Pessoas

Nuno Ramos

Outros Nomes: Nuno Álvares Pessoa de Almeida Ramos
  • Análise
  • Biografia
    Nuno Álvares Pessoa de Almeida Ramos (São Paulo, SP, 1960). Escultor, pintor, desenhista, cenógrafo, ensaísta, videomaker. Cursa filosofia na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), de 1978 a 1982. Trabalha como editor das revistas Almanaque 80 e Kataloki, entre 1980 e 1981. Começa a pintar em 1982, quando funda o ateliê Casa 7, com Paulo Monteiro (1961), Rodrigo Andrade (1962), Carlito Carvalhosa (1961) e Fábio Miguez (1962). Realiza os primeiros trabalhos tridimensionais em 1986. No ano seguinte, recebe do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP) a 1ª Bolsa Émile Eddé de Artes Plásticas. Em 1992, em Porto Alegre, expõe pela primeira vez a instalação 111, que se refere ao massacre dos presos na Casa de Detenção de São Paulo (Carandiru) ocorrido naquele ano. Publica, em 1993, o livro em prosa Cujo e, em 1995, o livro-objeto Balada. Vence, em 2000, o concurso realizado em Buenos Aires para a construção de um monumento em memória aos desaparecidos durante a ditadura militar naquele país. Em 2002, publica o livro de contos O Pão do Corvo. Para compor suas obras, o artista emprega diferentes suportes e materiais, e trabalha com gravura, pintura, fotografia, instalação, poesia e vídeo.

    Comentário Crítico
    Nuno Ramos começa a pintar em 1982, nessa época, seus trabalhos são figurativos e gestuais, feitos com esmalte sintético sobre papel. Sua pintura é influenciada por Julian Schnabel (1951) e Anselm Kiefer (1945). A partir de 1985, passa a utilizar tinta a óleo sobre tela. A massa de tinta torna-se mais espessa e as formas, mais abstratas. No período, adquire prestígio e visibilidade. Participa da 18ª Bienal Internacional de São Paulo (1985) e da 2ª Bienal de Havana (1986).

    Em 1987, exibe suas primeiras obras tridimensionais. Faz esculturas com cal, tecido e madeira. Os trabalhos mostram uma mudança em sua carreira: o interesse desloca-se de uma figuração associada ao gesto expressivo, para a composição de peças em que se relacionam materiais díspares. No ano seguinte, as superfícies de seus quadros se avolumam, tomadas por uma massa grossa e colorida, onde se amalgamam objetos de natureza distinta como madeira, pano e arame. Esse agregar de materiais projeta a superfície para os limites do suporte, transformando-o num relevo.

    Na década de 1990, desenvolve as suas primeiras instalações. Nelas também reúne materiais de naturezas distintas. Dispõe esculturas, imagens fotográficas, textos e outros objetos incorporados no espaço. Em 1992, realiza 111, onde aborda a brutalidade do massacre de 111 detentos na Casa de Detenção de São Paulo (Carandiru), ocorrido no mesmo ano. Em 1996, expande a área em que seu trabalho se mostra e realiza o projeto ambiental Matacão. O artista insere pedras em covas ao ar livre, na Zona Rural de Orlândia, São Paulo.

    Ao mesmo tempo, realiza peças de mármore e granito com vaselina, como Manorá, 1997/1999 e faz telas cada vez maiores. Em 2002, mostra o seu primeiro filme, Luz Negra, em homenagem ao cantor e compositor Nélson Cavaquinho (1910 - 1986). No ano seguinte, instala grandes peças de areia no Museu de Arte da Pampulha (MAP), em Belo Horizonte, e no Museu do Açude, no Rio de Janeiro.

Exposições

Exibir

Eventos

Exibir

Fontes de Pesquisa

Catálogo casa 7, Museu de Arte Contemporânea de São Paulo e Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1985.

AMARAL, Aracy. “Uma nova pintura e o grupo da casa 7”, in:

ARÊAS, Vilma. “Palavras no chão”, in: Morte das Casas – Nuno Ramos. São Paulo: CCBB, de 21/ 4/ 2004 a 20/ 6/ 2004.

ARTISTAS brasileiros na 20a. Bienal Internacional de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. 111 p., il. p&b., color.

BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, SÃO PAULO, SP; AGUILAR, Nelson (org.). Bienal Brasil Século XX: catálogo. Apresentação Edemar Cid Ferreira; texto José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Agnaldo Farias; curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias; projeto arquitetônico Ronald Cavaliere, José Roberto Graciano, Tereza Mas Santa Creu, Lia Rafael do Santo; produção Romão Veriano da Silva Pereira, Suzanna Sassoun; montagem Guiomar Morelo, Carlos Verna, Renata Vieira da Motta, Paulo de Tarso Gracia, Celso do Prado, Maria Clara erino, Ricardo Gottlieb Lindenbojm. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 516 p., il. color.

BRASIL em Veneza: Arthur Bispo do Rosário, Nuno Ramos. Curadoria Nelson Aguilar; texto Lorenzo Mammì; apresentação Edemar Cid Ferreira. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1995. [26] p., il. color.

CASA 7. Texto Alberto Tassinari; tradução Barbara Gancia; fotografia Vania Toledo, Arnaldo Pappalardo. São Paulo: Subdistrito Comercial de Arte, 1985. [24] p., il. p&b, color.

CASA 7: pintura. Texto Aracy Amaral. São Paulo: MAC/USP, 1985. 20 p., il. p&b.

