Artigo da seção pessoas Cora Coralina

Cora Coralina

Artigo da seção pessoas
Literatura  
Data de nascimento deCora Coralina: 20-08-1889 Local de nascimento: (Brasil / Goiás / Goiás) | Data de morte 10-04-1985 Local de morte: (Brasil / Goiás / Goiânia)

Biografia
Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (Cidade de Goiás GO 1889 - Goiânia GO 1985). Poeta e contista. Passa a infância e adolescência na Cidade de Góias. Pertencente a uma família de origens aristocráticas, é educada em casa por uma mestre-escola, cursando apenas os quatro primeiros anos primários. Apesar da pouca escolaridade, aos 14 anos começa a publicar contos e poemas em periódicos da cidade, valendo-se do pseudônimo Cora Coralina, que adota devido à repressão familiar. Na mesma época frequenta o "Clube Literário Goiano". Durante uma das reuniões conhece o advogado Cantídio Tolentido de Figueiredo Bretas, com quem, em 1911, foge para o interior paulista (os dois só se casariam oficialmente em 1926). Durante os anos que vive com o companheiro, continua escrevendo, porém não publica sua produção. No entanto, contribui com artigos para jornais das regiões de Avaré e Jaboticabal.

Com a morte do marido, em 1934, passa a morar na capital paulista e, para sustentar a si e aos filhos, torna-se vendedora de livros na editora de José Olympio (1902 - 1990). Na década de 40 volta para a cidade de origem, tornando-se doceira, profissão que a sustentou até o fim da vida. Em 1965, aos 76 anos, decide publicar pela primeira vez seus escritos (Poemas dos Becos de Goiás e estórias mais) pela mesma editora José Olympio. Em 1983 recebe o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal de Goiás (UFG), e no mesmo ano torna-se a primeira mulher a vencer o prêmio Juca Pato com o livro Vintém de Cobre - Meias Confissões de Aninha.

Comentário Crítico
O cerne da prosa e da poesia de Cora Coralina reside na memória autobiográfica. Em seus textos, a escritora aborda cenas da infância em sua cidade natal, sobretudo aquelas que se passam no espaço doméstico - como no poema "Antiguidades": "Quando eu era menina/ bem pequena,/ em nossa casa,/se fazia um bolo,/ assado na panela/ com um texto de borralho em cima". O título do poema, aliás, já antecipa que sua matéria será o passado, assim como o título de outros poemas da autora ("Velho sobrado";"O passado...";"Velho"). Pode-se afirmar então que, no caso de Cora Coralina, obra e biografia são elementos indissociáveis, e a figura pública da escritora amalgama-se à da senhora doceira que rememora o passado de menina. Mesmo em suas obras infanto-juvenis, como o Tesouro da Casa Velha, em que são narradas histórias de tom imemorial, envolvendo fantasmas e tesouros escondidos, os contornos biográficos estão presentes: os fantasmas são parentes de Cora, e os tesouros estão escondidos na casa de sua família.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Cora Coralina:

  • Outros nomes
    • Ana Lins dos Guimarães Peixoto Brêtas
  • Habilidades
    • Poeta
    • Contista

Espetáculos (1)

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CORA Coralina. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa2609/cora-coralina>. Acesso em: 23 de Out. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7