Artigo da seção pessoas Silvio Ferraz

Silvio Ferraz

Artigo da seção pessoas
Artes visuais / música  
Data de nascimento deSilvio Ferraz: 1959

Biografia
Silvio Ferraz Mello Filho (São Paulo, São Paulo, 1959). Compositor. Graduado em Música pela Universidade de São Paulo (USP), em 1982. Estuda composição com os principais representantes do movimento música nova, como Willy Corrêa de Oliveira (1938), Oliver Toni (1926) e Gilberto Mendes (1922-2016). Obtém o título de mestre em artes, também pela USP, em 1991. Participa dos seminários de composição na Fundação Royaumont Abbey e no Institut de Recherche et Coordination Acoustique/Musique (Ircam), ambos em Paris.

Dedica-se à música, com composições de jogo instrumentais e da música nova, tendo peças compostas para grupos como Novo Horizonte e Duo Diálogos (Brasil), The Nash Ensemble e The Smith Quartet (Inglaterra), Ensemble Contrechamps (Suíça), The Ictus Ensemble, Het Spectra Ensemble (Bélgica) e Nord Ensemble (Dinamarca). Algumas de suas composições foram gravadas em CDs pelo Grupo Novo Horizonte, Duo Contexto e The Smith Quartet, e pela Rádio Cultura de São Paulo.

Desde 1985, participa de festivais brasileiros de música contemporânea, com destaque para o Festival Música Nova e a Bienal de Música Brasileira Contemporânea, com participações no Festival d’Automne à Paris, 1994, e no festival Sonidos de las Americas, Carnegie Hall, Nova York, em 1996.

Torna-se doutor em comunicação e semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), em 1996, e pós-doutor em composição musical pela mesma instituição em 2000. Em 2003, como bolsista da Fundação Vitae, desenvolve pesquisas no campo da composição musical contemporânea e no estudo teórico de reescrita musical e criação musical associada à reescrita. Obtém o título de livre-docente pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 2008.

Entre 2002 e 2013, atua como professor associado do departamento de música do Instituto de Artes da Unicamp. No biênio 2009/2010 é diretor pedagógico da Escola de Música do Estado de São Paulo e diretor do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Entre 2009 e 2010, é professor voluntário do programa de pós-graduação em música da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. Em 2014, inicia suas atividades como professor do curso de composição do departamento de música da Universidade de São Paulo.

Coordena, em 2013, o Centro de Linguagem Musical (PUC/SP), o instituto virtual Musica Articulata Scientia (MusArtS) com inter-relação de projetos de criação musical, ciência e tecnologia. Desde 2006, coordena o Núcleo de Integração e Difusão Cultural (Nidic-Unicamp), e o programa de pós-graduação em música da Unicamp (2013/2014).

Análise da trajetória
Silvio Ferraz aproxima-se da música eletroacústica em meados da década de 1990, no Laboratório de Linguagens Sonoras (LLS), do programa de pós-graduação em comunicação e semiótica da PUC/SP. O LLS torna-se um espaço de experimentação e troca de ideias em São Paulo, tendo como objetivo a pesquisa referencial para músicos e compositores que exploram e pesquisam a música em suporte tecnológico.

Ferraz tem ampla produção, teórica e composicional, que se reflete na formação de graduandos, mestres e doutores, além de supervisão de pós-doutorados.

Como compositor, responde por uma obra densa, com peças para voz, conjunto instrumental, tape, piano, oboé, flauta, violoncelo, entre outros. Grava em vários CDs, como o PianistiComtemporâneo e Magnificat, com o coral Cultura Inglesa, ambos de 2014, Espelho d’Água (2012), Imaginário (2011), Harmoniemusik (2009), Novos Universos Sonoros (2009), entre outros, e também em CD solo, como Trópico das Repetições (2008), de música de câmara.

Dedica-se a improvisação e processamento em tempo real, utilizando-se do ambiente de programação MAX/MSP. Entre os destaques de sua produção constam Apaeav (1995), composição musical para tape solo, Poema para Zé Damas (2009), para percussão e eletrônica em tempo real e Litania (2011), com Arditti String Quartet .

Suas composições são associadas a linhas interrompidas, pela complexidade composicional. “Interrompidas e reconstruídas para se transformar em outro desenho”. Pádua Fernandes (1971) e Paulo Zuben (1969) destacam as interrupções na melodia de Cortázar (quarto com caixa vazia), e no solo de violoncelo Lamento quase mudo, além de em Les Silences d’un Étrange Jardin. A interrupção pode ser considerada um princípio construtivo em Silvio Ferraz, concluem. Suas composições também são marcadas pela escrita instrumental e pelo desenvolvimento de técnicas de reescrita musical.

No campo da pesquisa, Silvio Ferraz publica os livros: Música e Repetição: Aspectos da Diferença na Música Contemporânea (1998), baseado em sua tese de doutoramento; Livro das Sonoridades: Notas Dispersas sobre Composição (2005) e Conversa sobre Composição (2014). É um dos organizadores da coletânea Notas.atos.gestos (2007) e tem dezenas de artigos publicados como capítulos de livros em periódicos e anais de eventos.

Participa dos principais festivais brasileiros de música contemporânea, como a Bienal de Música Brasileira Contemporânea, e de eventos acadêmicos e científicos, como o Colóquio Franco-Brasileiro de Análise e Criação Musical com Suporte Tecnológico (Tempo Musical, 2014) e o Encontro Internacional de Teoria e Análise Musical – Música do Século XX: da suspensão do tempo ao tempo fora dos eixos (2013).

O trabalho de Silvio Ferraz como compositor e pesquisador gera uma produção marcadamente autoral na música eletroacústica brasileira. 

Outras informações de Silvio Ferraz:

  • Outros nomes
    • Silvio Ferraz Mello Filho
  • Habilidades
    • compositor

Exposições (3)

Fontes de pesquisa (9)

  • FERRAZ, Silvio ; RAMOS, T. Conversa sobre composição. 1. ed. Santos: Clube de Autores, 2014. v. 1. 
  • FERRAZ, Silvio. Livro das sonoridades: notas dispersas sobre composição. Rio de Janeiro: Editora 7 Letras, 2005.
  • FERRAZ, Silvio. Música e Repetição: aspectos da diferença na música do séc. XX. S.Paulo: EDUC/Fapesp, 1998.
  • FERRAZ, Silvio. Tatuagens. In: FERRAZ, S.(Org.) Notas.atos.gestos. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007. p. 116.
  • FERRAZ, Silvio. [Currículo] Plataforma Lattes. Disponível em: < http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4768016E7 >. Acesso em: 12 jul. 2016.
  • SILVIO Ferraz Mello Filho. Currículo do sistema Lattes, CNPq. Disponível em: < http://lattes.cnpq.br/1628781810782139 >. Acesso em: 30 ago. 2014.
  • SILVIO Ferraz Mello Filho. In: Biblioteca Virtual Fapesp. Disponível em: < http://www.bv.fapesp.br/pt/pesquisador/252/silvio-ferraz-mello-filho/ >. Acesso em: 15 ago. 2014.
  • SILVIO Ferraz Mello Filho. In: Instituto de Artes – Unicamp. Disponível em: < http://www.iar.unicamp.br/docentes/silvio_ferraz/ >. Acesso em: 20 ago. 2014.
  • SILVIO Ferraz. In: Sussuro: música contemporânea. Universidade Ferederal do rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: < http://sussurro.musica.ufrj.br/fghij/f/ferrazsilvio/ >. Acesso em 02.set.2014.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • SILVIO Ferraz. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa245070/silvio-ferraz>. Acesso em: 27 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7