Artigo da seção pessoas Oswald de Andrade

Oswald de Andrade

Artigo da seção pessoas
Teatro / literatura  
Data de nascimento deOswald de Andrade: 11-01-1890 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Data de morte 22-10-1954 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Retrato de Oswald de Andrade , 1923 , Tarsila do Amaral
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Biografia
José Oswald de Sousa Andrade (São Paulo, SP, 1890 - idem 1954). Romancista, poeta, dramaturgo, ensaísta e jornalista. Filho único de José Oswald Nogueira de Andrade, de origem latifundiária, e Inês Henriqueta Inglês de Sousa Andrade, de família aristocrata. Sua opção profissional e dedicação à literatura são bem recebidas, desde a juventude, pela família, sobretudo por ter como tio o escritor Inglês de Souza (1853-1918). Inicia-se no jornalismo em 1909, colaborando na coluna "Teatros e salões" do Diário Popular. Em 1911, funda o irreverente semanário O Pirralho. No ano seguinte, viaja pela Europa, onde toma contato com o ambiente artístico marcado pelo manifesto futurista (1909) do poeta italiano Marinetti (1876-1944), bem como pela arte primitiva, em voga entre os franceses. Seu livro de estreia, lançado em 1916, reúne as peças de teatro Mon Coeur Balance e Leur Âme, escritas em francês, em parceria com Guilhemre de Almeida (1890-1969). Em 1919, forma-se bacharel na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Em 1920, funda com Menotti Del Picchia (1892-1988) a revista Papel e Tinta, entre cujos colaboradores estão intelectuais da vanguarda modernista como Mário de Andrade (1893-1945) e Di Cavalcanti (1897-1976). Durante a Semana de Arte Moderna de 1922, que ajuda a preparar, lê trechos do romance Os Condenados (posteriormente chamado Alma) sob vaias do público. Em 1924, defende a valorização da "originalidade nativa" como pedra de toque da nova estética proposta no seu "Manifesto da Poesia Pau-Brasil" e, com o mesmo intuito, integra uma excursão de modernistas pelas cidades históricas de Minas Gerais. Seu propósito de ruptura se concretiza, na prosa, com Memórias Sentimentais de João Miramar (1924) e, na poesia, com Pau-Brasil (1925). Em 1927, publica o romance A Estrela de Absinto e o Primeiro Caderno do Aluno de Poesia Oswald de Andrade. No ano seguinte, em diálogo com a obra da pintora Tarsila do Amaral (1886-1973), com quem está casado, cria o Movimento Antropofágico, divulgado pelo "Manifesto Antropófago" e pela Revista de Antropofagia. Em 1931, torna-se membro do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e passa a evidenciar seu posicionamento político na sua produção intelectual dos anos seguintes, como no prefácio com que lança Serafim Ponte Grande (1933) e nas alterações que faz no romance A Escada Vermelha (1934), inclusive com o acréscimo do atributo de cor ao título. As preocupações políticas também se fazem notar nas suas peças de teatro O Homem e o Cavalo (1934), A Morta e O Rei da Vela (1937) e nos dois volumes do romance cíclico Marco Zero, A Revolução Melancólica (1943) e Chão (1945). Após romper com o partido, em 1945, retoma as idéias antropofágicas, buscando alçá-las ao estatuto filosófico, em produções como a tese A Crise da Filosofia Messiânica (1950) e a série de artigos "A marcha das utopias" (1953). Publica o primeiro volume das suas memórias, Um Homem sem Profissão: sob as ordens da mamãe, em1954, meses antes de sua morte.

Comentário Crítico
Oswald de Andrade é considerado um dos principais expoentes da primeira fase do Modernismo brasileiro, aquela que tem lugar na década de 1920, reconhecidamente após a Semana de Arte Moderna (1922). Esse período concentra grande parte de sua contribuição inovadora para a literatura brasileira, como as propostas estéticas formuladas nos manifestos com que inaugura os movimentos Pau-Brasil (1924) e Antropofágico (1928).

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Oswald de Andrade:

Obras de Oswald de Andrade: (11) obras disponíveis:

Representação (5)

Midias (2)

Anterior3 de 3 Viajando pelo Modernismo - Aspectos da cultura brasileira (1993) Direção Roberto Moreira Edição José Carlos Daniel e Eduardo Lopes Roteiro Otávio Gomes, Roberto Moreira, Sylvio Pinheiro Produção Andréa Marques Barbosa Trilha sonora Wilson Sukorski, Lívio Tragtenberg Locução Martha Mellinger. Itaú Cultural

O professor de literatura brasileira e pesquisador Jorge Schwartz palestra sobre o Modernismo. Tendo como marco zero a Semana de Arte Moderna de 22, realizada no Teatro Municipal, o modernismo é indissociável de São Paulo e da trajetória dos poetas paulistanos Mário e Oswald de Andrade. São Paulo na Literatura é uma série programas que tratam da cidade de São Paulo no imaginário da literatura brasileira. Com curadoria do jornalista e ensaísta Manuel da Costa Pinto e participação do grupo teatral Bendita Trupe, a série é formada por quatro programas -- Romantismo, Modernismo, Concretismo e Realismo Urbano. Gravado em fevereiro de 2004, na Sala Itaú Cultural, em São Paulo.

Espetáculos (26)

Todos os espetáculos

Exposições (10)

Fontes de pesquisa (2)

  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. 415 p. R792.0981 A636t 1994
  • Programa do Espetáculo - A Morta - 1992. Não Catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • OSWALD de Andrade. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa2794/oswald-de-andrade>. Acesso em: 24 de Abr. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7