Pessoas

Belmiro de Almeida

Outros Nomes: Belmiro Barbosa de Almeida | Robimel | Belmiro Barbosa de Almeida Junior | Belmiro | Bel
  • Análise
  • Biografia
    Belmiro Barbosa de Almeida (Serro MG 1858 - Paris França 1935). Pintor, desenhista, caricaturista, escultor, professor e escritor. Freqüenta o Liceu de Artes e Ofícios e a Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, entre 1869 e 1880, no Rio de Janeiro, onde estuda com Agostinho da Motta, Zeferino da Costa e José Maria de Medeiros. Em 1878, estuda com Henrique Bernardelli e Rodolfo Amoedo no Ateliê Livre. Leciona desenho no Liceu de Artes e Ofícios, de 1879 a 1883, e na Escola Nacional de Belas Artes - Enba, de 1893 a 1896. A partir de 1884, passa a viver entre Paris e Rio de Janeiro. A primeira viagem a Paris, em 1884, resulta num redirecionamento estético em seu trabalho, conseqüência do estudo e contato com obras de artistas e intelectuais que renovaram a arte do período: Édouard Manet e Edgar Degas na pintura e Gustave Flaubert e Émile Zola na literatura. Em sua segunda estada na capital francesa, iniciada em 1888, entra em contato com Georges Seurat na Ecole Nationale Supérieure dês Beaux-Arts [Escola Nacional Superior de Belas Artes] e estuda pintura com Jules Joseph Lefebvre e B. Constant et Pelez, aproximando-se de vertentes pós-impressionistas. No Rio de Janeiro, trabalha como caricaturista em diversas revistas, como Comédia Popular, Diabo a Quatro, A Cigarra, Bruxa e O Malho. Funda os periódicos Rataplan e João Minhoca, entre 1886 e 1901. É um dos criadores do Salão dos Humoristas, em 1914, e membro do Conselho Superior de Belas Artes, de 1915 a 1925.

    Comentário crítico
    Belmiro de Almeida ingressa na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, em 1874. Entre 1884 e 1885, com recursos próprios, viaja para Paris, onde toma contato com novas tendências da pintura. É atraído pelas idéias realistas dos escritores Émile Zola e Gustave Flaubert. No campo das artes, interessa-se por Édouard Manet e Edgar Degas.

    Em 1887, expõe Arrufos, sua tela mais conhecida, que se destaca pela rigorosa fatura e pelo tom de leve ironia com o qual a cena é retratada. Em 1888, o crítico Gonzaga Duque, que segundo alguns historiadores estaria retratado nesse quadro, destaca a importância da obra, pela visão moderna do artista: "Ainda no Rio de Janeiro não se fez um quadro tão importante como é este".1 O pintor inova ao abordar um tema relacionado à vida cotidiana, com enfoque realista. Atuando na passagem do século XIX para o século XX, empreende uma pintura nova ao deixar de lado os temas da pintura histórica para se ocupar de assuntos mais prosaicos da sociedade contemporânea. O crítico também elogia a técnica de Belmiro: "As tintas são claras e simpáticas, os toques são rápidos, largos e bem lançados. Nenhuma pretensão a empastamento, nenhuma pretensão a mancha descurada, se notam neste trabalho. O toque é sempre apropriado".2 Belmiro exibe assim, provocativamente, suas qualidades de pintor.

    O historiador Reis Júnior destaca a relação difícil entre o artista, de espírito inconformado, e o meio em que vive: a ausência de respaldo às novas tendências na arte leva-o a não abandonar definitivamente os trabalhos mais conservadores, capazes de garantir-lhe a sobrevivência.

    Concorre ao prêmio de viagem ao exterior da Aiba, em 1888. Não obtém o prêmio, mas vai para a Europa nesse ano, com auxílio de colegas da Academia, principalmente de Rodolfo Bernardelli. Visita a Itália, onde pinta algumas paisagens, mas fica a maior parte do tempo em Paris. As viagens entre Rio de Janeiro e Paris foram constantes em sua carreira. Na França, vivencia um momento de transformações no campo da pintura. Realiza o quadro Efeitos de Sol, 1892, que traz a evocação de um mundo camponês, com uma paisagem estruturada em manchas de cor, que se destaca pelo caráter inovador, se comparado com a pintura que então se praticava no Brasil.

