Artigo da seção pessoas Fernando Mello da Costa

Fernando Mello da Costa

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deFernando Mello da Costa: 14-09-1950 Local de nascimento: (Brasil / Rio Grande do Sul / Pelotas)

Biografia

Fernando Mello da Costa (Pelotas RS 1950). Cenógrafo. Com uma trajetória ligada ao experimentalismo e à pesquisa, atua junto a diretores como Bia Lessa, Enrique Diaz e Moacir Chaves.

Com formação autodidata, cria e realiza a impactante cenografia dos principais espetáculos da diretora Bia Lessa: Ensaio nº 2 - O Pintor, de Lygia Bojunga (1932), 1985; Ensaio nº 3 - Idéias e Repetições - um Musical de Gestos, 1986; Exercício nº 1, roteiro de Bia Lessa, e Ensaio nº 4 - Os Possessos, de Dostoievski, 1987; Cena de Origem, de Haroldo de Campos (1929 - 2003), e Orlando, adaptação de Sérgio Sant'anna da obra de Virgínia Woolf, ambos de 1989. Em 1991, o cenário de Cartas Portuguesas, de Mariana Alcoforado, lhe vale os prêmios Shell e Associação Paulista de Críticos de Artes, APCA. Com Bia Lessa, trabalha ainda em Don Giovanni, ópera de Mozart, 1992, e Viagem ao Centro da Terra, de Júlio Verne, 1993. Com o diretor Jefferson Miranda e sua companhia Teatro Autônomo, faz Mann na Praia, 1992, Minha Alma É Imortal, 1994, 7x2=y - Uma Parábola que Passa pela Origem, 1995, A Noite de Todas as Ceias, 1996, todos com textos coletivos. Para o diretor Moacir Chaves, concebe os cenários de Sermão da Quarta-Feira de Cinzas, de Padre Antônio Vieira, 1994, O Altar do Incenso, de Wilson Sayão, e Bugiaria - O Processo de João Cointa, de Moacir Chaves, ambos de 1999, e, em 2001, A Resistível Ascensão de Arturo Ui, de Bertolt Brecht, e Viver!, com textos de Machado de Assis (1839 - 1908). O cenário de Bugiaria, feito de restos de diversos cenários, é, na opinião da crítica Barbara Heliodora, "dos mais atraentes, evocando apenas o insólito, não o específico".1 Para a Companhia dos Atores, dirigida por Enrique Diaz, cria o cenário de Melodrama, de Filipe Miguez, 1995, em que cerca o palco com painéis sobre rodas, manipulados pelos atores. Este princípio da dinâmica visual e da mutabilidade cenográfica retorna em A Resistível Ascensão de Arturo Ui, com biombos-portas, caixotes de metal e passarelas na platéia. Em Hamlet, de William Shakespeare, 2001, ele experimenta o elemento épico por meio de uma passarela que rompe com os limites da caixa teatral e amplia o espaço da encenação de Marcus Alvisi. No espetáculo de Moacir Chaves, Inutilezas, de Manoel de Barros (1916), 2002, cria um percurso de argila e de objetos que colabora com o aspecto lúdico da encenação. O crítico Macksen Luiz comenta seu trabalho em O Homem que Viu o Disco Voador, de Flávio Márcio, sob a direção de Aderbal Freire Filho, 2001: "E, por mais paradoxal que possa parecer, no palco íntimo do teatro da Casa da Gávea o cenógrafo Fernando Mello da Costa colaborou intensamente para que o hiper-realismo também se instalasse no espaço cênico. O banco que se desmembra, criando comprimentos que aproximam ou afastam personagens, e as janelas espelhadas, que devolvem a imagem daquilo que se vê de si mesmo, criam, com a luz de Aurélio de Simoni, densidade visual, estabelecendo correspondência dramática tão bem conjugada à concepção do diretor".2

Funda, junto com Guti Fraga, o grupo de teatro Nós do Morro, na comunidade do Vidigal, no Rio de Janeiro, onde mantém uma oficina de cenografia e trabalha eventualmente como diretor de espetáculos. Participa da representação de cenógrafos brasileiros na exposição Espaço da Cena Latino Americana, Memorial da América Latina, São Paulo, em 1998, e da Quadrienal de Cenografia de Praga, República Tcheca, 1999.

Notas

1. HELIODORA, Barbara. Passado do Brasil revisto com humor e criatividade. O Globo, Rio de Janeiro, 13 dez. 1999.

2. LUIZ, Macksen. O hiper-realismo do cotidiano. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 ago. 2001.

Outras informações de Fernando Mello da Costa:

  • Outros nomes
    • Fernando Mello da Costa
    • Fernando Melo da Costa
  • Habilidades
    • Ator
    • diretor de teatro
    • figurinista
    • Cenógrafo

Espetáculos (59)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (13)

  • COSTA, Fernando Mello da. Currículo enviado pelo cenógrafo.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo / ópera: Don Giovanni - 1991 Não catalogado
  • LUIZ, Macksen. Palavras sutis em jogo lúdico. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 12 abr. 2002.
  • LUIZ, Macksen. Personagem feito à base de intuição. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 22 abr. 2001.
  • LUIZ, Macksen. Um confuso jogo de parábolas. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 jan. 2001.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Rosyane Trotta Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - As Centenárias - 2007. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Bugiaria - o Processo de João Cointa - 1999. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Coração Inquieto - 2002. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Hamlet - 2008 Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Os Dois Cavaleiros de Verona - 2006. Não Catalogado
  • VISÃO CARIOCA. Rio de Janeiro.Disponível em: . Acesso em : 5 de maio de 2011 Não catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • FERNANDO Mello da Costa. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa359365/fernando-mello-da-costa>. Acesso em: 15 de Set. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7