Pessoas

Paulo Herculano

Outros Nomes: Paulo Herculano Marques Gouvêa
  • Análise
  • Biografia

    Paulo Herculano Marques Gouvêa (Rio Claro SP 1935). Diretor musical. Paulo Herculano trabalha em espetáculos importantes desde os anos 60, dedicando-se a composição, trilhas sonoras e preparação vocal de elencos.

    Após formar-se em piano no Conservatório Carlos Gomes, de Campinas, em 1953, Paulo Herculano participa dos seminários musicais Pró-Arte, alcançando destaque na área da música de câmera com o conjunto Musicantiga; prestígio que o leva a cursar musicologia, na Sorbonne, em Paris, entre 1969 e 1970.

    Suas participações iniciais no teatro já figuram em montagens importantes, tais como A Megera Domada, de William Shakespeare, na encenação de Antunes Filho para o Teatro da Esquina, em 1965; direção musical e orquestração em parceria com Cláudio Petraglia para Oh, Que Delícia de Guerra!, de Charles Chilton, Joan Littlewood e do grupo do Theatre Workshop, direção de Ademar Guerra; Marat-Sade, de Peter Weiss, outra encenação de Ademar, em 1967.

    É porém com Hair, o musical de Ragni e Rado, nova colaboração com o diretor Ademar Guerra, em 1969, que Paulo Herculano ousa maiores vôos. Essa direção musical implica não apenas adaptar a música original às condições brasileiras como, especialmente, preparar vocalmente o numeroso elenco.

    Em 1972, está na direção musical de A Viagem, de Carlos Queiroz Telles, encenação de Celso Nunes, espetáculo grandioso do Teatro Ruth Escobar. Para a montagem de Bodas de Sangue, de Federico García Lorca, encenada por Antunes Filho com Maria Della Costa como a protagonista, Paulo compõe elogiada série de canções, que lhe vale o Prêmio Associação Paulista de Críticos de Arte, APCA, de melhor composição, em 1973. Com o mesmo diretor, no ano seguinte, está em Bonitinha, mas Ordinária, produção de Miriam Mehler para o texto de Nelson Rodrigues. Nova direção musical, ainda em 1974, para O Que Você Vai Ser Quando Crescer, criação coletiva da Royal Bexiga's Company, direção de Silnei Siqueira, com quem volta a trabalhar em Ai de Ti, Mata Hari, 1975.

    Em 1977, é a vez de Escuta, Zé!, adaptação e atuação de Marilena Ansaldi da obra de Wilhelm Reich, com direção de Celso Nunes. No mesmo ano, está em Torre de Babel, de Fernando Arrabal, dirigido por Luiz Carlos Ripper e Arrabal, uma produção do Teatro Ruth Escobar. Em 1978, colabora em Chuva, adaptação de John Colton e Clemence Randolph do conto de Somerset Maugham, encenação de Jorge Takla.

    Após muitos trabalhos dirigindo a parte musical e preparando vocalmente os atores, Paulo lança-se como intérprete, estreando em 1979 na montagem de Eva Perón, texto irônico de Copi, como o ditador portenho.

    Em 1981, ganha o Prêmio APCA de melhor diretor musical por 39, de Gretchen Cryer, com direção de Flávio Rangel. Em 1986 prepara o elenco do bem-sucedido Nostradamus, texto de Doc Comparato dirigido por Antônio Abujamra para a Companhia Estável de Repertório - CER, de Antonio Fagundes.

    No final dos anos 90 volta a atuar em duas realizações experimentais: Cem Objetos para Representar o Mundo, texto de Peter Greenaway; e Fragmentos, colagem de Myrian Muniz sobre a obra de Nelson Rodrigues.

    Suas atividades como professor de música e canto para atores incluem cursos para o Serviço Nacional de Teatro, SNT, em 1977; para a Funarte, em 1997; uma oficina denominada Design Sonoro, ministrado no Centro de Pesquisa Teatral, CPT/Sesc, em 1997 e 1998, e Canto para Atores, no curso de Myrian Muniz, em 1998.

Espetáculos

Exibir

Fontes de Pesquisa

TEATRO do Ornitorrinco. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009.

Programa do espetáculo - Ciganos , o Povo Invisível

Programa do Espetáculo - 39 - 1981

Programa do Espetáculo - Chuva - 1978

Programa do Espetáculo - A Aurora da Minha Vida - 1981

Programa do Espetáculo - Nostradamus - 1986

Programa do Espetáculo - Oh Que Delicia de Guerra - 1966

Programa do Espetáculo - O Tempo e os Conways - 1986

Programa do Espetáculo - Torre de Babel - 1977

Programa do Espetáculo - Em Defesa do Companheiro Gigi Damiani - 1981

Programa do Espetáculo - Um Bonde Chamado Desejo - 1974

Programa do Espetáculo - À Margem da Vida - 1976.

Programa do Espetáculo - Mahagonny - A Cidade dos Prazeres - 1976.

EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: Hoje é dia de Rock - 1973

GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p., il. p&b. (Aplauso Perfil). ISBN 85-7060-29-1-X.

Programa do Espetáculo - Eva Perón - 1979.

ALBUQUERQUE, Johana. Paulo Herculano  In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae. Ficha curricular.

GUIMARÃES, Carmelinda Soares. Antunes Filho: um renovador do teatro brasileiro. Campinas: Unicamp, 1998.

MENDES, Oswaldo. Ademar Guerra: teatro de um homem só. São Paulo: Senac, 1997.