CONDE, Miguel. “Volta ao mundo”. O Globo, Prosa e Verso, p. 1, Rio de Janeiro, 21/8/2010.

DUARTE, Paulo Sérgio. Arte brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Silvia Roesler, 2008, p. 236-39. 

FARIAS, Agnaldo. “Nuno Ramos”, in: Arte brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2002. 

GONÇALVES FILHO, Antônio. Primeira Individual. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 199-211.

JAÚ e arte: um compromisso. Apresentação Marcantônio Vilaça; texto Lorenzo Mammì, Márcio Doctors, Paulo Herkenhoff, Rodrigo Naves, Sônia Salzstein; tradução Lilian Camargo Veirano Astiz; fotografia Romulo Fialdini, Pedro Franciosi, Eduardo Brandão, Antonio Ribeiro, Sérgio Zalis, Lobo Lobato, Bob Wolfenson; projeto gráfico Noris Lisboa. São Paulo: Jaú Construtora e Incorporadora, 1989. [74] p., il. color.

LAGNADO, Lisette. Les enfants terribles da Casa 7. Arte em São Paulo, São Paulo, n. 30, maio 1985.

LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. Produção Raul Luis Mendes Silva, Eduardo Mace. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.

MAMMÌ, Lorenzo. Noites brancas. Curitiba: Casa da imagem, 1999. 

MARTÍ, Silas. “Nuno Ramos equaliza o sublime e o groteco”. Folha de São Paulo, Ilustrada, E7, São Paulo, 15/9/2010. 

MODERNIDADE: arte brasileira do século XX. Curadoria Aracy Amaral, Frederico Morais, Roberto Pontual, Marie-Odile Briot; prefácio Celso Furtado; apresentação Pierre Dossa; texto crítico Aracy Amaral, Roberto Pontual. São Paulo: MAM; Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. 352 p., il., p&b., color.

NAVES, Rodrigo. “Nuno Ramos esculpe com o verbo”. O Estado de S. Paulo, Cultura, D7, São Paulo, 19/3/2006. 

___________. “Nuno Ramos: uma materialismo invulgar”, in: O Vento e o Moinho: ensaios sobre arte moderna e contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 

_________. “Nuno Ramos: uma espécie de origem”, in: O Vento e o Moinho: ensaios sobre arte moderna e contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 

________ & TASSINARI, Alberto. Nuno Ramos. Rio de Janeiro: Centro de Arte Hélio Oiticica, 1999.

PINTO, Manuel da Costa. “Nuno Ramos”, in: Literatura brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2005.

POR que Duchamp? Leituras duchampianas por artistas e críticos brasileiros. Apresentação Ricardo Ribenboim, Marcos Mendonça; texto Vitória Daniela Bousso, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Agnaldo Farias, Maria Izabel Branco Ribeiro, Paulo Herkenhoff, Celso Favaretto, Stella Teixeira de Barros, Lisette Lagnado, Angélica de Moraes; tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Itaú Cultural : Paço das Artes, 1999. 194 p., il. p&b. color.

RAMOS, Nuno. Afinidades e diversidades. Curadoria Vanda Mangia Klabin; texto Vanda Mangia Klabin. São Paulo: [s.n.], 2004. [8] p., il. color.

__________. “Bandeira branca, amor”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17/10/2010.

__________. Cujo. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993. 83 p.

__________. Ensaio geral. São Paulo: Globo, 2007.

__________. Morte das casas. Texto Vilma Arêas, Paulo Venancio Filho; projeto gráfico Rodrigo Andrade, Marcos Brias; versão em inglês Paulo Andrade Lemos. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil, 2004. 152 p., il. color.

__________. Nuno Ramos. Apresentação Helena Severo, Vanda Mangia Klabin, Tadeu Chiarelli; texto Alberto Tassinari, Rodrigo Naves; fotografia Eduardo Giannini Ortega, Vicente de Mello, Pedro Franciosi, Bruce M. White, Romulo Fialdini, Sérgio Zalis, Nuno Ramos, Cesar Medeiros, Fulvio Ozsenigo; projeto gráfico Rodrigo Andrade; tradução Paulo Henriques Britto, Jonathan Morris, Regina de Barros Carvalho; curadoria Alberto Tassinari, Rodrigo Naves. Rio de Janeiro: Centro de Arte Hélio Oiticica, 1999. 96 p., 65 il. color.

__________. Nuno Ramos. Fotografia Romulo Fialdini; texto Alberto Tassinari; arte Jaime Prades. São Paulo: MAC/USP, 1988. [12] p., il. color.

__________. Ó. São Paulo: Iluminuras, 2008.

__________. O mau vidraceiro. São Paulo: Globo, 2010.

__________. O pão do corvo. São Paulo: Editora 34, 2001. 

__________. Para Goeldi. São Paulo: AS Studio, 1996.

__________. Por que sou artista?. Arte em São Paulo, São Paulo, n. 29, mar. 1985.

TASSINARI, Alberto; MAMMÌ, Lorenzo; NAVES, Rodrigo. Nuno Ramos. Fotografia Eduardo Giannini Ortega; projeto gráfico Fábio Miguez, Marcia Pastore. São Paulo: Ática, 1997. 236 p., il. color.

TRIDIMENSIONALIDADE: arte brasileira do século XX. Texto Annateresa Fabris, Fernando Cocchiarale, Celso Favaretto, Tadeu Chiarelli, Frederico Morais; apresentação Ricardo Ribenboim; colaboração Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli; fotografia da capa Romulo Fialdini. 2. ed. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 1999. 264 p., il. color.