    Em Os Descobridores, 1899, evita o tratamento heróico que o tema do descobrimento do Brasil sugere: esses são dois pobres homens, exaustos, ao pé de uma árvore desfolhada. A paisagem é totalmente árida e desolada, transmitindo a sensação de abandono, que é reforçada pelo tratamento cromático: uma luminosidade que se espalha uniformemente pela superfície. Belmiro recusa a monumentalidade à obra, porém lhe confere uma concepção e um tratamento plástico muito originais. Em A Tagarela, 1893, representa uma personagem popular, que interrompe uma atividade doméstica. Destaca-se nesse quadro o domínio no uso da linha, que estrutura a composição, aliado ao cuidadoso trabalho com a cor, como ocorre também em Dame à la Rose, 1905. Em obras como Retrato de Abigail Seabra, 1900 ou Paisagem em Dampierre, 1919, o artista inspira-se na técnica pontilhista, as pinceladas curtas valorizam os tons, mas obedecem à orientação dos planos. Já Mulher em Círculos, 1921, dialoga com a estética do futurismo.

    Belmiro de Almeida revela, ao longo de sua carreira grande ecletismo: experimenta constantemente novas técnicas, às quais alia a interpretação pessoal e a maestria na fatura das obras. Paralelamente à carreira de pintor, tem uma importante atividade como caricaturista, à qual deve boa parte de seu prestígio, trabalhando em importantes jornais e revistas da época: O Malho, Diabo a Quatro e A Cigarra, entre outros, e fundando O Rataplan (1886) e João Minhoca (1901). Manifesta na caricatura o interesse por assuntos sociais, representa os contratempos do cotidiano, no trabalho e no lazer, em charges cáusticas. Artista de espírito polêmico e inconformado, sua obra tem caráter inovador no panorama das artes brasileiras.

    Notas

    1 DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira. Introdução Tadeu Chiarelli. Campinas: Mercado de Letras, 1995, p. 212.

    2 Idem, p. 213.

Obras(43)

  1. Dois Meninos Jogando Bilboquê  
  2. Conversa Fiada  
  3. Pátio  
  4. Auto-Retrato aos 25 Anos de Idade  
  5. Estudo de Figura  
  6. Arrufos  
  7. Caricatura de Castagneto aos 36 anos de idade  
  8. Rua da Itália  
  9. Ruínas (Itália)  
  10. Trecho de Aldeia (Itália)  
  11. Jardim com Flores  
  12. Retrato de Palmyra de Almeida  
  13. Efeitos de Sol (Itália)  
  14. Vaso com Flores  
  15. A Tagarela  
  16. Bom Tempo  
  17. Menino com Bandolim  
  18. Vendedora de Fósforos (Itália)  
  19. A Portuguesa  
  20. Retrato de Maria Lartigau Seabra  
  21. Velho Artista  
  22. Retrato de Mulher com Chapéu de Flores (Paris)  
  23. Retrato de Antônio Ribeiro Seabra  
  24. Os Descobridores  
  25. Retrato de Abigail Seabra aos 12 Anos de Idade  
  26. Paisagem Urbana em Avelano de Caminho (Portugal)  
  27. Paisagem urbana em Avelano de Caminho (Portugal)  
  28. Retrato de Antonio Lartigau Seabra (Neuchâtel, [...]
  29. Namoro do Guarda  
  30. Adolescente  
  31. Dame à La Rose [Dama com a Rosa] 
  32. Retrato de Francisco Pereira Passos  
  33. Paisagem em Dampierre  
  34. Retrato de Marie Lefebvre Ferrez (esposa do [...]
  35. Paisagem em Dampierre  
  36. Le Chemin de La Ferme  
  37. Pont Sur Le Quillon Fourchiroles (Dampierre, [...]
  38. Mulher em Círculos  
  39. Paisagem em Fourchiroles  
  40. Roseira do Velho Quintal (Dampierre, França)  
  41. Nu Feminino (Manuela)  
  42. Moulin Godard  
  43. Retrato de Hortence Aubert  

Exposições

Evento

Fontes de Pesquisa

BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, SÃO PAULO, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.

AYALA, Walmir, SEFFRIN, André (org.). Dicionário de pintores brasileiros. 2.ed. rev. Curitiba: UFPR, 1997. p.19

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.

RIBEIRO, Marília Andrés (org.), SILVA, Fernando Pedro da (org.). Um Século de história das artes plásticas em Belo Horizonte. Belo Horizonte: C/Arte, 1997.

REIS JÚNIOR. Belmiro de Almeida 1858-1935. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1984. (Série prata, 10).

ARTE brasileira dos séculos XIX e XX nas coleções cearenses: pinturas e desenhos. Curadoria Max Perlingeiro; apresentação Max Perlingeiro. Fortaleza: Fundação Edson Queiroz. Espaço Cultural da UNIFOR, 1989. 132 p., il. p.b.

BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil . São Paulo: São Paulo Editora, 1942. 251 p.

DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira . Introdução Tadeu Chiarelli. Campinas: Mercado de Letras, 1995. 270 p. ( Arte: ensaios e documentos). ISBN 85-85725-14-1.

