Pessoas

Luiz Ruffato

Outros Nomes: Luiz Fernando Rufato de Souza | Luiz Rufatto | Luiz Fernando Ruffato
  • Análise
  • Biografia
    Luiz Fernando Ruffato (Cataguases, Minas Gerais, 1961). Contista, romancista e poeta. Filho de um pipoqueiro e de uma lavadeira, conclui os estudos primários em Cataguases. Na juventude, faz o curso técnico de torneiro mecânico no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e trabalha como operário na indústria têxtil. Muda-se para Juiz de Fora, Minas Gerais, ingressa na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e se forma em comunicação social. Graduado em 1981, trabalha em diversos jornais e acompanha os debates literários da cidade mineira. Transfere-se para São Paulo em 1990, e atua no Jornal da Tarde. Estreia na prosa com o volume de contos Histórias de Remorsos e Rancores (1998), seguido de Os Sobreviventes (2000), ambas as obras são reescritas e, reeditadas, passam a integrar o conjunto Inferno Provisório. A seguir, lança Eles Eram Muitos Cavalos (2001), saudado pela crítica como um dos mais importantes livros da ficção brasileira contemporânea. Com o romance, alcança a maturidade necessária para redigir seu grande projeto, centrado na história do operariado brasileiro no período de 1950 a 2002 - a pentalogia Inferno Provisório - composta dos romances Mamma, Son Tanto Felice (2005), O Mundo Inimigo (2005), Vista Parcial da Noite (2006), O Livro das Impossibilidades (2008) e Domingo sem Deus (2011), seu mais recente livro.

    Comentário Crítico
    Celebrada por críticos e historiadores como uma das mais importantes manifestações da literatura brasileira nos anos 2000, a obra de Luiz Ruffato nasce, segundo palavras do próprio escritor, de um projeto claro, orientado por uma premissa estética e política - trazer para as páginas da ficção brasileira cenas e personagens egressas de um lugar social determinado: a classe média baixa, o operariado brasileiro, figuras que, aos olhos do autor, são muitas vezes trabalhadas de maneira rasa, ou sob olhar paternalista.

    Retomando linhas de pesquisa abertas pelo romance modernista brasileiro nas décadas de 1920 e 1930, das experimentações de Oswald de Andrade (1890 - 1954) à narrativa social nordestina de Graciliano Ramos (1892 - 1953), e dialogando com as conquistas da literatura nacional nos anos 1970, a obra de Luiz Ruffato dá sentido diverso ao romance social brasileiro, recuperando sua tradição, ao passo que a reelabora pela pesquisa de novos recursos de linguagem.

    Mobilizando instrumentos narrativos comuns à ficção recente, como a pluralidade de vozes narrativas, a não linearidade de enredo, a fragmentação, a transição entre gêneros literários, a recusa às formas naturalistas, e o uso criativo da tipologia e da diagramação gráfica, seus escritos redimensionam o significado das "novidades" formais, segundo uma perspectiva política e desmistificadora, sequiosa por compreender e representar, aos olhos de hoje, a tragédia social brasileira.

Primeiras edições

Obra publicada - primeiras edições

Romance
Eles eram muitos cavalos - São Paulo: Boitempo, 2001.
Mamma, son tanto felice (Inferno Provisório: Volume I). Rio de Janeiro: Record, 2005.
O mundo inimigo (Inferno Provisório: Volume II). Rio de Janeiro: Record, 2005.
Vista parcial da noite (Inferno Provisório: Volume III). Rio de Janeiro: Record, 2006.
De mim já nem se lembra. São Paulo: Moderna, 2007.
O livro das impossibilidades (Inferno Provisório: Volume IV). Rio de Janeiro: Record, 2008.
Estive em Lisboa e lembrei de você. São Paulo: Cia das Letras, 2009.
Domingos sem Deus (Inferno Provisório: Volume V). Rio de Janeiro: Record, 2011.

Poesia
As máscaras singulares - São Paulo: Boitempo, 2002 (poemas)
Paráguas verdes. São Paulo: Ateliê Acaia, 2011.

Ensaio
Os ases de Cataguases (uma história dos primórdios do Modernismo) - Cataguases: Fundação Francisca de Souza Peixoto, 2002.

Traduções e edições estrangeiras

Traduções e edições estrangeiras

Alemão
Es waren viele Pferde [Eles eram muitos cavalos]. Tradução Michael Kegler. Berlim: Assoziation A, 2012.

Espanhol
Ellos eran muchos caballos [Eles eram muitos cavalos]. Tradução Mario Camara. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2010.
Estuve en Lisboa y me acordé de ti. [Estive em Lisboa e lembrei de você]. Tradução Mario Camara. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2011.
Mamma, son tanto Felice. Tradução Maria Cristina Hernández Escobar. Cidade do México: Elephas, 2011.
El mundo enemigo [O mundo inimigo]. Tradução Maria Cristina Hernández Escobar. Cidade do México: Elephas, 2012.
Ellos eran muchos caballos [Eles eram muitos cavalos]. Tradução Mario Camara. Bogotá: Rey + Naranjo, 2012.

Francês
Tant et tant de chevaux [Eles eram muitos cavalos]. Tradução Jacques Thiériot. Paris: Éditions Métailié, 2005.
Des gens heureux [Mamma, son tanto felice]. Tradução Jacques Thiériot. Paris: Éditions Métailié, 2007.
Le monde ennemi [O mundo inimigo]. Tradução Jacques Thiériot. Paris: Éditions Métailié, 2010.

Italiano
Come tanti cavalli [Eles eram muitos cavalos]. Tradução Patrizia di Malta. Milão: Bevivino Editore, 2003.
Sono stato a Lisbona e ho pensato a te [Estive em Lisboa e lembrei de você]. Tradução Gian Luigi de Rosa. Roma: La Nuova Frontiera: 2011. 

Portugués
Eles eram muitos cavalos. Espinho: Quadrante Edições, 2006.
Estive em Lisboa e lembrei-me de ti [Estive em Lisboa e lembrei de você]. Lisboa: Quetzal Edições, 2010.
De mim já nem se lembra. Lisboa: Tinta da China, 2012.

Espetáculo

Eventos

Exibir