Artigo da seção pessoas Anna Letycia

Anna Letycia

Artigo da seção pessoas
Artes visuais / teatro  
Data de nascimento deAnna Letycia: 25-09-1929 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Teresópolis) | Data de morte 30-10-2018 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Molière, Le malade imaginaire , 1963 , Anna Letycia
Reprodução fotográfica Vicente de Mello

Biografia

Anna Letycia Quadros (Teresópolis, Rio de Janeiro, 1929 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018). Gravadora. Seus trabalhos se caracterizam pela economia de traços, pelo uso criterioso da cor e pela leveza sugerida pelas formas sólidas.

Inicia estudos de desenho e pintura com Bustamante Sá (1907-1988), na Associação Brasileira de Desenho, no Rio de Janeiro, e, na década de 1950, frequenta vários cursos de gravura, tendo como professores André Lhote (1885-1962), Darel (1924), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), e Iberê Camargo (1914-1994), no Instituto Municipal de Belas Artes. Realiza curso de xilogravura com Oswaldo Goeldi (1895-1961), na Escolinha de Arte do Brasil, e de pintura com Ivan Serpa (1923-1973), com quem participa da criação do Grupo Frente. Nessa década, passa a trabalhar exclusivamente com gravura em metal.

Em 1959, Anna Letycia frequenta o ateliê do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), coordenado pela artista Edith Behring (1916-1996). É convidada a lecionar gravura no ateliê desse museu, atividade que exerce entre 1960 e 1966. Dentro desse período, dá aulas de gravura em Santiago, onde recebe o título de professor honoris causa da Pontifícia Universidade Católica do Chile, em 1961.

Na produção de Anna Letycia, a afinidade com a obra de Goeldi  pode ser percebida no clima soturno de algumas gravuras e na ligação com o expressionismo. A artista utiliza frequentemente a imagem do caracol, motivo para geometrizações e múltiplas combinações formais, como em Caracol (1965), obra na qual, através das formas espiraladas, explora sugestões de positivo e negativo, claro e escuro, densidade e transparência.

A partir de 1968, inclui a caixa como novo elemento formal em suas obras, e como símbolo da dualidade interior/exterior. Em Caixa Voadora (1968) associa às formas espirais e cúbicas sugestões de motivos decorativos arquitetônicos. De uma produção inicial ligada a formas da natureza, a artista passa a criar obras abstratas, revelando constante pesquisa técnica e formal.

Em 1977, Anna Letycia instala em Niterói a Oficina de Gravura, no Museu do Ingá, que coordena até 1998. Desenvolve ainda atividades de cenógrafa e figurinista, e atua principalmente em parceria com a diretora Maria Clara Machado (1921-2001). Em 1998, é publicado o livro Anna Letycia, de Angela Ancora da Luz, pela Editora da Universidade de São Paulo.

Outras informações de Anna Letycia:

  • Outros nomes
    • Anna Letycia Quadros
    • Ana Letícia
    • Ana Letycia
    • Ana Letícia Quadros
    • Ana Letycia Quadros
    • Anna Letícia Quadros
  • Habilidades
    • figurinista
    • desenhista
    • Pintora
    • gravadora
    • ilustradora
    • Cenógrafa
    • professora

Obras de Anna Letycia: (20) obras disponíveis:

Título da obra: Cavalos

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoCavalos : 1958
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução fotográfica João L. Musa/Itaú Cultural

Midias (1)

Anna Letycia - Enciclopédia Itaú Cultural
“Acho que sempre roda o meu mundo, sou muito interiorizada, não muito verbalizante.” Assim a artista Anna Letycia define a origem de seu trabalho, que começou com a pintura e migrou para a gravura. Na década de 1950, foi discípula de Iberê Camargo, que admira pela rigidez com que lecionava. As obras de Anna Letycia revelam fragmentos de seu mundo particular e misterioso. Brincam com dualidades geométricas, o claro e o escuro, luzes e sombras, primeiro com elementos da natureza, como formigas, pássaros, raízes e plantas, passando por formas espiraladas de caracóis, texturas com metal, relevos e tintas oxidadas até caixas abertas e fechadas. Em suas gravuras, até a própria matriz recebe recortes, “porque ela não é inerte, também tem forma e por isso também precisa se pronunciar”, explica.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Espetáculos (35)

Todos os espetáculos

Exposições (246)

Todas as exposições

Eventos relacionados (2)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Artigo sobre sp-arte 2011

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2011: 12-05-2011  |  Data de término | 15-05-2011
Resumo do artigo sp-arte 2011:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (12)

  • AMARAL, Aracy (org.). Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo: perfil de um acervo. Texto Aracy Amaral, Sônia Salzstein. São Paulo: Techint Engenharia, 1988. 391 p., il.color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 2v.
  • CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1974. v.2: D a L. (Dicionários especializados, 5).
  • GRAVURA brasileira hoje: depoimentos. Organização Heloisa Pires Ferreira e Maria Luisa Luz Távora; entrevistas Anna Letycia, Antônio Grosso, Carlos Scliar, Dionísio del Santo; Edith Behring; Marília Rodrigues. Rio de Janeiro: Oficina de gravura SESC-Tijuca, 1995. v.1.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 2000.
  • LETYCIA, Anna. Gravuras 1955 /1996. Comentário Jorge Amado; texto Antonio Bento, Frederico Morais, Roberto Pontual, Aníbal Machado; curadoria Alex Gama; fotografia Vicente de Mello; projeto gráfico Silvia Filgueiras Steinberg, Marcellus Schnell. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1996. [21] p., il. p&b, color.
  • LETYCIA, Anna. Gravuras de Anna Letycia. Texto Ferreira Gullar. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2008. [24] p., il.
  • LUZ, Angela Azevedo B. Ancora da. Anna Letycia. São Paulo: Edusp, 1998. (Coleção Artistas Brasileiros).
  • PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • THE ORIGINAL and its reproduction: a "Melhoramentos" project. Texto José Neistein. Washington: Brazilian-American Cultural Institute, 1977. 16 p., il. color.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ANNA Letycia. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa5517/anna-letycia>. Acesso em: 11 de Dez. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7