Artigo da seção pessoas Barandier

Barandier

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deBarandier: 1812 | Data de morte 1867 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Retrato do Barão de Irapuá , ca. 1850 , Barandier
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Biografia
(Claude) Joseph Barandier (Chambéry, Saboia, França ca. 1807- São Paulo, São Paulo, 1877). Pintor, decorador, professor. Inicia estudos com o professor de desenho e diretor da École de Peinture de Chambéry, Pierre-Emmanuel Moreau (1766-1833), que por sua vez fora aluno de Jacques-Louis David (1748-1825). Há indícios de que também tenha frequentado aulas do pintor Horace Vernet (1789-1863) em Paris entre 1828 e 1830. Recebe premiação da Academia Albertina em Turim em 1829. Realiza pinturas para igrejas em Saboia em 1833. Chega ao Brasil em 1838 a bordo do navio L’Orsan. Sua pintura é apreciada pela nobreza e Barandier torna-se frequentador do Paço Imperial. Participa das Exposições Gerais de Belas Artes (EGBA) da Academia Imperial (Aiba), desde sua primeira edição em 1840, quando exibe os quadros Morte de Camões (1840), Retrato do Cônego Januário da Cunha Barbosa e outras duas pinturas. Tais obras lhe garantem a condecoração de Cavaleiro da Ordem da Rosa, concedida pelo Império. Em 1845 exibe a pintura A Filha de Jefté. Pinta um retrato de dom Pedro I, inaugurado em 1859 na Associação Comercial da Bahia em um grande baile com a presença do Imperador. Transfere-se para São Paulo e em 1860 remete para a EGBA os quadros Costumes do Interior de São Paulo  e uma paisagem. Realiza retratos para alta sociedade local. Chega a Campinas em 1864, por indicação do presidente da Província de São Paulo, e oferece a execução de uma série de quadros bíblicos para a Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Conceição de Campinas. Em torno de 1864 viaja para Roma e outras cidades europeias, em acordo com o diretório da Catedral, com o objetivo de buscar inspiração para a série de quadros. Traz as telas esboçadas em 1866. No ano seguinte contrata como ajudante o futuro pintor Pedro Alexandrino (1856-1942), com apenas onze anos de idade. Finaliza o trabalho ainda em 1867. Não foram encontradas informações sobre as atividades de Barandier no período entre 1867 e 1877, exceto pelos registros de sua passagem por Saboia para o casamento de sua filha em 1876. Retorna à capital paulista, onde falece em 1877.

Comentário crítico
Claude Barandier ganha notoriedade no Brasil como hábil retratista, sendo o cromatismo intenso, a correção do desenho e da fatura marcas de sua produção que, somadas ao interesse por aspectos fisionômicos e expressivos do retratado, afirmam a singularidade de suas pinturas, e o tornam um dos retratistas preferidos pela família imperial.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Barandier:

  • Outros nomes
    • Claude Joseph Barandier
    • Claude-Joseph Barandier
    • Claudio Barandier
    • Claudio José Barandier
  • Habilidades
    • pintor

Obras de Barandier: (1) obras disponíveis:

Exposições (15)

Artigo sobre Missão Artística Francesa e Pintores Viajantes: França - Brasil no século XIX (1990 : Rio de Janeiro, RJ)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioMissão Artística Francesa e Pintores Viajantes: França - Brasil no século XIX (1990 : Rio de Janeiro, RJ): 11-1990  |  Data de término | 12-1990
Resumo do artigo Missão Artística Francesa e Pintores Viajantes: França - Brasil no século XIX (1990 : Rio de Janeiro, RJ):

Fundação Casa França-Brasil (Rio de Janeiro, RJ)

Fontes de pesquisa (21)

  • BOGHICI, Jean (org.). Missão Artística Francesa e pintores viajantes: França-Brasil no século XIX. Apresentação Michel Oyharcabal. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Brasil-França, 1990. 142 p., il. p&b., color. 759.981034 I59m
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Prefácio Carlos Roberto Maciel Levy. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 292 p., il. p&b. color. 759.981034 C198hi
  • ARAÚJO, Emanoel. O café. São Paulo: Praça do Banco Real. Exposição realizada no período de  28 ago. a 20 out. 2000.
  • ARTE no Brasil. Apresentação de Pietro Maria Bardi e Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. Introdução de Pietro M. Bardi e Oscar Niemeyer. Textos de Carlos A. C. Lemos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1982.
  • ARTE no Brasil. Prefácio Pietro Maria Bardi; introdução Pedro Manuel. São Paulo: Abril Cultural, 1979. v. 1. 709.81 A163ar v.1
  • AYALA, Walmir (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1980. v.4: Q a Z. (Dicionários especializados, 5).
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. 251 p. R703.0981 B813a
  • CAVALCANTI, Carlos (org.). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC / INL, 1973. v.1: A a C. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p. 759.981034 F866u
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p. R759.981 L533d
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. Exposições gerais da Academia Imperial e da Escola Nacional de Belas Artes : período monárquico, catálogo de artistas e obras entre 1840 e 1884.
  • MOURA, Carlos Eugênio Marcondes. Vida cotidiana em São Paulo no século XIX: memórias, depoimentos, evocações. São Paulo: Unesp, 1999.
  • PEIXOTO, Maria Elisabete Santos. A influência da França na pintura do Brasil. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: IHGB, ano 170, n. 444, jul - set , p. 393-409, 2009.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Texto Mário Barata, Lourival Gomes Machado, Carlos Cavalcanti et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p. R703.0981 P818d
  • ROCHET, Janie . L'École de déssin de Chambéry: de sa création a l'émergence de l'École de peinture (1777-1833). Université Pierre Mendès-France, 2010. < dumas-00730532> Disponível em: < http://dumas.ccsd.cnrs.fr/dumas-00730532 >. Acesso em: 01 ago.2015.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. 388 p. (Brasilian. Série 5ª: biblioteda pedagógica brasileira, 198). 709.81 R895p
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. 388 p. (Brasilian. Série 5ª: biblioteda pedagógica brasileira, 198). p. 59.
  • SILVA, Viviane Rummler. Pintores fundadores da Academia de Belas Artes da Bahia: João Francisco Lopes Rodrigues (1825-1893) e Miguel Navarro y Cañizares (1834-1913). Dissertação (Mestrado em Artes Visuais). Universidade Federal da Bahia/ Escola de Belas Artes, Salvador, 2008.
  • SIMÕES FILHO, Afranio M. Retratos baianos: Memória e Valor de Culto na Primeira República (1889-1930). Dissertação (Mestrado em artes visuais). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • BARANDIER . In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa22213/barandier>. Acesso em: 24 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7