Artigo da seção pessoas Lopes de Leão

Lopes de Leão

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deLopes de Leão: 31-08-1889 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo) | Data de morte 1964 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Paisagem , s.d. , Lopes de Leão
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia

Paulo Vergueiro Lopes de Leão (São Paulo, São Paulo, 1889 - Idem, 1964). Pintor, professor e gravador. Entre 1908 e 1911, cursa ciências jurídicas e sociais na Faculdade de Direito de São Paulo. Ainda em 1911, participa da 1ª Exposição Brasileira de Belas Artes, no Liceu de Artes e Ofícios, também em São Paulo. Em 1913, viaja para Florença, Itália, com pensão do governo do estado de São Paulo e estuda, com o pintor Filadelfo Simi (1849-1923), na Academia de Belas Artes. Entre 1915 e 1918, na mesma cidade, aprofunda os conhecimentos de gravura com Mazzoni Zarini (1869-1949), na Scuola d´Incisione all´Acquaforte. Tendo conseguido a prorrogação da bolsa de estudos, transfere-se para Paris, onde permanece de 1920 a 1921, dedicando-se à pintura sob orientação de Louis-François Biloul (1874-1947). Neste último ano, integra o Salão dos Artistas Franceses. 

Em 1924, é um dos fundadores da Sociedade Paulista de Belas Artes. Dez anos depois, organiza e integra o 1º Salão Paulista de Belas Artes e atua nas comissões de seleção e premiação. Participa de várias edições do evento até 1954, sendo laureado em 1935 e 1952 e recebendo prêmio póstumo em 1964. Em 1936, torna-se diretor da Escola de Belas Artes de São Paulo, onde é professor e presidente do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo. Entre 1932 e 1944, dirige a Pinacoteca do Estado de São Paulo, que se vincula, por alguns anos, à Escola de Belas Artes.

Análise

Lopes de Leão inicia a carreira de pintor no começo do século XX, obtendo, em pouco tempo, o pensionato artístico oferecido pelo estado de São Paulo, com o qual viaja para Florença e Paris. Essa trajetória é comum entre os pintores brasileiros que, durante a viagem, entram em contato com estéticas que transformam o panorama artístico europeu na segunda metade do século XIX, como a Escola de Barbizon e o Impressionismo.

No caso da pintura de Leão, nota-se a apropriação de recursos pictóricos impressionistas, como em Paisagem (s.d.), realizada na Europa. Nesta obra, trabalha com pinceladas justapostas, visando efeitos de luz sobre o solo e a água, sem contornos ou utilização do claro-escuro. Em Dia de Sol (1921) evoca uma cidade interiorana brasileira. A peça é elaborada com os mesmos recursos de Paisagem, entretanto, a presença da gestualidade evidente na primeira contrapõe-se a certa contenção da pincelada na segunda. Esta última demonstra maior comprometimento do pintor com o registro do entorno.

A absorção das inovações técnicas e de fatura pelos pintores brasileiros limita-se, em geral, aos procedimentos impressionistas, não se estendendo a práticas propostas por outras vertentes da arte moderna. Essa orientação guia a longa carreira de Leão como diretor da Pinacoteca do Estado, onde permanece por cerca de dez anos, incentivando ações voltadas à produção acadêmica.

Outras informações de Lopes de Leão:

  • Outros nomes
    • Paulo Vergueiro Lopes de Leão
  • Habilidades
    • Pintor
    • gravador
    • Advogado

Obras de Lopes de Leão: (1) obras disponíveis:

Exposições (37)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (12)

  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 2v.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Prefácio Carlos Roberto Maciel Levy. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 292 p., il. p&b. color.
  • CASILLO, Regina de Barros Correia (coord.). Pintores da paisagem paranaense. Curitiba: Solar do Rosário, 2001.
  • CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1974. v.2: D a L. (Dicionários especializados, 5).
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes Plásticas Brasil 2002. São Paulo: Júlio Louzada, 2002. v. 13. R702.9 L895a v.13
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: Edusp : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2002.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • LOPES de Leão. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa23754/lopes-de-leao>. Acesso em: 20 de Mai. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7