Artigo da seção pessoas Lélia Abramo

Lélia Abramo

Artigo da seção pessoas
Teatro / cinema  
Data de nascimento deLélia Abramo: 08-02-1911 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Data de morte 09-04-2004 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Lélia Abramo em cena de Vereda da Salvação , 1964 , Fredi Kleemann
Registro fotográfico Fredi Kleemann

Biografia

Lélia Abramo (São Paulo, São Paulo, 1911 - idem 2004). Atriz. Intérprete de grandes recursos, envolvida em significativos movimentos a favor de um teatro culturalmente empenhado. Alia à sua atividade artística forte participação política e cultural.

Integrante da família Abramo, formada por jornalistas, pintores e críticos de arte, Lélia passa a infância em meio ao ambiente cultural, integrando grupos teatrais amadores de origem socialista. É amiga do crítico de arte Mário Pedrosa (1900-1981), de quem partilha as ideias, tendo sido presa na Itália na luta contra Mussolini. De volta ao Brasil, reintegra-se ao movimento cultural, estreando profissionalmente no papel de Romana, a mãe de Eles Não Usam Black-Tie (1958), peça de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006) dirigida por José Renato (1926-2011), no Teatro de Arena. Ganha os prêmios Saci, Associação Paulista de Críticos Teatrais (APCT), e Governador do Estado de melhor atriz coadjuvante. No ano seguinte, está em Gente como a Gente, direção de Augusto Boal (1931-2009), texto de Roberto Freire (1927-2008). Em 1960, destaca-se no papel-título de Mãe Coragem e Seus Filhos, polêmica montagem do texto de Bertolt Brecht (1898-1956) por Alberto D'Aversa (1920-1969) e produzida por Ruth Escobar (1936).

No Teatro Cacilda Becker (TCB), participa de Raízes, de Arnold Wesker (1932-2016), direção de Antônio Abujamra (1932-2015)Os Rinocerontes, de Eugène Ionesco (1912-1994), com o comando de Walmor Chagas (1930-2013); e Oscar, de Claude Magnier (1920-1983), dirigido por Cacilda Becker (1921-1969), todas em 1961.

A partir de 1962, entra para o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), projetando-se em Yerma (1962), de Federico García Lorca (1898-1936), direção de Antunes Filho (1929); Os Ossos do Barão (1963), encenação de Maurice Vaneau (1926-2007), e Vereda da Salvação (1964) de Jorge Andrade (1922-1984), também dirigido por Antunes Filho.

Boas oportunidades surgem em Os Espectros (1965), de Henrik Ibsen (1828-1906), com direção de Alberto D'Aversa; e Lisístrata, A Greve do Sexo (1967) novamente com Vaneau, agora numa produção de Ruth Escobar. Como Clitemnestra, na montagem de Maria José de Carvalho para Agamemnon (1968/1969) de Ésquilo (525-456), atinge novo ponto alto na carreira.

Seu perfil trágico encontra novo realce como Margarida de Anjou, personagem de Ricardo III (1975), de William Shakespeare (1564-1616), na encenação de Antunes Filho. Em chave altamente dramática cria Pozzo, o patrão de Esperando Godot (1976), de Samuel Beckett (1906-1989), também direção de Antunes Filho com elenco totalmente feminino que destaca Eva Wilma (1933) e Lilian Lemmertz (1937-1986) nos papéis centrais.

Afastada dos palcos durante muitos anos, dedica-se à causas políticas e culturais, ocupando o desempenho central de A Mãe (1985), de Máximo Gorki (1868-1936), encenação de João das Neves (1934), com alunos da  escola carioca de formação de atores CAL - Casa das Artes de Laranjeiras.

Lélia possui intensa participação no cinema, com ênfase nos filmes Vereda da Salvação (1963), O Caso dos Irmãos Naves (1967); Joana, a Francesa (1972), ao lado de Jeanne Moreau (1928); O Sonho Não Acabou (1980); Eles Não Usam Black-Tie (1981); e Janete (1982).

Na televisão possui longa e profícua participação, iniciada com A Muralha (1962), ao vivo, na TV Cultura, São Paulo; prosseguindo em diversas emissoras: Prisioneiro de um Sonho (1964/1965), na TV Record, SP; Redenção (1966), na TV Excelsior, SP; Nossa Filha Gabriela (1971/1972), na TV Tupi, SP; e nas produções da Rede Globo Uma Rosa Com Amor (1972/1973), e Os Ossos do Barão (1973/1974).

Toda essa intensa participação na vida cultural brasileira está registrada em seu livro autobiográfico, lançado em 1997, Vida e Arte, onde reuniu reflexões sobre o ofício. Analisando sua trajetória, fixa o cenógrafo Gianni Ratto (1916-2005): "As circunstâncias profissionais da "gens theatralis" são quase sempre imprevisíveis; no caso de Lélia, a passagem por um grupo amador de língua italiana foi indiretamente responsável pelo convite que ela recebeu para atuar em Eles Não Usam Black-Tie, de Gianfrancesco Guarnieri, interpretação que confirmou nela, revelando-o aos outros, um talento do qual nunca tinha duvidado. [...] O que me parece extraordinário em Lélia é a capacidade que ela tem de coordenar uma visão estético-crítica que sempre norteará seu trabalho com a postura sociopolítica que até hoje não a abandona, e, o que mais me surpreende, é que em todas as suas atitudes, talvez sem percebê-lo, é luminosamente suprapartidária".1

Notas

1 RATTO, Gianni. A coerência ética de Lélia Abramo. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. 5-13, 21 dez. 1997.

Outras informações de Lélia Abramo:

Representação (1)

Espetáculos (21)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (13)

  • GUZIK, Alberto. TBC: crônica de um sonho. São Paulo: Perspectiva, 1986. 233 p.
  • TEIXEIRA, Isabel (Coord.). Arena conta arena 50 anos. Texto Vadim Nikitin, Isabel Teixeira; pesquisa Anna Setton, Felipe Gonçalves Schermann, Isabel Teixeira, Newton Moreno. São Paulo: Cia. Livre da Cooperativa Paulista de Teatro, [2004]. CDR792A681
  • ABRAMO, Lélia. Vida e arte. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.
  • ALMEIDA, Maria Inez Barros de. Panorama visto do Rio: Teatro Cacilda Becker. Rio de Janeiro: Minc/Inacen, 1987. 174 p.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.
  • DIONISOS - Teatro de Arena. Rio de Janeiro: MEC-SNT , nº 24, out. 1978.
  • MICHALSKI, Yan. O teatro sob pressão. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
  • MILARÉ, Sebastião. Antunes Filho e a dimensão utópica. São Paulo: Perspectiva, 1997.
  • MOSTAÇO, Edelcio . Teatro e política: Arena, Oficina e Opinião. São Paulo. Editora Proposta, 1982.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Esperando Godot - 1977 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Ricardo III - 1975 Não catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • LÉLIA Abramo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa379/lelia-abramo>. Acesso em: 17 de Dez. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7