Artigo da seção pessoas Regina Graz

Regina Graz

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deRegina Graz: 1897 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / Itapetininga) | Data de morte 1973 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Retrato de Regina Gomide Graz , s.d. , Antonio Gomide
Rgistro Fotográfico Sérgio Guerini

Biografia

Regina Gomide Graz (Itapetininga, São Paulo, 1897 - São Paulo, São Paulo, 1973). Pintora, decoradora. Entre 1913 e 1920 estuda na Escola de Belas Artes e de Artes Decorativas de Genebra, Suíça, ao lado de seu irmão Antonio Gomide (1895 - 1967) e de John Graz (1891 - 1980), com quem se casa em 1920. Nesse ano volta ao Brasil. Em 1923, no Rio de Janeiro, realiza pesquisa sobre tecelagem indígena do Alto Amazonas, sendo, ao lado de Vicente do Rego Monteiro (1899 - 1970), pioneira no interesse pela tradição indígena brasileira. Dedica-se à tapeçaria e confecciona paneaux, colchas, almofadas, tecidos e abajures em estilo cubista e art deco. Em 1930, participa com seu marido da decoração da Casa Modernista, projetada por Gregori Warchavchik (1896 - 1972) em São Paulo. De 1932 a 1934 faz parte da Sociedade Pró-Arte Moderna (Spam) e entre 1934 e 1940 participa do Grupo 7 com Victor Brecheret (1894 - 1955), Elisabeth Nobiling (1902 - 1975), Yolanda Mohalyi (1909 - 1978), Rino Levi (1901 - 1965), John Graz e Antonio Gomide. Cria em 1941 a Indústria de Tapetes Regina Ltda.

Análise

Regina Graz volta ao Brasil em 1920, após estudar em Genebra, e passa a desenvolver, com Antonio Gomide e John Graz, pinturas e objetos decorativos ligados ao estilo art deco.

De sua produção da década de 1920, poucas obras foram preservadas. Regina Graz dedica-se principalmente à decoração de interiores, trabalhando com tapeçarias em veludo, panneaux e almofadas, criando motivos que se aproximam da abstração geométrica, derivada das experiências cubistas. Na tapeçaria Diana Caçadora, déc.1920, as figuras de cunho linear enfatizam a leveza da forma; a paisagem de fundo é apenas indicada e tende à abstração. Já em Coqueiros, ca.1930, predominam a geometrização e a simplificação formal.

A artista dedica-se ao estudo da arte têxtil indígena, no Museu do Índio, no Rio de Janeiro. Passa a confeccionar tapetes, tapeçarias, cúpulas de abajur, almofadas e colchas, utilizando-se de padrões desenhados por ela mesma ou por John Graz.

Outras informações de Regina Graz:

Obras de Regina Graz: (3) obras disponíveis:

Título da obra: Panneau

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoPanneau : déc. de 1920
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

Título da obra: Tapete

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoTapete : déc. de 1930
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

Representação (1)

Exposições (24)

Artigo sobre Tempo dos Modernistas

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioTempo dos Modernistas: 08-1974  |  Data de término | 09-1974
Resumo do artigo Tempo dos Modernistas:

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (16)

  • AMARAL, Aracy. Artes plásticas na Semana de 22: subsídios para uma história da renovação das artes no Brasil. 4. ed. São Paulo, SP: Perspectiva, 1979. 335 p. (Debates, 27). 709.8104 A485a 4.ed.
  • DA antropofagia a Brasília: Brasil 1920- 1950. São Paulo: FAAP : Cosac & Naif, 2002. 637 p., il. color.  709.8104 D111 2002
  • A FAMÍLIA Graz-Gomide: o art-deco no Brasil. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1976. SPmls 1976/g
  • AMARAL, Aracy A. (Org.). Arte construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: DBA, 1998. 364 p.  709.04057 A786
  • ANDRADE, Geraldo Edson de. Aspectos da tapeçaria brasileira. Rio de Janeiro: Funarte, 1978. 154 p., il. color. 746.7981 A553a
  • ARTE construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner. Tradução Izabel Murat Burbridge, Terêncio E. Hill. Rio de Janeiro: MAM, 1999. 85 p.
  • BARDI, Pietro Maria. O modernismo no Brasil. São Paulo: Banco Sudameris, 1978. (Arte e Cultura, 1). 709.8104 B246m 1978
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994. 700 BI588sp Sec.XX
  • CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1974. v.2: D a L. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.2 pt. 1
  • DUTZMANN, Maria Olimpia Mendes (Coord.). Acervo artístico- cultural do Palácio do Governo do Estado de São Paulo. São Paulo, 1989. 152p. il. color, p.b SPpg 1989/a
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. R703.0981 P818d
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Regina Gomide Graz: modernismo, arte têxtil e relações de gênero no Brasil. Revista do IEB, São Paulo, nº 45, p.87-106, set. 2007.
  • SPAM e CAM. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1975. (Ciclo de Exposições de Pintura Brasileira Contemporânea).  SPmLs 1975
  • ZANINI, Walter (Coord.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. v.2. 709.81 H673 v.2

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • REGINA Graz. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa24287/regina-graz>. Acesso em: 17 de Nov. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7