Artigo da seção pessoas Jaime Costa

Jaime Costa

Artigo da seção pessoas
Teatro  
Data de nascimento deJaime Costa: 27-12-1897 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 31-01-1967 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia

Jaime Costa (Rio de Janeiro RJ 1897 - idem 1967). Um dos atores mais importantes da geração que ficou conhecida pelo nome do teatro que lhe deu abrigo - Trianon, Jaime Costa se especializa, como Procópio Ferreira e Alda Garrido, nos tipos característicos da comédia de costumes nacional.

Seu início na cena profissional é como cantor do teatro musicado. Depois de atuar na companhia de Eduardo Vieira, monta, ao lado de Leopoldo Fróes, uma companhia de operetas que se apresenta no Teatro Recreio. A convite de Oduvaldo Vianna, ingressa na companhia de comédias do Teatro Trianon, atuando em A Última Ilusão, do próprio Oduvaldo Vianna, 1923. Nasce, nesse início de século, um teatro inteiramente comercial, centrado na figura de um único ator, que encomenda o texto e o molda a seu gosto e às necessidades de produção. São comédias nacionais feitas às dúzias que permanecem em cartaz por uma ou duas semanas e logo são substituídas. Em menos de dois anos de Trianon, Jaime Costa atua em mais de vinte espetáculos. Quando a companhia se desfaz, monta seu próprio negócio e passa a viver de viagens pelas capitais e pelo interior até se instalar, no final dos anos 30, no Teatro Glória (na Cinelândia, centro da cidade, depois demolido), onde sua companhia se apresenta durante mais de uma década.

Apesar do caráter descartável que reveste o teatro dos anos 20 e 30, Jaime Costa realiza algumas interpretações memoráveis. D. João VI, em Carlota Joaquina, de Magalhães Jr., 1939, uma pitoresca criação típica do velho teatro, lhe vale a medalha de ouro da crítica carioca. Em uma rara e emocionante interpretação dramática em A Morte do Caixeiro Viajante, de Arthur Miller, com direção de Esther Leão, 1951, Jaime investe a interpretação do velho Willy Loman de uma palpitação humana pessoal, que, ao mesmo tempo que toca pela proximidade do real, toma a dimensão de uma dramaticidade pungente. O trabalho lhe confere medalha de ouro da crítica carioca. Como o pai beberrão de My Fair Lady, adaptação de Pigmalião, de Bernard Shaw, 1962, que vende a honra da filha e, a caminho do casamento, ensaia passos de music-hall, conquista três medalhas de ouro (Associação Brasileira dos Críticos Teatrais, Críticos Independentes e Associação Paulista dos Críticos Teatrais).

A montagem é a última grande realização de sua carreira, que começa a minguar lentamente, com a dispersão do público fiel e com o novo teatro, no qual o estilo da velha geração não tem lugar. Fiel à crença de seu tempo, o ator despreza a técnica e reveste sua atuação do "talento nato", um poder mágico inexplicável, como observa o crítico Décio de Almeida Prado: "Como intérprete, como artesão da arte de representar, nunca se aperfeiçoou - ao contrário de Procópio - e nunca precisou se aperfeiçoar para conquistar o público. Não só não sabia freqüentemente as falas, como respirava mal, encavalava as sílabas, tumultuava o ritmo da frase, caía na declamação quando desejava ser eloqüente. Mas estas imprecisões técnicas, imperdoáveis em qualquer outro, desapareciam diante da sua presença e da sua força de comunicação".1

Morre depois de uma apresentação de Se Correr o Bicho Pega, Se Ficar o Bicho Come, de Oduvaldo Vianna Filho, e Ferreira Gullar, sob a direção de Gianni Ratto, 1966, com o Grrupo Opinião, em que representa o coronel nordestino junto a um dos grupos mais representativos no novo teatro e da nova safra da dramaturgia nacional.

Notas

1. PRADO, Décio de Almeida. Jaime Costa. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 fev. 1967.

2. Ibid.

Outras informações de Jaime Costa:

  • Outros nomes
    • Jaime Costa
    • Jayme Costa
  • Habilidades
    • diretor de teatro
    • ator
    • dramaturgo
    • autor

Espetáculos (165)

Todos os espetáculos

Fontes de pesquisa (5)

  • COMPANHIA Jaime Costa. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Grupo/Companhia Artes Cênicas.
  • COSTA, Jaime. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil). 792.092 G932n
  • NUNES, Mário. 40 anos de teatro. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro, 1956. 4 v.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Rosyane Trotta Não Catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JAIME Costa. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa349474/jaime-costa>. Acesso em: 24 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7