SOUZA, Gilda de Mello e. Pintura Brasileira contemporânea: os precursores. In: __________. Exercícios de leitura. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1980. 286 p. : ill. ; 21 cm. (Série Coleção O Baile das quatro artes)

MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, São Paulo, SP; AGUILAR, Nelson (Org.); SASSOUN, Suzanna (Coord.). Arte do século XIX. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 223 p., il. color. ISBN 85-87742-02-7.

MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP; AGUILAR, Nelson (org.); SASSOUN, Suzanna (coord.). Arte moderna. SÃO PAULO: Fundação Bienal de SÃO PAULO : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 255 p., il. color. ISBN 85-87742-06-X.

CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX . Prefácio Carlos Roberto Maciel Levy. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 292 p., il. p&b. color.

FREIRE, Laudelino. Um século de pintura : apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p., il., p&b.

PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Apresentação Antonio Houaiss; fotografia Antônio Luís Nicolay, Otávio Gomes Soares; texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Roberto Pontual, Carlos Cavalcanti, Flávio Mota, Aracy Amaral, Walter Zanini, Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p., il. p&b., color.

REIS JÚNIOR. História da pintura no Brasil . Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944. 409 p., il. p&b.

ZANINI, Walter (Org.). História geral da arte no Brasil - I. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães : Instituto Walther Moreira Salles, 1983. 490 p., il. color.

AMARAL, Aracy. Artes plásticas na Semana de 22 : subsídios para uma história da renovação das Artes no Brasil. 4.ed. São Paulo: Perspectiva, 1979. 335 p., il. p&b. (Debates, 27).

AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros - A/L. Rio de Janeiro: Spala, 1992. v. 1, p. 30-31

ARTE no Brasil. Prefácio Pietro Maria Bardi; introdução Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

AYALA, Walmir (Org.); CAVALCANTI, Carlos (Org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos - A - C. Apresentação Maria Alice Barroso. Brasília: MEC : INL, 1973. v. 1, pt. 1, il. p&b. (Dicionários especializados, 5).

AMARAL, Aracy. Artes plásticas na Semana de 22: subsídios para uma história da renovação das artes no Brasil. 4.ed. São Paulo: Perspectiva, 1979. 335 p., il. p.b., foto. (Debates, 27).

ARTE brasileira dos séculos XIX e XX nas coleções cearenses: pinturas e desenhos. Apresentação Max Perlingeiro. Fortaleza: Fundação Edson Queiroz. Espaço Cultural da UNIFOR, 1989. 132 p., il. p.b.

ARTE no Brasil. Introdução Pietro Maria Bardi, Oscar Niemeyer; comentário José Roberto Teixeira Leite, Ana Maria Jover, Ottaviano De Fiore, Ivo Zanini, Carlos Alberto Cerqueira Lemos. São Paulo: Abril Cultural, 1982. 319 p., il. p&b., color.

AYALA, Walmir (org.), CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos - A - C. Apresentação Maria Alice Barroso. Brasília: MEC: INL, 1973. v. 1, pt. 1, il. p&b. (Dicionários especializados, 5).

BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, SÃO PAULO, SP, AGUILAR, Nelson (org.). Bienal Brasil Século XX: catálogo. Apresentação Edemar Cid Ferreira; texto José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.

BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. 251 p.

CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Prefácio Carlos Roberto Maciel Levy. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 292 p., il. p&b. color.

DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira. Introdução Tadeu Chiarelli. Campinas: Mercado de Letras, 1995. 270p. (Arte: ensaios e documentos)

FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p., il., p&b.

MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP, AGUILAR, Nelson (org.), SASSOUN, Suzanna (coord.). Arte do século XIX. Apresentação Edemar Cid Ferreira; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 223 p., il. color.

MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP, AGUILAR, Nelson (org.), SASSOUN, Suzanna (coord.). Arte moderna. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 255 p., il. color.

PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Apresentação Antonio Houaiss; fotografia Antônio Luís Nicolay, Otávio Gomes Soares; texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Roberto Pontual, Carlos Cavalcanti, Flávio Mota, Aracy Amaral, Walter Zanini, Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p., il. p&b., color.

REIS JÚNIOR. Belmiro de Almeida 1858-1935. Prefácio Quirino Campofiorito. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1984. 120 p., il. p&b. color. (Série prata, 10).

REIS JÚNIOR. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944. 409 p., il. p&b.

SOUZA, Gilda de Mello e. Pintura Brasileira contemporânea: os precursores. In: __________. Exercícios de leitura. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1980. 286 p. : ill. ; 21 cm. (Série Coleção O Baile das quatro artes) 

ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. Apresentação de Walther Moreira Salles. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, Fundação Djalma Guimarães, 1983.