Artigo da seção pessoas Dona Ivone Lara

Dona Ivone Lara

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deDona Ivone Lara: 13-04-1922 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 16-04-2018 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Registro fotográfico Chema Llanos / Auditório Ibirapuera

Yvonne Lara da Costa (Rio de Janeiro, Brasil, 1921 - Rio de Janeiro, Brasil, 2018). Compositora, cantora e instrumentista. Uma das pioneiras no samba como compositora e intérprete, é a primeira mulher a integrar a Ala dos Compositores da Império Serrano, escola para a qual produz, na década de 1960, o samba-enredo “Os Cinco Bailes da História do Rio”.

Nascida no bairro carioca de Botafogo, vive sua infância em um ambiente doméstico que favorece seu contato com a música – a mãe cantora, o pai violinista e, mais tarde, as rodas de choro organizadas na casa de seu tio Dionísio Bento da Silva referenciam sua musicalidade. A tia Teresa participa desses eventos, cantando as cantigas dos escravos negros, os jongos.

Após a morte do pai, muda-se com a mãe para a Tijuca. Estuda no internato Colégio Municipal Orsina da Fonseca e tem aulas de música erudita com Zaíra de Oliveira e Lucília Villa-Lobos, que a indica para o Orfeão dos Apiacás, da Rádio Tupi, regido pelo maestro Heitor Villa-Lobos (1887-1959). Dessas relações resulta a sofisticação melódica e harmônica de suas obras.

Sua sensibilidade musical manifesta-se aos 12 anos, quando compõe Tié, nome de um pássaro que lhe é dado de presente pelo tio Mestre Fuleiro. O nome Tié e a expressão moçambicana oialá-oxa inspiram esse primeiro trabalho, uma parceria com seus primos Fuleiro e Hélio.

Aos 17 anos, vai morar no subúrbio de Inhaúma com seu tio Dionísio, com quem aprende a tocar cavaquinho. Na ocasião, inscreve-se no concurso da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto e, aprovada, passa a receber uma bolsa, que ajuda no sustento da casa. Já formada, em 1943, exerce a função de plantonista de emergência e, nas horas de folga, participa das rodas de choro organizadas na casa do tio, com a presença de Pixinguinha (1897-1973) e Jacob do Bandolim (1918-1969).

Em 1945, Ivone decide fazer um curso para se tornar assistente social. Logo que se forma, é contratada pelo Instituto de Psiquiatria do Engenho de Dentro, no qual permanece por 30 anos, até se aposentar. Especializa-se em terapia ocupacional e trabalha no Serviço Nacional de Doenças Mentais com a doutora Nise da Silveira (1905-1999), médica que revoluciona o tratamento psiquiátrico no Brasil. Sempre priorizando o trabalho de enfermeira, programa suas férias para fevereiro, para poder participar dos desfiles de Carnaval. Nesse período, frequenta a escola de samba Prazer da Serrinha, para a qual compõe, em 1947, Nasci para Sofrer, canção com que a escola desfila nesse ano.

Com o fim de Prazer da Serrinha, passa a frequentar a Império Serrano, escola para a qual compõe alguns sambas, mas sem perspectiva de se profissionalizar na música. É dessa época o samba Não Me Perguntes, com Mestre Fuleiro, considerado o hino da escola. Como suas músicas são constantemente entoadas nas rodas de samba do bairro Madureira, reduto da Império Serrano, ela ganha reconhecimento e passa a integrar a ala dos compositores, espaço até então restrito aos homens. A tradição das escolas reserva às mulheres o papel de pastora, cabendo a elas memorizar a letra e entoá-la na quadra em meio à batucada. A sambista rompe essa barreira, mas leva consigo o timbre e a dicção do canto das pastoras.

Superando preconceitos para se lançar como compositora, é a primeira mulher a integrar a ala dos compositores da escola de samba, assinando, em 1965, com Bacalhau e Silas de Oliveira (1916-1972) Os Cinco Bailes da História do Rio, samba-enredo da Império Serrano no Carnaval que comemora os 400 anos da cidade. Desde 1968, Ivone desfila na ala das baianas dessa escola.

