Artigo da seção pessoas Marco Antonio Rodrigues

Marco Antonio Rodrigues

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deMarco Antonio Rodrigues: 23-08-1955 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia

Marco Antonio Rodrigues (Santos, São Paulo, 1955). Diretor. Artista identificado com um teatro de cunho popular e brechtiano, um dos fundadores do grupo Folias d´Arte e do teatro Galpão do Folias.

Após se formar em psicologia em Santos, onde se inicia no teatro amador, estréia profissionalmente em São Paulo com a direção de O Menino Maluquinho, infantil de Ziraldo, em 1984; de quem encena, nos anos subseqüentes, O Menino Mais Bonito do Mundo e O Pequeno Planeta Perdido.

Em 1988, põe em cena História de Dois Amores, baseado em Carlos Drummond de Andrade. Como professor e encenador no Teatro Escola Célia Helena, conduz uma série de espetáculos didáticos bem-sucedidos, com destaque para Boca de Ouro e Rasto Atrás, em 1991; Os Últimos Dias de Solidão de Robinson Crusoe, de Jérôme Savary, em 1992; Senhora dos Afogados, em 1998; Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago, em 2002.

Em 1991, ganha o Prêmio Molière na categoria especial de melhor direção por Enq, o Gnomo, de Marcos de Abreu.

No teatro adulto ganha destaque com a encenação de Um Uísque para o Rei Saul, de César Vieira (1931), em 1993, seguida, no ano posterior, de Ressuscita-me, de Rodolfo Santana. Com Verás Que Tudo é Mentira, obra de Théophile Gauthier adaptada por Reinaldo Maia, alcança expressivos resultados que chamam a atenção da crítica.

Em 1996, obtém adesão de público e boa repercussão, e recebe o Prêmio Mambembe de direção com a montagem de Cantos Peregrinos, obra musical de José Antônio de Souza que une personagens bíblicos num bem-humorado tom farsesco. Sua encenação para a obra de Plínio Marcos (1935 - 1999) O Assassinato do Anão do Caralho Grande alcança sucesso e notoriedade, e também o Prêmio Mambembe de melhor direção, em 1997.

Em 1998 funda, com outros artistas, o grupo Folias d'Arte, um novo ponto de referência na geografia cultural da cidade, com a aberta intenção de um teatro popular de matriz brechtiana. A primeira montagem é Folias Fellinianas, uma colagem de textos de Reinado Maia. Em 1999, obtém sucesso junto ao público jovem com Missa Leiga, texto de Chico de Assis (1942).

Com o grupo Folias encena, em 2000, o musical Surabaya Johnny, um cabaré lítero-musical em torno das canções extraídas da obra de Bertolt Brecht.

Em 2001, está à frente de uma realização cheia de méritos: o texto de Michael Frayn Copenhagen, árdua discussão entre dois físicos nucleares às vésperas do encerramento da Segunda Guerra Mundial, quando se prepara a explosão da bomba atômica. No mesmo ano, novamente com o Folias, encena Babilônia, de Reinaldo Maia, enfocando a vida dos despossuídos nas regiões periféricas do planeta. Em 2002, dirige o ator Francarlos Reis no espetáculo-solo À Putanesca, reunião de textos curtos de jovens dramaturgos paulistas.

Na avaliação da crítica Mariangela Alves de Lima (1947) sobre Copenhagen: "O espetáculo é dirigido por Marco Antonio Rodrigues com a simplicidade e a energia de uma contenda de idéias. Não há quase atrativos de outra ordem e pode-se dizer que a única liberdade cênica do espetáculo consiste em estilizar e poetizar a declaração de amor que a personagem Werner Heisenberg faz à sua terra natal. Mais do que um nacionalista, Heinsenberg professa um afeto nativista pelo lugar onde nasceu. É a única concessão do espetáculo ao sentimentalismo e funciona bem porque permite entrever sob os argumentos o fundo irracional sobre os qual os regimes totalitários erigem o mito do nacionalismo. As interpretações de Oswaldo Mendes no papel de Niels Bohr e Carlos Palma (Werner Heisenberg) são pautadas por uma clareza de inspiração brechtiana. Dirigem-se ao público, articulam bem os argumentos, marcam as diferenças temporais e concentram a paixão sobre o mecanismo do debate e não sobre abstrações mensuráveis. Teatro de idéias, parte do Projeto Arte e Ciência no Palco, o espetáculo atinge o alvo porque abre uma discussão e não porque põe um ponto final no debate".1

Notas

1. LIMA, Mariangela Alves de. Responsabilidade moral da ciência em questão. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 1 jun. 2001. Caderno 2, p. 3.

Outras informações de Marco Antonio Rodrigues:

  • Outros nomes
    • Marco Antonio Rodrigues
  • Habilidades
    • Ator
    • Tradutor
    • Iluminador
    • diretor de teatro

Espetáculos (53)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (14)

  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • COMPANHIA TEATRAL AS GRAÇAS. Site oficial do grupo. Disponivel em e . Acessado em: 19 maio 2011. Espetáculo: Noite de Reis - 2006. Não catalogado
  • GALPÃO DO FOLIAS. Babilônia: 11 out. a 16 dez. 2001, São Paulo, SP, 2001. Programa do Espetáculo. Não catalogado
  • LIMA, Mariangela Alves de. Responsabilidade moral da ciência em questão. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 1 jun. 2001. Caderno 2, p. 3.
  • Programa do Espetáculo - A Coleira de Bóris - 2008. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Blasted - 2004. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Copenhagen - 2001 Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - El Dia Que Me Quieras - 2005. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Ensaio sobre a Cegueira - 2002. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - O Assassinato do Anão do Caralho Grande - 1998. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Os Azeredo Mais os Benevides - 2000 Não Catalogado
  • RODRIGUES, Marco Antonio. Currículo enviado pelo artista.
  • SANTOS, Valmir. Peça inspira discussão fora do palco. Folha de S.Paulo, São Paulo, 9 abr. 2001. Ilustrada, p. E4.
  • ______. Copenhagen exibe semideuses humanos. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 abr. 2001. Ilustrada, p. E12.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARCO Antonio Rodrigues. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa350894/marco-antonio-rodrigues>. Acesso em: 26 de Mai. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7