Artigo da seção pessoas Felipe Lara

Felipe Lara

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deFelipe Lara: 1979 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Sorocaba)

Biografia

Felipe Lara (Sorocaba SP 1979). Guitarrista e compositor. Instrumentista de rock e de jazz diplomado pelo The Guitar Institute de Londres, em 1998. Em 1999, parte para os Estados Unidos para estudar guitarra e arranjo na Berklee College of Music. Lá, desvia sua trajetória e realiza um duplo bacharelado em composição e em trilha sonora, em 2002, além de mestrado em composição pela Tufts University, em 2005. Entre 2005 e 2008, torna-se aluno de composição, informática musical e orquestração de Tristan Murail na Columbia University, tendo, nesse mesmo período, a oportunidade de participar de aulas e master classes com Brian Ferneyhough, Michael Jarrell, Yan Maresz, Marco Stroppa, Wolfgang Rihm, Helmut Lachenmann e Chaya Czernowin. Desde 2002 vem recebendo importantes prêmios, dos quais se destaca o Staubach Prize de Darmstadt, pela peça Tran(slate) para quarteto de cordas, de 2008. Em 2006, lança os álbuns Quadro Visões Contemporâneas, ao lado de Alexandre Lunsqui, Leonardo Aldrovandi, Ignácio Campos e Arditti Quartet, e Música Plural, com o Percorso Ensemble. Compõe para grupos de câmara e orquestras como o Arditti Quartet (2008), o Ensemble Recherche (Love Song, 2010), a Radio Kamer Filharmonie Hilversum, sob a regência de Peter Eötvös (encomenda do Donaueschingen Musiktage para a peça Memoria(i)mobile, 2010), e a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Ó, inspirada em texto de Nuno Ramos). As 35 peças de seu catálogo já figuram em mais de uma centena de concertos nas Américas e na Europa, interpretadas por conjuntos como Duo Diorama, Camerata Aberta, Kammerensemble Neue Musik Berlin, Nouvel Ensemble Moderne, Arditti Quartet e Tanglewood Music Center Orchestra. Desse repertório, três peças podem ser ouvidas em CDs. Lara é cofundador do Ensemble de compositores áltaVoz (2003) e, atualmente, finaliza o doutorado em composição pela New York University, onde estuda com Mario Davidovsky, Elizabeth Hoffman e Louis Karchin.

Comentário Crítico

Felipe Lara desenvolve, no início da carreira, uma linguagem contrapontística¹ num pensamento tradicionalmente camerístico de relações recíprocas, em que um dado instrumento desempenha o papel de guia de certa passagem de uma sessão, ou de toda a peça, e os outros o seguem, contando com a exposição de frases, períodos, num tipo de construção que se aparenta à estrutura da língua falada ou escrita com caráter dramático e colorístico (Capricci, 2003; Concertino #1, 2004; e Livro dos Sonhos I, 2004). Na Columbia University, torna-se aluno do compositor francês Tristan Murail, e com base nesse contato sua forma composicional sofre um redirecionamento, como observa Franco Perpétuo, que, comentando a peça Corde Vocale (2005), define como vozes "que se comunicam irregular e contrapontisticamente, numa nebulosa sonora". Nele, a orquestração cede lugar à fusão instrumental pela sobreposição de objetos musicais, influenciada tanto pela música espectral² quanto pela música concreta instrumental. Em termos retóricos, esse fenômeno impulsiona um caráter não linear que se atualiza, na microforma, pela reiteração variada de pequenos objetos entre as diferentes vozes (gerando, ao mesmo tempo, a unidade e a diversidade da obra), e na macroforma, pela fragmentação de processos relativamente lineares, questionando, dessa maneira, o conceito da repetição no discurso musical. Além desse recurso, a fragmentação formal é radicalizada pela técnica de "acidentes" que submetem os objetos musicais a um tratamento multidimensional. Nele, como argumenta o compositor, "um mesmo objeto pode ser submetido a vários tratamentos contraditórios: intervalares, eletroacústicos, gestuais, tímbricos" etc., que garantem "um enriquecimento da paleta composicional com a 'alteridade' de cada técnica contrastante", sem, no entanto, representar rupturas abruptas no discurso musical.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Felipe Lara:

  • Outros nomes
    • Felipe de Souza Lara
  • Habilidades
    • Instrumentista
    • compositor

Fontes de pesquisa (8)

  • CATANZARO, Tatiana; LARA, Felipe. "Entrevista com o compositor". Paris/Nova Iorque, 2011.
  • GIDAL, Marc. "Contemporary "Latin American" Composers of Art Music in the United States: Cosmopolitans Navigating Multiculturalism and Universalism". Latin American Music Review, Vol. 31, n.1, 2010, pp. 40 78.
  • LARA, Felipe. "Tutti". In: Música Plural. Interpretado pelo Percorso Ensemble sob direção de Ricardo Bologna no CD AA0001000 concebido pelo Bufo Crucifer Bureau Musical. Projeto Petrobras. São Paulo, 2009.
  • LARA, Felipe. Curriculum Vitæ. Nova Iorque, documento manuscrito, 2011.
  • LARA, Felipe. Felipe "Lara visits the NEC Young Composers Forum". in: Boston NEC Young Composers Forum. Palestra do compositor. Boston, Massachussets, New England Conservatory, 14 de dezembro de 2010. Disponível em: <<http://www.youtube.com/watch?v=DVK9G6N2AMI>>. Acesso em: 22/08/2011.
  • MOLINA, Sidney. "Complexas e "difíceis", composições não são para ficarem engavetadas". In Folha de São Paulo: Caderno Ilustrada, São Paulo: Folha de São Paulo, 8 de março de 2010.
  • MOLINA, Sidney. Música Clássica Brasileira Hoje. Coleção Folha Explica. São Paulo: Publifolha, 2010.
  • PERPÉTUO, Irineu Franco. "O vanguardista". In Folha de São Paulo: Caderno Ilustrada, São Paulo: Folha de São Paulo, 8 de março de 2010.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • FELIPE Lara. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa559201/felipe-lara>. Acesso em: 22 de Jul. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7