Artigo da seção pessoas Agripino Grieco

Agripino Grieco

Artigo da seção pessoas
Literatura  
Data de nascimento deAgripino Grieco: 1888 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Paraíba do Sul) | Data de morte 1973 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia

Agripino Grieco (Paraíba do Sul, Rio de Janeiro, 1888 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1973). Crítico literário, poeta, contista, tradutor, jornalista. Filho dos italianos Pascoal Grieco e Rosa Covello Grieco, provenientes de Basilicata. Em 1906, muda-se para o Rio de Janeiro e começa a carreira de funcionário público na Central do Brasil. Estréia na literatura com uma obra de poesia, Ânforas, em 1910, e três anos depois com um conjunto de contos intitulado Estátuas Mutiladas. De 1913 até 1920 dedica-se inteiramente à leitura de autores clássicos e românticos sem nada publicar. A partir de então escreve colunas literárias em pequenos jornais e revistas até ser convidado pelo crítico Tristão de Ataíde (1893-1983) a substituí-lo em O Jornal, em que estréia com artigo sobre o poeta Gregório de Matos (1636-1696). E esses seus primeiros artigos são reunidos em Fetiches e Fantoches, de 1921, e Caçador de Símbolos, de 1923. Em suas colunas torna-se também grande defensor da obra do poeta Castro Alves (1847-1871). Sua importância no meio literário, do início da década de 1920 à década de 1950, está diretamente ligada ao fato de permanecer todo esse tempo escrevendo diariamente em importantes jornais, com suas colunas caracterizadas pelo ecletismo e pelo tom polêmico e satírico, tratando de escritores brasileiros, estrangeiros e lançamentos. Após sua morte, em 1973, sua biblioteca pessoal, com mais de 30 mil títulos, é vendida à Universidade de Brasília. Em comemoração do centenário de seu nascimento, em 1988, é lançado o volume Gralhas e Pavões, com organização do filho Donatello Grieco, que traz apontamentos inéditos escritos em pequenas tiras de papel e encontrados em caixas de sapato.

Outras informações de Agripino Grieco:

  • Outros nomes
    • Agrippino Grieco
  • Habilidades
    • Crítico literário
    • jornalista
    • escritor
    • Contista
    • Tradutor

Fontes de pesquisa (4)

  • GRIECO, Donatello (Org.). Bibliografia e crítica de Agrippino Grieco: coletânea organizada em comemoração do octogésimo aniversário do nascimento do escritor, com transcurso em 15 de outubro de 1968. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1968.
  • LAFETÁ, João Luiz. Retórica e alienação. In: 1930: a crítica e o modernismo. São Paulo: Duas Cidades, 1974.
  • NUNES, Inácio. Queixa-crime: em defesa da memória de Agrippino Grieco. Rio de Janeiro: Conquista, 1974.
  • QUEIROZ, José J. Agrippino Grieco, o diabo jovial: os melhores epigramas do mestre da sátira em língua portuguesa. Rio de Janeiro: Conquista, 1957.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • AGRIPINO Grieco. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa3424/agripino-grieco>. Acesso em: 13 de Ago. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7