Artigo da seção pessoas Cecília Meireles

Cecília Meireles

Artigo da seção pessoas
Literatura / artes visuais / teatro  
Data de nascimento deCecília Meireles: 07-11-1901 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 09-11-1964 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Mar Absoluto e Outros Poemas , 1945 , Cecília Meireles
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Biografia
Cecília Benevides de Carvalho Meirelles (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1901 - idem 1964). Poeta, cronista, educadora, ensaísta, tradutora e dramaturga. Seus três irmãos mais velhos morrem antes de ela nascer; seu pai, três meses antes de seu nascimento; e a mãe, antes de ela completar 3 anos. É criada pela avó materna, Jacinta Garcia Benevides, natural dos Açores, Portugal. Conclui o curso primário em 1910, na Escola Estácio de Sá, quando recebe das mãos do poeta Olavo Bilac (1865-1918), então inspetor escolar do Distrito Federal, medalha de ouro por ter concluído o curso com "distinção e louvor". Diplomando-se no curso normal do Instituto de Educação do Rio de Janeiro, em 1917, o magistério torna-se uma de suas paixões, levando-a a escrever para o público infantil, em livros didáticos, como Criança, Meu Amor, de 1924, ou em poemas, como Ou Isto ou Aquilo, de 1964. Em 1922, casa-se com o artista plástico português Correia Dias (1893-1935), com quem tem três filhas - a mais nova, Maria Fernanda (1928), torna-se atriz de teatro. De 1930 a 1933, mantém no Diário de Notícias uma página diária sobre problemas de educação, que resulta um livro póstumo de cinco volumes, Crônicas da Educação, e, em 1934, organiza a primeira biblioteca infantil do Brasil, no Rio de Janeiro. Assina, em 1932, com os educadores Fernando de Azevedo (1894-1974), Anísio Teixeira (1900-1971), Afrânio Peixoto (1876-1947), entre outros, o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, marco da renovação educacional do país. Em 1935, seu marido se suicida. Cinco anos depois, Cecília casa-se com o professor e engenheiro agrônomo Heitor Vinícius da Silveira Grilo. Aposenta-se como diretora de escola em 1951, mas se mantém como produtora e redatora de programas culturais da Rádio MEC, que são reunidos postumamente no livro Ilusões da Vida, de 1976. Embora tenha estreado aos 18 anos, com o livro de sonetos Espectros, em 1919, somente com Viagem, de 1939, vencedor do Prêmio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras - ABL, encontra seu estilo definitivo. Mesmo considerada uma poeta filiada ao modernismo, seus caminhos estéticos estão mais ligados à evolução pessoal que a movimentos literários. Entre outros temas, sua obra aborda a solidão, a brevidade da vida e a religiosidade.

Comentário Crítico
Cecília Meireles é uma poeta brasileira da segunda geração modernista, mas em sua obra encontram-se influências da poesia medieval, romântica, parnasiana e simbolista, como o uso de formas fixas, especialmente o soneto, técnicas tradicionais de versificação, temas filosóficos e espirituais e linguagem elevada, que tornam a sua obra singular no contexto histórico em que é desenvolvida. Poeta intimista, próxima à abstração da música, ao sentimento religioso e à fluidez do sonho, seus temas recorrentes são o amor, a morte, o tempo e a eternidade, o que se evidencia já a partir dos títulos de seus livros, como  Vaga Música e Mar Absoluto.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Cecília Meireles:

  • Outros nomes
    • Cecília Benevides de Carvalho Meireles
    • Cecilia Meirelles
  • Habilidades
    • poeta
    • cronista
    • tradutor
    • Educador
    • ensaísta
    • dramaturgo

Obras de Cecília Meireles: (3) obras disponíveis:

Espetáculos (20)

Exposições (4)

Fontes de pesquisa (7)

  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. 415 p.
  • BANDEIRA, Manuel. Apresentação da poesia brasileira. Rio de Janeiro: Casa do Estudante, 1946.
  • BANDEIRA, Manuel. Balada de Santa Maria Egípcia. In: ______. Estrela da vida inteira. 2º ed. Rio de Janeiro: José Olympio, Instituto Nacional do Livro, 1970.
  • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1976.  p. 513.
  • MEIRELES, Cecília, Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. 2v.
  • MEIRELES, Cecília. Cecília Meireles de Bolso. Uma Antologia Poética. Porto Alegre: L&PM, 2009. (Coleção L&PM Pocket). p. 21.
  • MEIRELES, Cecília. Oratório de Santa Maria Egipcíaca. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996. p. 34.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CECÍLIA Meireles. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa3245/cecilia-meireles>. Acesso em: 19 de Jun. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7