Artigo da seção pessoas Marlos Nobre

Marlos Nobre

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deMarlos Nobre: 1939 Local de nascimento: (Brasil / Pernambuco / Recife)

Biografia

Marlos Nobre de Almeida (Recife PE 1939). Compositor e regente. Aos 5 anos, ingressa no Conservatório Pernambucano de Música, onde se forma em piano e teoria musical em 1955. Entre 1956 e 1959, estuda harmonia e contraponto no Instituto Ernâni Braga. Vence concurso para solista de piano da Orquestra Sinfônica do Recife, em 1958. No ano seguinte, compõe sua primeira obra, Concertino, para piano e orquestra de cordas. Estuda composição com Hans-Joachim Koellreutter no 10º Curso Internacional de Férias da Pró-Arte em Teresópolis, Rio de Janeiro, em 1960, e com Camargo Guarnieri, em São Paulo, em 1961.

Muda-se para a cidade do Rio de Janeiro em 1962 e passa a trabalhar na Rádio MEC (Ministério de Educação e Cultura). Entre 1963 e 1964, cursa pós-graduação em composição no Centro Latino-Americano de Altos Estudos Musicais, do Instituto Torcuato Di Tella, em Buenos Aires, e se aperfeiçoa com importantes compositores, como o argentino Alberto Ginastera (1916 - 1983), o francês Olivier Messiaen (1908 - 1992), o norte-americano Aaron Copland (1900 - 1990) e os italianos Bruno Maderna (1920 - 1973) e Luigi Dallapiccola (1904 - 1975). Estagia no Centro de Música Eletrônica de Columbia-Princeton, em Nova York, com Wladimir Ussachevsky, em 1969.

Representa o Brasil na Tribuna Internacional dos Compositores (TIC) da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris, em 1966, com sua peça musical Ukrinmakrinkrin. No ano seguinte, apresenta-se nos principais festivais e instituições norte-americanos, a convite do Departamento de Estado dos Estados Unidos (EUA), e compõe a trilha sonora do filme O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, de Glauber Rocha. Sua obra Concerto Breve, para piano e orquestra, 1969, é apresentada em 1970 na TIC e no mesmo ano recebe do Conselho Superior de Música do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS/RJ) o prêmio Golfinho de Ouro.

Entre 1971 e 1976, Marlos Nobre coordena a Rádio MEC e organiza a Orquestra Sinfônica Nacional. Sua composição Sonâncias é executada na abertura da Olimpíada de 1972, ano em que é lançado o primeiro LP dedicado a sua obra. De 1976 a 1979, dirige o Instituto Nacional de Música da Fundação Nacional de Artes (INM/ Funarte), e em 1980 é compositor residente na Brahms-Haus em Baden-Baden, Alemanha. É eleito vice-presidente do Conselho Internacional de Música da Unesco na gestão 1981/1982, e presidente entre 1986 e 1987. Integra a Academia Brasileira de Música, entidade que preside por três mandatos consecutivos, de 1985 a 1993. É professor visitante de composição da Universidade de Yale, em 1992. Recebe o 6º Prêmio Ibero-Americano Tomás Luis de Victoria, na Espanha, em 2005.

Comentário Crítico

Ao lado de Edino Krieger, Cláudio Santoro, Guerra-Peixe e Gilberto Mendes, Marlos Nobre figura entre os compositores brasileiros de maior expressão no cenário internacional da segunda metade do século XX, e continua a se destacar no século XXI. Tendo estudado com os líderes (e antagonistas) das duas principais correntes musicais brasileiras do século XX, Hans-Joachim Koellreutter e Camargo Guarnieri, não chega a se filiar estritamente nem ao dodecafonismo nem ao nacionalismo, aliando elementos das duas estéticas aos mais diversos estilos e idiomas que proliferam no cenário da música erudita do pós-Segunda Guerra.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Marlos Nobre:

  • Outros nomes
    • Marlos Nobre de Almeida
  • Habilidades
    • regente/maestro
    • pianista
    • compositor

Espetáculos (1)

Fontes de pesquisa (6)

  • CACCITORE, Olga. Dicionário biográfico de música erudita brasileira. Rio: Forense Universitária, 2005. p. 311-314.
  • CORKER, Maria Luiza. "'Sonâncias III, Opus 49' de Marlos Nobre". Latin American Music Review. Vol. 15, No. 2 (Autumn-Winter, 1994), p. 226-243.
  • MARIZ, Vasco. Figuras da música brasileira contemporânea. Brasília: UnB, 1970. p. 111-116.
  • NOBRE, Marlos. Página Oficial do compositor na Internet. Disponível em: <http://marlosnobre.sites.uol.com.br>. Acesso em 09 nov. 2010.
  • _______. "Nueve Preguntas a Marlos Nobre". Revista Musical Chilena, Chile, v. 33, n. 148, p. 37-47, 1979.
  • MARCO, T. Marlos Nobre: el sonido del realismo mágico. Madrid: Fundación Autor, 2006.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARLOS Nobre. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa560744/marlos-nobre>. Acesso em: 12 de Dez. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7