Artigo da seção pessoas Maria Vasco

Maria Vasco

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deMaria Vasco: 19-02-1879 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 21-11-1965 Local de morte: (Suíça / Lausanne)

Biografia

Maria da Cunha Vasco. (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1879 – Lausanne, Suíça, 1965). Pintora. É aluna do pintor alemão Benno Treidler (1857-1931), no Rio de Janeiro. Entre 1898 e 1908, participa de todas as edições da Exposição Geral de Belas Artes (Egba), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio, sendo premiada em 1898, 1904 e 1905. Sua obra é citada pelo crítico Gonzaga Duque (1863-1911), em Contemporâneos: Pintores e Esculptores (1929), e por Laudelino Freire (1873-1937) em Um Século de Pintura (1916). Em 2004, integra, postumamente, a mostra Mulheres Pintoras, na Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Análise

A pintora Maria Vasco aparece na literatura crítica geralmente associada à irmã, Ana Vasco (1881-1938), também paisagista. Ambas estudam no Rio de Janeiro com o pintor alemão Benno Treidler, com quem têm aulas de pintura ao ar livre e aquarela.

O crítico Gonzaga Duque salienta o talento das irmãs e aponta a influência de Treidler na qualidade de suas produções. Menciona, ainda, a presença de ambas nas Exposições Gerais de Belas Artes de 1904, quando são premiadas, e de 1906.

As paisagens produzidas por Maria e aquelas pintadas por Anna, com frequência fixam bairros e pontos pitorescos da cidade do Rio de Janeiro: Copacabana, Ipanema, Praia do Leme, Lagoa Rodrigo de Freitas, entre outros. Petrópolis, no interior do estado, é outro tema constante.

Na aquarela Cantinho do Leme, 1898, Maria trabalha com manchas e pinceladas impressionistas, rápidas, curtas e justapostas, aliadas a uma paleta na qual predominam rosas, lilases e amarelos. Chama a atenção o detalhe da personagem feminina que pinta uma tela sobre o colo. Protegida do sol por uma sombrinha, a figura à esquerda da composição remete à atividade artística exercida por ela e suas irmãs, e a seu conhecimento da técnica de pintar ao ar livre, associada ao impressionismo. A mata, ao redor da personagem, é banhada por luz e o Pão de Açúcar aparece, imponente, ao fundo. A marinha de 1901, intitulada Paisagem, tem fatura e paleta semelhantes às da tela já citada, confirmando o tratamento plástico característico das aquarelas da artista.

Outras informações de Maria Vasco:

  • Outros nomes
    • Maria da Cunha Vasco
  • Habilidades
    • Pintora
  • Relações de Maria Vasco com outros artigos da enciclopédia:

Exposições (12)

Eventos relacionados (1)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (4)

  • AYALA, Walmir (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1980. v.4: Q a Z. (Dicionários especializados, 5).
  • BERGER, Paulo, org. Pinturas e pintores do Rio antigo. Apresentação de Sérgio Sahione Fadel. Textos de Paulo Berger, Herculano Gomes Mathias e Donato Mello Júnior. Rio de Janeiro: Kosmos, 1990.
  • DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Tipografia Benedicto de Souza, 1929.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MARIA Vasco. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa23992/maria-vasco>. Acesso em: 19 de Jun. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7