Artigo da seção pessoas Eugênio Latour

Eugênio Latour

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deEugênio Latour: 15-03-1874 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 02-10-1942 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Senhorinha E. C. , 1915 , Eugênio Latour
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia
Eugênio Latour (Rio de Janeiro RJ 1874 - idem 1942). Pintor, gravador e decorador. Estuda com Zeferino da Costa (1840-1915), Henrique Bernardelli (1858-1936) e Rodolfo Amoedo (1857-1941) na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro. Recebe o Prêmio Viagem ao Exterior da Enba em 1902, com a pintura de gênero Escolha Difícil, 1901. Como pensionista, estuda na França e Itália, até 1908. Retorna à Itália em 1910 para trabalhar como decorador da cúpula do pavilhão brasileiro na Exposição Internacional de Turim, em 1911. Em Florença, monta um ateliê e se radica como cidadão italiano entre ca.1911 e ca.1941. Participa de várias edições do Salão Nacional de Belas (SNBA) entre 1899 e 1908. É membro do júri do 23º Salão Nacional de Belas Artes de Porto Alegre, em 1919. Participa do 1º Salão Paulista de Belas Artes, em 1934. O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) faz uma retrospectiva de seus trabalhos em 1944, expondo seus auto-retratos. No mesmo museu, suas obras participam da exposição Um Século de Pintura Brasileira, em 1952. Explora em sua pintura temáticas de cunho social e moral, além de paisagens e figuras femininas. Realiza trabalhos no campo da gravura em metal e em madeira.

Comentário Crítico
Como aluno e discípulo de Henrique Bernardelli (1858-1936), Eugênio Latour recebe influência do contato de seu professor com o impressionismo e neo-impressionismo franceses e o divisionismo italiano, escolhendo visitar os países de origem dessas correntes quando recebe o prêmio viagem ao exterior da Escola Nacional de Belas Artes (Enba), em 1902, fato que contribui para confirmar a predileção dos artistas nacionais por esses dois destinos. Sua obra oscila entre temáticas edificantes, como as apresentadas em telas como Praga Social - O Álcool, 1905, e aquelas que atestam influências do clima art-nouveau europeu, como Nelinha, 1912. Duramente analisado pelos críticos Francisco Acquarone e A. de Queiroz Vieira no livro Primores da Pintura Brasileira, a tela demonstra a tentativa do artista de incorporar alguns procedimentos que, mesmo nos anos 1940, ainda eram recusados por alguns críticos brasileiros, como o tratamento planar do fundo da tela, que reforça seu caráter decorativo. A composição é sintética, articulada pelo cruzamento da figura feminina, uma vertical forte, com a frisa de arabescos florais. Ela parece repercutir a importância da pintura da Secessão vienense, sobretudo as obras de Gustav Klimt (1862-1918), para os artistas italianos, especialmente após a Exposição Internacional de Roma, em 1911. Observa-se também o parentesco com soluções encontradas nas artes gráficas do período, que pode ser imputada à familiaridade do artista com a gravura em metal e madeira. Pouco se conhece da produção gráfica de Latour, mas o contato com esse meio dá pistas da diversidade de linguagens e técnicas artísticas experimentadas no primeiro modernismo brasileiro, do qual, infelizmente, poucos testemunhos restam para que se possa ter um quadro mais preciso de sua dimensão e características.

Outras informações de Eugênio Latour:

  • Outros nomes
    • Eugênio Latour
    • E. Latour
    • Engênio Latour
    • Eugenio Latour
  • Habilidades
    • pintor
    • gravador
    • decorador
    • desenhista

Obras de Eugênio Latour: (10) obras disponíveis:

Exposições (38)

Todas as exposições

Eventos relacionados (1)

Fontes de pesquisa (9)

  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Prefácio Carlos Roberto Maciel Levy. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 292 p., il. p&b. color.
  • ACQUARONE, Francisco; VIEIRA, Adão de Queiroz. Primores da pintura no Brasil. 2.ed. [Rio de Janeiro]: [s.n.], 1942. [315] p., 2 v.
  • ARTE no Brasil. Prefácio Pietro Maria Bardi; introdução Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 1008 p., il. color. 2v.
  • AYALA, Walmir (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1980. v.4: Q a Z. (Dicionários especializados, 5).
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Carlos Cavalcanti et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944. 409 p.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. 388 p. (Brasilian. Série 5ª: biblioteda pedagógica brasileira, 198).

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EUGÊNIO Latour. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa23008/eugenio-latour>. Acesso em: 22 de Nov. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7