Artigo da seção pessoas Augusto dos Anjos

Augusto dos Anjos

Artigo da seção pessoas
Literatura  
Data de nascimento deAugusto dos Anjos: 20-04-1884 Local de nascimento: (Brasil / Paraíba / Cruz do Espírito Santo) | Data de morte 12-11-1914 Local de morte: (Brasil / Minas Gerais / Leopoldina)
Imagem representativa do artigo

Eu e Outras Poesias , 1912 , Augusto dos Anjos
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Biografia

 

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (Cruz do Espírito Santo, PB, 1884 - Leopoldina, MG, 1914). Poeta e professor. Nascido no Engenho Pau d'Arco, propriedade de seus pais, o advogado Alexandre Rodrigues dos Anjos e Córdula Carvalho Rodrigues dos Anjos (sinhá Mocinha), Augusto dos Anjos é alfabetizado em casa e acompanha de perto a lenta e agônica decadência da família. Matricula-se, em 1903, na Faculdade de Direito do Recife, onde toma contato com as doutrinas do cientista alemão Ernest Haeckel (1834-1919), um dos expoentes do cientificismo positivista, que influencia profundamente sua poesia. Formado, em 1907, volta para a Cidade da Paraíba (atual João Pessoa), e passa a dar aulas de português no Liceu Paraibano. Nessa época, publica poemas em jornais locais. Em 1910, casa-se com Esther Fialho, e, após desentender-se com o governador, muda-se para o Rio de Janeiro. No ano seguinte, seu primeiro filho morre prematuramente, o que abala ainda mais sua frágil saúde. Em 1912, financiado pelo irmão Odilon, é publicado seu único livro, Eu. É nomeado diretor de um grupo escolar em Leopoldina e então, em julho de 1914, muda-se para Minas Gerais. Morre em novembro do mesmo ano, vítima de pneumonia. Em 1920, seu amigo e biógrafo Órris Soares (1884-1964) publica a segunda edição de Eu, com vários poemas inéditos.

Análise

Com a publicação de Eu, em 1912, a poesia de Augusto dos Anjos tem consagração imediata. Apesar de reações em tom de censura, que condenam as supostas extravagâncias e exotismos, contrários a tudo que é moeda corrente na poesia de então, grande parte da crítica literária nem por isso deixa de reconhecer-lhe o mérito de tamanha originalidade. Estranha e nova: essa é, em suma, a tônica da primeira recepção. O modo destoante dessa poesia em relação ao que é praticado na época leva um crítico como Anatol Rosenfeld (1912-1973) a buscar um paralelo na poesia expressionista alemã - sem que se pudesse sustentar nenhum tipo de contato, muito menos influência direta. Ainda assim, há em comum entre Anjos e poetas alemães como Gottfried Benn (1886-1956), Georg Heym (1887-1912) e Georg Trakl (1887-1914) o emprego do jargão clínico-científico (especialmente da biologia e da fisiologia) para traduzir, materialmente, uma visão de mundo pessimista em termos de doença e decomposição ou negra putrefação. Trata-se, com diz Rosenfeld, de uma "poesia de necrotério na qual se disseca e desmonta 'a glória da criação' [...] [e que] lança o desafio do radicalmente feio à face do pacato burguês, desmascarando, pela deformação hedionda, a superfície harmônica e açucarada de um mundo intimamente podre".

Mas, se a poesia de Augusto dos Anjos não encontra paralelo no parnasianismo oficial ou mesmo no simbolismo (mais à margem), que lhe são contemporâneos no Brasil, as matrizes filosóficas que dão sustentação à sua visão de mundo extremamente pessimista são muito características de sua época e do meio intelectual em que ele se forma. Convergem para tal cosmovisão o monismo da biologia evolucionista do cientista alemão Ernest Haeckel; o darwinismo de Herbert Spencer (1820-1903), autor da expressão "sobrevivência do mais apto"; a filosofia do inconsciente de Karl von Hartmann (1842-1906); e a filosofia niilista da dor e da vontade cega e insatisfeita como fundamento da existência de Arthur Schopenhauer (1788-1860) - entre outros que o poeta paraibano vem a ler durante sua passagem pela Faculdade de Direito do Recife.

Com relação aos aspectos estilísticos da obra e à concepção de conjunto, Lúcia Helena chama atenção para a organicidade do livro, como se os 58 poemas de Eu consistissem num só poema, incansavelmente repensado pelo poeta e perpassado por um traçado épico que lhe confere a forma de uma cosmogonia - ou cosmo-agonia, como prefere a intérprete. Nesse conjunto, José Paulo Paes ressalta a centralidade de um poema como Os Doentes, o mais longo de todos, que funciona como um poema-súmula concentrando todos os temas dos demais. Quanto à linguagem, é ainda Anatol Rosenfeld quem observa que o estranhamento causado pela introdução do termo técnico-científico no domínio da poesia é como "um elemento anorgânico que interrompe o contínuo orgânico da língua, arrebatando-lhe o turvo conformismo. O termo especializado é, precisamente em consequência da sua artificialidade esotérica, um elemento alienígena que revela, através de sua alienação radical e sem concessões, a alienação encoberta da língua histórica" que já não é capaz de exprimir, por sua usualidade ou vulgaridade, o significado de cada coisa. "Augusto dos Anjos fala muitas vezes da angústia da palavra e, certa vez, da esperança de poder 'inventar... outro instrumento' para reproduzir o seu sentimento (Versos de Amor)."

