Artigo da seção pessoas Tamaki

Tamaki

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deTamaki: 14-03-1916 Local de nascimento: (Japão / Honshu / Fukui) | Data de morte 04-01-1979 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Sem Título , s.d. , Tamaki
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia

Yuji Tamaki (Fukui, Japão, 1916 - São Paulo, Brasil, 1979). Pintor e professor. Em 1932, imigra para o Brasil, transferindo-se para o interior de São Paulo. Cerca de dois anos depois, muda-se para a capital, onde conhece os pintores Shigeto Tanaka (1910-1970), Yoshiya Takaoka (1909-1978) e Tomoo Handa (1906-1996). Na mesma época, viaja ao Rio de Janeiro para estudar pintura e é orientado por Bruno Lechowski (1887-1941), integrando o Núcleo Bernardelli, composto pelos artistas Yoshiya Takaoka, José Pancetti (1902-1958), Ado Malagoli (1906-1994) e outros. 

Em 1935, de volta a São Paulo, é um dos fundadores do Grupo Seibi e participa do 3º Salão Paulista de Belas Artes. Em 1937 e 1938, é premiado no Salão Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro. Em 1948, integra o Grupo 15, com quem expõe na sede paulista do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) no ano seguinte. Com o Grupo Guanabara expõe em 1950, 1958 e 1959. Obtém prêmios no Salão Seibi, em 1963 e 1964, e expõe nas edições de 1964 e 1966. Ainda em 1966, participa da mostra Artistas Nipo-Brasileiros, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP). Realiza exposições individuais na galeria Cosme Velho, em 1969 e 1970. Sete anos mais tarde, toma parte na exposição Grupo Santa Helena: Década 35 a 45, no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Alvares Penteado (MAB/Faap). Em 1980, é realizada uma retrospectiva de sua obra na galeria Place des Arts, no Rio de Janeiro.

Análise

Tamaki transfere-se para o Rio de Janeiro, na década de 1930, com a intenção de obter mais conhecimento em pintura. Bruno Lechowski torna-se seu orientador dentro do Núcleo Bernardelli, formado de pintores não acadêmicos. Esse grupo, cujos membros prezam o aprimoramento técnico dos artistas, reivindica democratização do aprendizado artístico. Uma das principais atividades do grupo são a sessões de modelo vivo, em interiores e ao ar livre, para praticar o desenho. 

A produção de Tamaki não ambiciona o radicalismo experimental e sua referência mais significativa é o pintor francês Paul Cézanne (1839-1906). Como os demais colegas, Tamaki trabalha com os gêneros tradicionais, principalmente paisagens e retratos. Nas peças de temas urbanos e campestres, o artista dialoga com o pós-impressionismo e vale-se da estruturação geométrica do espaço pictórico - como em Paisagem da Aclimação (ca.1938). Nessa tela, é marcante a gestualidade do pintor, enquanto outros trabalhos apresentam maior geometrização dos sólidos.

Quando retorna a São Paulo, em 1935, Tamaki funda o grupo Seibi com outros artistas japoneses radicados na cidade. Alguns anos depois, integra o grupo Guanabara. O pós-impressionismo mantém-se no horizonte dessa fase, da qual faz parte Circo (1950), com tons mais rebaixados e pinceladas delicadas.

Outras informações de Tamaki:

  • Outros nomes
    • Yuji Tamaki
    • Y. Tamaki
  • Habilidades
    • Pintor
    • professor

Obras de Tamaki: (5) obras disponíveis:

Título da obra: Sem Título

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoSem Título : s.d.
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Título da obra: Auto-retrato

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoAuto-retrato : 1949
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Título da obra: Circo

Artigo da seção obras
Temas da obra: Artes visuais  
Data de criaçãoCirco : 1950
Autores da obra:
Imagem representativa da obra
Legenda da imagem representativa:

Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Exposições (42)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (10)

  • MORAIS, Frederico. Núcleo Bernardelli: arte brasileira nos anos 30 e 40. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. 136 p., il. p&b color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 2v.
  • CAVALCANTI, Carlos; AYALA, Walmir (Orgs.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Apresentação de Maria Alice Barroso. Brasília: MEC: INL, 1973-1980.
  • HERANÇA do Japão: aspectos das artes visuais nipo-brasileiras. Apresentação de Ioshifumi Utiyama e Walter Dominguez. Texto de Jayme Maurício. São Paulo, Museu de Arte Brasileira, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • OS GRUPOS: a década de 40. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1977. (Ciclo de Exposições de Pintura Brasileira Contemporânea).
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • VIDA e arte dos japoneses no Brasil: 80 anos de imigração japonesa no Brasil. trad. Tradução de Antonio Nojiki. Apresentação de Fujio Tachibana e Pietro Maria Bardi. Textos de Tomoo Handa, Cecília França Lourenço e Teiiti Suzuki. São Paulo: MASP: Banco América do Sul, 1988.
  • ZANINI, Walter (Coord.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. v.2.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • TAMAKI . In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa24117/tamaki>. Acesso em: 17 de Jun. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7