Artigo da seção pessoas Isabel Câmara

Isabel Câmara

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deIsabel Câmara: 05-1940 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Três Corações) | Data de morte 03-12-2006 Local de morte: (Brasil / Goiás / Goiânia)

Biografia
Maria Isabel Câmara (Três Corações MG 1940 - Goiânia GO 2006). Autora. Com As Moças, montado pelo Teatro Ipanema, Isabel cria uma das peças mais características da chamada nova geração de dramaturgos dos anos 1970, enfocando a contracultura sob o prisma de duas mulheres que dividem um apartamento. Abandona o teatro precocemente, deixando apenas o legado de uma peça, única porém definitiva para o período.

Depois de ligeira iniciação teatral em Belo Horizonte, onde atua como atriz em Nossa Cidade, de Thornton Wilder, chega ao Rio de Janeiro em 1960 e estagia em O Tablado como contra-regra na montagem original de O Cavalinho Azul, de Maria Clara Machado. Em 1968 estréia como autora com Os Viajantes, peça experimental montada no então Conservatório Nacional de Teatro, com direção de Roberto de Cleto, posteriormente exibida na TV, numa adaptação de Domingos Oliveira. As Moças, encenada sucessivamente em São Paulo, com direção de Maurice Vaneau, em 1969, e no ano seguinte, no Rio de Janeiro, no Teatro Ipanema, com direção de Ivan de Albuquerque, é a criação que lhe vale o Prêmio Molière de melhor autor de 1970.  Ao analisar poeticamente o cotidiano de duas jovens que dividem um pequeno apartamento na Zona Sul do Rio de Janeiro, no auge do período da contracultura, Isabel Câmara produz um documento teatral sobre a juventude de seu tempo. O texto é remontado várias vezes no Brasil. Em 1971, Isabel participa, ainda no Teatro Ipanema, de Hoje É Dia de Rock, de José Vicente, no papel de Rosário, a irmã cega.

Residindo há muitos anos em Goiânia, afastada do teatro - com exceção, apenas, de um trabalho como diretora cênica de um espetáculo infantil, A Lenda do Vale da Lua -, fica conhecida como autora de uma única obra, embora tenha vários textos inacabados, entre os quais Solo para Atriz e Palco, ou semi-acabados, como a revista musical Viva Sapatas. Segundo o crítico Yan Michalski, "As Moças ocupa um lugar importante na dramaturgia do seu tempo, e revela uma singular sensibilidade, espontaneidade do diálogo, capacidade de envolver uma aguda observação psicológica numa aura de emocionada poesia, e um talento que poderia, em outras circunstâncias, ter aberto diante da autora o caminho para uma carreira mais duradoura".1

Notas
1. MICHALSKI, Yan. Isabel Câmara. In: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.

Outras informações de Isabel Câmara:

  • Outros nomes
    • Maria Isabel Câmara
  • Habilidades
    • Autor

Espetáculos (7)

Fontes de pesquisa (2)

  • MICHALSKI, Yan. Isabel Câmara. In: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Rosyane Trotta Não Catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ISABEL Câmara. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa359449/isabel-camara>. Acesso em: 20 de Jan. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7