Artigo da seção pessoas Jules Martin

Jules Martin

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deJules Martin: 1832 Local de nascimento: (França / Provença-Alpes-Cote d'Azur / Marselha) | Data de morte 1906 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Biografia
Jules-Victor-André Martin (Montiers, França, 1832 - São Paulo, SP, 1906). Pintor, professor, arquiteto, litógrafo e empresário. Em 1844, ingressa na Escola de Belas Artes de Marselha. Em 1852, vai a Paris, e trabalha por três anos no ateliê de George Schlater1. Chega a São Paulo em 1868, a convite do seu irmão, Pierre, sócio do livreiro André Luis Garraux. Em Sorocaba, trabalha na empresa de algodão do irmão. Em 1869, muda-se para a capital, expondo algumas pinturas no Estúdio de Carneiro & Gaspar e nas Casas Garraux.

Em 1870, abre um curso de desenho e em 1871 monta um das primeiras casas litográficas de São Paulo. Em 1875, sua oficina recebe de d. Pedro II (1825-1891) o título de "imperial litografia". Em 1877, produz o primeiro Mapa da Província de São Paulo. Apresenta projeto para a construção de um viaduto sobre o Vale do Anhangabaú. Transfere sua oficina para seu filho, Jules Martin Filho. Em 1880, dedicando-se cada vez mais a trabalhos urbanísticos e arquitetônicos, ganha a concessão para construção do viaduto, o que gera uma série de discussões nos jornais locais. Não consegue construi-lo com recursos próprios, passando a execução à outra empresa.

Esboça, em 1888, o desenho para a futura estátua de José Bonifácio (moço). Em 1892, pautado em seu projeto original, é inaugurado o Viaduto do Chá. Em 1890, realiza outra planta da capital do estado de São Paulo e seus arrabaldes. Projeta uma Galeria de Cristal (voltada para o comércio no centro da cidade), concluída em 1900. Nesse ano, organiza a Revista Industrial do Estado de São Paulo para ser enviada à Exposição Universal de Paris. Em 1905, ao lado de Nereu Rangel Pestana e Henrique Vanorden, edita o álbum São Paulo Antigo, São Paulo Moderno: 1554-1904, que inclui fotografias de Guilherme Gaensly (1843-1928).

Comentário crítico
Embora possuísse formação artística, Jules Martin não se consolida como pintor, mas como versátil empresário. Sua trajetória profissional, desde a sua chegada a São Paulo, é marcada por ambiciosos projetos editoriais e urbanísticos.

Quanto aos primeiros, Martin destaca-se pela impressão dos primeiros mapas detalhados de São Paulo - em grande formatos ou de bolso - e de cidades vizinhas em expansão econômica, como Santos. Sua oficina é ainda responsável pela produção de inúmeras peças gráficas que circulam no estado, como São Paulo Antigo, São Paulo Moderno, voltadas à promoção do crescimento urbano e econômico vivido pela cidade desde o fim do século XIX.

Quanto aos projetos urbanísticos, o nome de Martin aparece na idealização de um boulevard que, após sua conclusão na década de 1890, torna-se o primeiro viaduto de São Paulo: o Viaduto do Chá. O projeto original (em estrutura metálica, desmontado em 1938 para dar lugar a um novo viaduto, ainda existente) tem o intuito de facilitar a travessia, à época difícil, do Vale do Anhangabaú, importante local de ligação do comércio, entre o centro velho (Praça da Sé) e o centro novo (Praça da República).

Os constantes projetos de sua autoria, mesmo com execução feita por outros, colocam Martin como uma das personalidades mais conhecidas e comentadas em periódicos paulistanos entre os anos 1870 e 1900. Muitas vezes, não por acaso, o Viaduto do Chá é chamado de Viaduto Jules Martin.

Nota
1 Não se sabe se se trata do pintor Friedrich Georg Fridrikovitch Schlater (vulgo Chliater) ou de seu filho, Alexander Georg Fédorovitch Schalter, também pintor.

Outras informações de Jules Martin:

  • Outros nomes
    • Jules-Victor-André Martin
    • Jules Vitor André Martin
  • Habilidades
    • litógrafo
    • Empresário
    • professor de artes plásticas
    • pintor
    • arquiteto

Exposições (1)

Fontes de pesquisa (21)

  • BARBUY, Heloísa. A cidade-posição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860-1914. São Paulo: Edusp, 2006.
  • CAMARGO, Odécio Bueno de. Jules Martin: artista, patriota, empreendedor, 1832-1906. São Paulo: Edicon, 1996.
  • CATÁLOGO DA PINACOTECA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. São Paulo: Banco Safra, 2005.
  • CORREIO PAULISTANO. Necrologia: Jules Martin. Correio Paulistano, 10 set. 1906.
  • DIÁRIO DE SÃO PAULO. São Paulo, 1869-1906.
  • FABRIS, Annateresa; LIMA, Solange Ferraz de. Fotografia: usos e funções. São Paulo: Edusp, 1991.
  • KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.
  • LAPA, José Roberto do Amaral. A cidade: os cantos e os antros: Campinas, 1850-1900. São Paulo: Edusp, 1996.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p.
  • MARTIN, Jules-Victor André. Revista industrial: Brasil, estado de São Paulo em Paris: Exposição de 1900. São Paulo, 1900. Acervo IEB/USP.
  • MEBIUS, Dagoberto. Professor Francisco de Paula Xavier de Toledo e o colégio do Lageado do Campo Largo de Sorocaba. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe3/Documentos/Individ/Eixo1/277.pdf.
  • MOURA, Paulo Cursino de. São Paulo de outrora: evocações da metrópole. Belo Horizonte: Itatiaia: São Paulo: Edusp, 1980.
  • O MUSEU Paulista da Universidade de São Paulo. Prefácio Orlando Marques de Paiva; edição Orlando Marques de Paiva; comentário Sílvia Maranca; fotografia Romulo Fialdini. São Paulo: Banco Safra, 1984. 319 p., il. color. (Banco Safra).
  • OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira de. O registro dos limites da cidade: imagens da várzea do Carmo no século XIX. Anais do Museu Paulista. São Paulo, v. 6-7. p. 37-59 (1998-1999). Editado em 2003.
  • REIS FILHO, Nestor Goulart. Imagens das cidades: onde estão as litografias de Jules Martin. Jornal da Tarde. Caderno de Sábado, São Paulo, p. 6, 25 ago. 1990.
  • STICKEL, Erico João Siriuba. Uma pequena biblioteca particular: subsídios para o estudo da iconografia no Brasil. São Paulo: Edusp, 2004.
  • TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: Edusp : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2002. 391 p.
  • TEIXEIRA, Dante Martins; PAPAVERO, Nelson; MONNÉ, Miguel Angel. Insetos em presépios e as 'formigas vestidas' de Jules Martin (1832-1906): uma curiosa manufatura paulistana do final do século XIX. Anais do Museu Paulista, vol. 16, n. 2, jul.-dez. 2008, p. 105-127.
  • TIRAPELI, Percival; SILVA, Manoel Nunes da. São Paulo artes e etnias. São Paulo: Unesp, 2007.
  • TOLEDO, Benedito Lima de. Álbum iconográfico da Avenida Paulista. Apresentação João Augusto Fortes. 2. ed. São Paulo: Ex Libris, 1987. 175 p., il. p&b.
  • VEJA SÃO PAULO. Como se fez o Viaduto do Chá. IV Centenário de São Paulo, especial Memória. Jan. 2004.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JULES Martin. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa23765/jules-martin>. Acesso em: 26 de Jun. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7