Mais recentemente, Francisco Foot Hardman vem falar de uma estética antitropicalista que irmana a poesia de Augusto dos Anjos, por exemplo, à prosa contemporânea de Euclides da Cunha (1866-1909), aproximação já uma vez estabelecida por Gilberto Freyre (1900-1987). Observa, assim, que a "natureza tropical exuberante nunca inspirou os versos de Eu e outras poesias, que se afastam dela, até heroicamente. As paisagens lhe aparecem marcadas por signos da morte. A exuberância animal ou vegetal já antecipa seus sinais de decrepitude e fim. O excesso de luz solar não é imagem indiciária da vida, mas sim de um poder destrutivo". O alcance crítico da negatividade presente na poesia de Augusto dos Anjos está, segundo Hardman, em marcar "oposição ao otimismo da belle époque carioca, vazado na ideia de a literatura ser 'o sorriso da sociedade' ", como afirma a estética oficial do período. Num livro cujo título enfatiza essa primeira pessoa do singular que constitui a própria matéria do gênero lírico, nota Sérgio Alcides que, paradoxalmente, "o tema da poesia de Augusto dos Anjos é precisamente o fracasso do 'Eu' e a desagregação da subjetividade como valor fundamental da chamada 'civilização' ocidental".

Outras informações de Augusto dos Anjos:

  • Outros nomes
    • Augusto Carvalho Rodrigues dos Anjos
    • Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos
    • Poeta do Hediondo
  • Habilidades
    • Poeta
    • professor

Obras de Augusto dos Anjos: (2) obras disponíveis:

Título da obra: Eu

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais / literatura  
Data de criaçãoEu : 1912
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Espetáculos (1)

Fontes de pesquisa (20)

  • ALCIDES, Sérgio. Augusto dos Anjos e o mito do "Eu". In: ETTORE Finazzi-Agró, Roberto Vecchi e Ma. Betânia Amoroso (orgs.). Travessias do pós-trágico: os dilemas de uma leitura do Brasil. São Paulo: Unimarco Ed.,2006.
  • ALMEIDA, Horácio de. As razões da angústia em Augusto dos Anjos. Rio de Janeiro; Ouvidor, 1962.
  • ANJOS, Augusto dos. Eu e outras poesias. Organização e introdução Antonio Arnoni Prado. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
  • BARROS, Eudes. A poesia de Augusto dos Anjos: uma análise de psicologia e estilo. Rio de Janeiro: Ouvidor, 1974.
  • COUTINHO, Afrânio. BRAYNER, Sônia (orgs.). Augusto dos Anjos: textos críticos. Brasília, INL, 1973.
  • GULLAR, Ferreira. Augusto dos Anjos ou vida e morte nordestina. In: ANJOS, Augusto dos. Toda a poesia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
  • HARDMAN, Francisco Foot. Augusto dos Anjos e o antitropicalismo. In: FINAZZI-AGRÓ, Ettore, VECCHI, Roberto e AMOROSO, Maria Betânia (orgs.). Travessias do pós-trágico: os dilemas de uma leitura do Brasil. São Paulo: Unimarco Ed.,2006.
  • HELENA, Lúcia. A cosmo-agonia de Augusto dos Anjos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1977.
  • MAGALHÃES JR., Raimundo. Poesia e vida de Augusto dos Anjos. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1977.
  • MELO, A.L. Nobre de. Augusto dos Anjos e as origens de sua arte poética. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942.
  • PAES, José Paulo.  Augusto dos Anjos ou o evolucionismo às avessas. In: ANJOS, Augusto dos. Os melhores poemas de... São Paulo: Global, 1997.
  • PAES, José Paulo. As quatro vidas de Augusto dos Anjos. São Paulo: Pégaso, 1957
  • PAES, José Paulo. Gregos e baianos. São Paulo: Brasiliense, 1985.
  • PAES, José Paulo. Augusto dos Anjos e o Art Nouveau - Do particular ao universal. In: ______. Gregos e Baianos. São Paulo, Brasiliense, 1985. p.81-98. 
  • PROENÇA, M. Cavalcanti. Augusto dos Anjos e outros ensaios. Rio de Janeiro/Brasília: Grifo/INL/MEC, 1973.
  • REIS, Zenir Campos. Augusto dos Anjos: poesia e prosa. Edição Crítica. São Paulo: Ática, 1977. 
  • REIS, Zenir Campos. Augusto dos Anjos. São Paulo: Abril Educação, 1982.
  • ROSENFELD, Anatol. A costela de prata de Augusto dos Anjos. In: _____. Texto/contexto. São Paulo: Perspectiva, 1969.
  • VIDAL, Ademar. O outro eu de Augusto dos Anjos. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1977.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • AUGUSTO dos Anjos. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa2792/augusto-dos-anjos>. Acesso em: 16 de Nov. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7