Até o fim da década de 1960, a atuação artística de Ivone está restrita à comunidade carnavalesca, mas seu público ouvinte se amplia a partir de apresentações nas rodas de samba do teatro Opinião, que fica em Copacabana, Rio de Janeiro, frequentado pela intelectualidade e por artistas, como Nara Leão (1942-1989) e Carlos Lyra (1939).

Em 1970, adota o nome artístico de Dona Ivone Lara. Nesse ano, participa do disco Sargentelli e O Sambão, gravado ao vivo, com as faixas Agradeço a Deus e Sem Cavaco Não, ambas feitas em parceria com Mano Décio da Viola (1909-1984). A gravação de discos consolida a carreira de Dona Ivone Lara, que é identificada pela crítica, na década de 1970, como uma das melhores compositoras de samba do Brasil. Uma das características marcantes de seu trabalho é a melodia de seus sambas; as letras geralmente ficam por conta de parceiros.

Faz o primeiro show solo em 1974, na boate Monsieur Pujol, produzido pelos jornalistas e agitadores culturais cariocas Sérgio Cabral e Albino Pinheiro. Com Délcio Carvalho (1939-2013), seu parceiro mais constante, compõe Samba Minha Raiz (1976), Acreditar (1976) e Sonho meu (1978). Recebe, por essa última composição, o prêmio Sharp de melhor música do ano. Em 1978, lança seu primeiro LP, Samba, Minha Verdade, Samba Minha Raiz.

Grande parte das obras de Dona Ivone explicita a herança africana do samba de roda, do jongo e do partido-alto, como Axé de Langa (Pai Maior,1980) e Roda de Samba pra Salvador (1982). Essas obras evocam o universo musical dos morros cariocas de sua infância, como ela relembra em Axé de Langa:

Tia Teresa nos contava 

a história do vovô  

que tirava irmão do tronco 

escondido do senhor  

pra curar seus ferimentos 

com o banho de abo 

Ianga, Ianga que tipoiIanga 

didianga me...

Essa vertente lhe vale o apelido de "Mãe de Angola", quando, na década de 1980, viaja pela África, em uma temporada de shows produzidos por Fernando Faro. Além da África, torna-se conhecida em outros continentes por ocasião da divulgação do LP Ivone Lara, gravado em 1985 pela Som Livre, com apresentação nos Estados Unidos, Japão e países europeus.

Outras informações de Dona Ivone Lara:

  • Outros nomes
    • Ivone Lara da Costa
    • Ivone Lara
    • Yvonne Lara da Costa
  • Habilidades
    • Cantor/Intérprete
    • Compositor
    • Instrumentista

Obras de Dona Ivone Lara: (13) obras disponíveis:

Midias (1)

Dona Ivone Lara em apresentação no Auditório Ibirapuera em 19 de junho de 2015
Registro fotográfico Chema Llanos / Auditório Ibirapuera

Exposições (1)

Fontes de pesquisa (7)

  • BOTTESELLI, João Carlos & PEREIRA, Arley (coord.). A Música Brasileira deste Século por seus Autores e Intérpretes. São Paulo, Sesc, 2003. Vol. 7
  • BURNS, Mila. Nasci para sonhar e cantar - Dona Ivone Lara - A mulher no samba. Rio de Janeiro, Record, 2009.
  • FARO, Fernando. Programa Ensaio com Dona Ivone Lara. São Paulo, TV Cultura, 2000.
  • MARCONDES, Marcos Antônio (Ed.). Enciclopédia da música brasileira: popular, erudita e folclórica. 2. ed. São Paulo: Art Editora: Publifolha, 1998. R780.981 M321e 2.ed.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da Música Popular Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Editora,1977. 2 v.
  • MORRE Dona Ivone Lara aos 97 anos. El País. 17 abr 2018. Brasil. Disponível em: < https://brasil.elpais.com/brasil/2018/04/17/politica/1523963309_464951.html >. Acesso em 17 abr 2018.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. São Paulo, Editora 34, 1997.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • DONA Ivone Lara. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa359508/dona-ivone-lara>. Acesso em: 17 de Out. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7