Artigo da seção pessoas Nelson Cavaquinho

Nelson Cavaquinho

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deNelson Cavaquinho: 29-10-1911 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 18-02-1986 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia
Nelson Antônio da Silva (Rio de Janeiro RJ 1911 - idem 1986). Compositor, violonista, cantor. Seu primeiro contato com a música se dá nos saraus organizados pelo pai, contramestre da banda da Polícia Militar e tocador de tuba. Aprende a tocar cavaquinho por observação e acompanha o tio, violinista, com um rudimentar cavaquinho, feito com uma caixa de charutos e cordas de arame. De origem humilde, abandona o curso primário para ajudar no orçamento familiar. Muda-se, aos 8 anos, para as imediações da Lapa e, em 1928, para a vila operária, na Gávea, onde trabalha numa fábrica de tecidos e participa das rodas de choro dos empregados.

Aos 20 anos, seu pai altera a data de sua certidão para 1910, para que possa ingressar na cavalaria da Polícia Militar, em 1932. Patrulhando o Morro da Mangueira conhece os sambistas Zé da Zilda, Carlos Cachaça e Cartola. É detido mais de uma vez ao trocar a ronda pelo samba. Seu estilo de vida boêmio o afasta da polícia aos 27 anos. Trabalha como pedreiro e passa a vender parcerias em sambas, gênero ao qual mais se dedica. Substitui o cavaquinho pelo violão, o qual toca usando apenas o polegar e o indicador.

Apesar da vasta produção não se promove em rádios e gravadoras: seu palco são bares como o Cabaré dos Bandidos, no centro da cidade. Tem seu primeiro samba, Não Faça Vontade a Ela (parceria com Rubens Campos e Henricão), lançado em 1939, por Alcides Gerardi. A partir 1943, ganha mais publicidade na voz do cantor Ciro Monteiro, que canta Apresenta-me Aquela Mulher (com Augusto Garcez e Gustavo de Oliveira), Não Te Dói a Consciência (Ari Monteiro), Aquele Bilhetinho (Augusto Garcez e Arnô Canegal, 1945), e Rugas (Augusto Garcez e Ari Monteiro, 1946). Mais tarde, a cantora Dalva de Oliveira grava Palhaço, 1952 (com Osvaldo Martins e Washington Fernandes) e Elizeth Cardoso, Amor que Morreu, 1953 (Roldão Lima e Gilberto Teixeira). Inicia em 1955 a duradoura parceria com Guilherme de Brito, com quem compõe Garça e Cinzas (com R. Gaetani), Pranto de Poeta, 1957, A Flor e o Espinho, 1957 (Alcides Caminha), Folhas Secas e Quando Eu Me Chamar Saudade, 1973.

Faz apresentações no Zicartola (1963), restaurante de Cartola e Dona Zica. Ao lado de Zé Kéti, Elton Medeiros, Jorge Santana, Cartola e Nuno Veloso, forma o grupo A Voz do Morro, que faz única apresentação em um programa de televisão. Com Clementina de Jesus, Cartola e Carlos Cachaça, grava o LP Fala Mangueira. É protagonista e tema do curta-metragem Nelson Cavaquinho, de Leon Hirszman, em 1969. No ano seguinte, lança o LP Depoimento de Poeta, dois anos mais tarde, Nelson Cavaquinho - da série Documentos, pela RCA, e, em 1973, Nelson Cavaquinho, com a participação de Guilherme de Brito.

Sua obra é difundida, entre os anos 1950 e 1970, pela interpretação de artistas como Elizeth Cardoso, Paulinho da Viola, Nora Ney, Beth Carvalho, Nara Leão, Elza Soares, Elis Regina, Thelma Soares, Clara Nunes e Paulo César Pinheiro. Em 1977 grava, com Guilherme de Brito, Candeia e Elton Medeiros, o álbum Quatro Grandes do Samba. Apesar de ser um poeta marginal durante muitos anos, tem seu talento reconhecido em vida: em 1985 é lançado o álbum Flores em Vida, no qual Nelson Cavaquinho executa algumas de suas canções e é homenageado por intérpretes como Chico Buarque, Beth Carvalho, João Bosco e Toquinho.

