Artigo da seção pessoas Eucanaã Ferraz

Eucanaã Ferraz

Artigo da seção pessoas
Literatura / teatro  
Data de nascimento deEucanaã Ferraz: 18-05-1961 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia

Eucanaã de Nazareno Ferraz (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1961). Poeta, professor, ensaísta e autor de histórias infantis. Gradua-se em letras, em 1984, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituição em que segue os estudos e a carreira acadêmica. Conclui o mestrado, com dissertação sobre o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), em 1994. A estreia literária ocorre em 1990, com os poemas de Livro Primeiro, publicado em edição de autor. O segundo livro, Martelo, é lançado em 1997. No ano seguinte, integra a antologia Esses Poetas - Uma Antologia dos Anos 90, organizada pela pesquisadora Heloísa Buarque de Hollanda (1939). Doutora-se com tese sobre João Cabral de Melo Neto (1920-1999), em 2000. Participa da 1ª Bienal Internacional de Poesia de Faro, em Portugal, e então lança seu livro Desassombro, inicialmente nesse país e só no ano seguinte, 2002, no Brasil. Professor de literatura brasileira e pesquisador da poesia portuguesa contemporânea, é membro da Cátedra Jorge de Sena para estudos literários luso-afro-brasileiros, ligada à UFRJ e à Fundação Calouste Gulbenkian, Portugal, por meio da qual recebe apoio para o desenvolvimento de estudos e divulgação da poesia dos países lusófonos. Em 2003, organiza o livro Letra Só, seleção de letras das canções de Caetano Veloso (1942), e a edição de Poesia Completa e Prosa de Vinicius de Moraes - poeta ao qual retorna no ano seguinte com o ensaio Vinicius de Moraes. Dois anos depois, organiza O Mundo Não É Chato, compilação de artigos de Caetano Veloso. A estreia na literatura infantil ocorre em 2008, com Poemas da Iara.

Análise

A poesia de Eucanaã Ferraz revela, a todo momento, a construção que resulta da métrica regular e do trabalho cuidadoso com a sonoridade, levando até mesmo alguns críticos a identificarem sua obra como "neoconcreta", dado o rigor formal que sobressai nos versos.

Desde a estreia, Livro Primeiro (1990), os poemas descritivos revelam o lugar central destinado ao labor poético. É o caso de Passeio, cuja construção elaborada dos versos por meio de paradoxos compõe a imagem poética de esvaziamento: "[...] Dentro do cinema, quanto tudo é escuro / são todos anônimos e mesmo em inúmeros / assim como são, ficam uma só pessoa / no escuro, como se não fosse ninguém".

O apuro formal e a tendência descritiva não implicam, porém, a ausência de subjetividade. Se as assonâncias, as aliterações e a sintaxe fragmentada em prol do ritmo resultam da importância concedida à relação entre som e sentido ("[...] reduzindo o poema / a uma palavra: onomatopeia", conforme se lê em Desassombro, 2001), a expressão do sujeito tem ao menos dois desdobramentos temáticos relevantes.

Um deles se depreende dos poemas de Martelo (1997): a crença na poesia como força capaz de organizar o mundo a partir do trabalho do poeta. Por exemplo, em Nome do Poeta [não se trata daquele que escreve, e sim de homenagem à poeta portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)]: "Os barcos, recém-nascidos, / respiram lentamente. / Como quem quisesse / tocar o pulmão do sol ali, / escrevo teu nome - martelo no vento - Sophia de Mello Breyner Andresen". O outro, presente em Rua do Mundo (2007), apresenta, ao lado da reflexão sobre a própria poesia, o amor como tema principal.

Na literatura infantil, a que também se dedica o autor, o trabalho formal se manifesta no jogo de palavras com que procura familiarizar os leitores com recursos como a metáfora: "O palhaço vive leve como um passarinho. / O palhaço é colorido como um passarinho. / O palhaço é engraçado. / O palhaço parece um macaco. / O macaco sorri. / [...] O macaco faz macaquices e a gente ri", exemplifica o trecho de Palhaço, Macaco, Passarinho (2010).

Outras informações de Eucanaã Ferraz:

  • Outros nomes
    • Eucanaã de Nazareno Ferraz
  • Habilidades
    • Poeta
    • ensaísta
    • professor
  • Relações de Eucanaã Ferraz com outros artigos da enciclopédia:

Obras de Eucanaã Ferraz: (1) obras disponíveis:

Espetáculos (2)

Exposições (2)

Fontes de pesquisa (3)

  • AMORIM, Bernardo Nascimento de. Resenha de Rua do mundo. O eixo e a roda: Revista de Literatura Brasileira. Belo Horizonte, v. 11, 2005, p. 179-184. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/poslit. Acesso em: 25 jul. 2012.
  • BALDAN, Maria de Lourdes Ortiz Gandini. Algumas considerações sobre a poesia de Eucanaã Ferraz. Cadernos de Semiótica Aplicada, Araraquara, v. 9, n.2, dez. 2011. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/casa/issue/view/424. Acesso em: 26 jul. 2012.
  • MARTELO, Rosa Maria. Setas, elásticos e lanças (modos de usar). In: FERRAZ, Eucanaã. Rua do Mundo. Vila Nova de Famalicão: Quasi Edições, 2007.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EUCANAÃ Ferraz. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa469463/eucanaa-ferraz>. Acesso em: 12 de Dez. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7