Testamento do presidente Getúlio Vargas (1883-1954)], e sua ópera Poranduba (estreada em 2007).

Tem uma incursão no movimento da Jovem Guarda, no disco Temas de Sempre na Música “Jovem” - The Jet Black's e Edmundo Villani-Côrtes (Chantecler, 1967). Tem composições gravadas por artistas do gênero Brega, como Hugo Santana (1936) e Martha Santana.

Notas
1 Para dois violinos, viola, cello, contrabaixo, trompa, oboé, clarinete e fagote.
2 GIARADINI, Monica. Processos composicionais de Edmundo Villani-Côrtes na sua Sinfonia nº1 para orquestra de sopros. 2013. Tese (Doutorado em Processos de Criação Musical) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. p. 17.
3 RODRIGUES, Lutero. “Música de Câmara de Edmundo Villani-Côrtes” [Online]. In: Francisco Carlos Coelho (Org.). Música Contemporânea Brasileira: Edmundo Villani-Côrtes. Vol. 3. São Paulo: Centro Cultural São Paulo – Discoteca Oneyda Alvarenga, 2006. Disponível em: < http://villanicortes.com.br/?page_id=516 >. Acesso em: 22 mar. 2014.

Outras informações de Edmundo Villani Cortes:

  • Outros nomes
    • Edmundo Villani-Côrtes
    • Edmundo Villani Côrtes
  • Habilidades
    • músico
    • Pianista
    • Regente/maestro
    • Arranjador
    • Compositor
    • professor de música

Espetáculos (1)

Fontes de pesquisa (11)

  • AYER, Maurício. O mistério e seu contrário.  In: Karin Fernandes, Opus 80. Obras de Edmundo Villani-Côrtes. Encarte do CD. São Paulo: Selo independente, 2012.
  • BARONI, Sílvio Ricardo. Concerto n.3 para Piano e Orquestra de Edmundo Villani-Côrtes: uma abordagem técnico-anatômico-pianística. Pesquisa (Pós-Doutorado em Música) – Departamento de Música do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas: 2003.
  • EDMUNDO Villani-Côrtes. Site do artista. Disponível em: < http://villanicortes.com.br/ >. Acesso em: 22 mar. 2014.
  • ENSAIO Magazine. Villani-Côrtes: apaixonado pelo presente. Ensaio Magazine: Revista Cultural do Conservatório de Tatuí, Tatuí, ano IV, n.38, maio 2008. Disponível em: < http://www.conservatoriodetatui.org.br/ensaiomagazine/ensaio_38.pdf >. Acesso em: 22 mar. 2014.
  • FRANCO PERPÉTUO, Irineu. Notas biográficas [Online]. In: COELHO, Francisco Carlos (Org.). Música Contemporânea Brasileira: Edmundo Villani-Côrtes. v. 3. São Paulo: Centro Cultural São Paulo – Discoteca Oneyda Alvarenga, 2006. Disponível em: < http://villanicortes.com.br/?page_id=504 >. Acesso em: 22 mar. 2014.
  • GARDINI, Leandro. O compositor Villani-Côrtes fala sobre sua vida e obra. Trilhando clássicos. Entrevista com Edmundo Villani-Côrtes. São Paulo, 24 ago. 2011. Disponível em: < http://mais.uol.com.br/view/wxs5e3bsd547/11996952?types=A& >. Acesso em: 22 mar. 2014.
  • NICOLAU, Thais Lopes. The piano concertos of Edmundo Villani-Côrtes. Tese (Doutorado em Música) – University of Northern Colorado, Greeley, 2013.
  • RODRIGUES, Lutero. Música de Câmara de Edmundo Villani-Côrtes [Online]. In: Francisco Carlos Coelho (Org.). Música Contemporânea Brasileira: Edmundo Villani-Côrtes. v. 3. São Paulo: Centro Cultural São Paulo – Discoteca Oneyda Alvarenga, 2006. Disponível em: < http://villanicortes.com.br/?page_id=516 >. Acesso em: 22 mar. 2014.
  • SILVA, Luciano Simões. Edmundo Villani-Côrtes, compositor brasileiro: Performance Practice of his Song Repertoire as exemplified by eleven songs for voice and piano. Tese (Doutorado em música) – Michigan State University, East Lansing, 2006.
  • VILLANI-CÔRTES, Edmundo. A utilidade da prática da improvisação e a sua presença no trabalho composicional do concertante breve para quinteto de banda sinfônica de Edmundo Villani-Côrtes. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de artes da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), São Paulo, 1998.
  • CENAPAULISTANA. São Paulo. Disponível em: < http://www.cenapaulistana.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1664:divas>. Acesso em :12de julho de 2011 Não catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EDMUNDO Villani Cortes. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa586114/edmundo-villani-cortes>. Acesso em: 10 de Jul. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7