Comentário Crítico
Nelson Cavaquinho compõe choros notáveis, como Caminhando, 1963 (com Nourival Bahia), mas a maior parte de sua obra se concentra no gênero samba-canção - também conhecido nos anos 1940 como "samba de meio de ano", por se alternar com a música de Carnaval, que então movimenta a indústria fonográfica. Nos anos 1950, com a tendência de desaparecimento dos sambas e marchinhas carnavalescos, entra em seu lugar o samba-enredo, ao passo que aumenta a presença de ritmos estrangeiros, como o bolero, nos centros urbanos. O samba-canção, surgido na década de 1920 e consolidado nos anos 1930, via teatro de revista, é também chamado pejorativamente de "música de fossa" pelo caráter romântico e sentimental, e conquista mais adeptos no pós-guerra pelo teor intimista. Com ênfase musical na melodia, o gênero apresenta outras propostas poéticas, ligadas a questões existenciais, aspecto perceptível na obra de Cavaquinho. No entanto, especializar-se no gênero é menos uma imposição mercadológica que uma opção pessoal do compositor, posto que a fama maior só chega nos anos 1960, quando o cenário da música popular se encontra bastante alterado. Note-se que ele se propõe a tocar somente suas composições, embora conheça o repertório de sua época - não por desprezo aos outros, mas por reconhecer seu lugar na música brasileira.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Nelson Cavaquinho:

  • Outros nomes
    • Nelson Antônio da Silva
  • Habilidades
    • Compositor
    • Violonista
    • Cantor/Intérprete

Fontes de pesquisa (11)

  • NELSON Cavaquinho. Leon Hirszman (dir.). Documentário, NTSC, p&b, 13 min. Brasil, 1969. Distribuição: Petrobrás.
  • NELSON Cavaquinho. In: BOTEZELLI, J. C. (Coord.); PEREIRA, Arley (Coord.). A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes. São Paulo: SESC SP, 2000. v. 3, 256 p., il. p&b. 1 CD Sonoro.
  • BORGES, Bia. Samba-canção: fratura e paixão. Rio de Janeiro: Editora Codecri, 1982. 163 p.
  • CAVALCANTE, B., STARLING, H. e EISENBERG, J. (orgs.) Decantando a República. Inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. Vol. 1. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004. 190p.
  • COSTA, Flávio Moreira da. Nelson Cavaquinho: enxugue os olhos e me dê um abraço. Rio de Janeiro: Relume Dumará : Secretaria Municipal de Cultura, 2000. Coleção Perfis do Rio.
  • DINIZ, André. Almanaque do samba: a história do samba, o que ouvir, o que ler, onde curtir. 2ª. Edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006. 309 p.
  • MATOS, Cláudia Neiva de. "O lirismo no samba. O eu poético e seus parceiros na obra de Nelson Cavaquinho". In: ULHÔA, Martha e OCHOA, Ana Maria (orgs.). Música Popular na América Latina. Pontos de Escuta. Rio Grande do Sul: Editora da UFRGS, 2005. pp. 112-133.
  • NOVAES, José. Nelson Cavaquinho. Luto e melancolia na música popular. Rio de Janeiro: Intertexto : Oficina do Autor, 2003.
  • OS GRANDES da MPB. Nº 18. Nelson Cavaquinho. O poeta do samba. Rio de Janeiro: Edições Del Prado, 1997.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A Canção no tempo II: 85 anos de músicas brasileiras (1958-1985). São Paulo: Editora 34, 1998. v. 2. (Ouvido Musical)
  • SOUZA, Tárik e ANDREATO, Elifas. "Nelson Cavaquinho". In: Rostos e gostos da música popular brasileira. Porto Alegre: L & PM Editores, 1979; pp. 185-187.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • NELSON Cavaquinho. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa359598/nelson-cavaquinho>. Acesso em: 17 de Jun. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7