Pessoas

Ribeiro Couto

Outros Nomes: Rui Ribeiro Couto
  • Análise
  • Biografia

    Rui Esteves Ribeiro de Almeida Couto (Santos SP 1898 - Paris, França 1963). Poeta, contista, cronista, ensaísta, romancista, diplomata e jornalista. Em 1912, ingressa no jornal santista A Tribuna, e mantém desde então uma intensa relação com o jornalismo. Muda-se para São Paulo, em 1915, para estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Três anos depois, ganha o concurso literário da revista A Cigarra com o poema Anhangabaú e com o dinheiro do prêmio muda-se para o Rio de Janeiro, onde conclui o curso de direito na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais. Trabalha nos periódicos Gazeta de Notícias e A Época. Nesse período, é apresentado ao poeta Manuel Bandeira (1886 - 1968), que se torna seu melhor amigo. Em 1921, publica seu primeiro livro de poemas, O Jardim das Confidências, com capa do artista plástico Di Cavalcanti (1897 - 1976), e, em 1922, a conselho médico, muda-se para Campos do Jordão, São Paulo, para se tratar de tuberculose. No mesmo ano, publica seus dois primeiros livros de contos, A Casa do Gato Cinzento e O Crime do Estudante Batista. Muda-se para Marselha, França, em 1928, como auxiliar no consulado do Brasil e, em 1931, transfere-se para Paris, como adido no consulado geral. Em 1934, é eleito para a cadeira número 26 da Academia Brasileira de Letras - ABL. Por causa de suas atividades diplomáticas, reside em países, como Holanda, Portugal, Suíça e Iugoslávia (na atual região de Sérvia e Montenegro). Aposenta-se em 1963.

Primeiras edições

Obra publicada no Brasil

Poesia
O Jardim das Confidências - 1921
Poemetos de Ternura e Melancolia - 1924
Um Homem na Multidão - 1926
Canções de Amor - 1928
Noroeste e Outros Poemas do Brasil - 1933
Província - 1933
Cancioneiro de Dom Afonso - 1939
Cancioneiro do Ausente - 1943
Rive Étrangère - 1951
Entre Mar e Rio - 1952
Jeux de l'Apprenti Animalier - 1955
Le Jour Est Long - 1958
Longe - 1961

Conto
A Casa do Gato Cinzento - 1922
O Crime do Estudante Batista - 1922
Baianinha e Outras Mulheres - 1927
Clube das Esposas Enganadas - 1933
Largo da Matriz e Outras Histórias - 1940

Crônica
A Cidade do Vício e da Graça (Vagabundagem pelo Rio Noturno) - 1924
Conversa Inocente - 1935
Barro do Município - 1956

Ensaio
Espírito de São Paulo - 1932
Presença de Santa Teresinha - 1934
Sentimento Lusitano - 1961

Romance
Cabocla - 1931
Prima Belinha - 1940

Biografia
Dois Retratos de Manuel Bandeira - 1960
Três Retratos de Manuel Bandeira - 2004*

* Obra póstuma

Teatro
Nossos Papás - 1921

Viagem
Chão de França - 1935

Traduções e edições estrangeiras

Obra publicada no exterior

Francês
L'Enfant et l'École Nouvelle au Bresil. Marseille: Cahiers du Sud, 1930.
Enfance [Infância]. Tradução Jean Duriau. Marseille: Cahiers du Sud, 1937.
Presence de la Petite Therèse [Presença de Santa Teresinha]. Tradução Manuel Gahisto. Paris: Librairie Plon, 1937.
Nuit Tropicale [Baianinha e Outras Mulheres]. Tradução Jean Duriau. Paris: Nouvelles Éditions Latines: Fernand Sorlot, 1939.
Arc-en-Ciel. Tradução Vicente do Rêgo Monteiro. Paris: La Presse à Bras, 1949.
Mal du Pays. Tradução Vicente do Rêgo Monteiro. Paris: La Presse à Bras, 1949.
Le Jour Est Long [O dia é longo]. Tradução do autor. Paris: Pierre Seghers, 1958.


Húngaro
Santosi Versek. Tradução Ronai Pál Forditásai. [Budapeste]: Officina, 1940.


Italiano
Lungogiorno: Liriche [Dia Longo]. Tradução Enzio Di Poppa. Siena: Maia, 1955.
Cabocla. Tradução Giuliana Centazzo. Siena: Maia, 1963.
Laggiú [Longe]. Tradução Giuliana Centazzo. Roma: Associazione Internazionale di Poesia, 1963.
Nostalgia. Tradução Enzio di Poppa. Padova: Rebellato, 1963.

Russo
Kanconijero odsutnoga [Cancioneiro do ausente] Tradução Ante Cettineo. Beograd: Ambasada Brazila, 1987.

Servo-croata
Dugi Dan [Dia Longo]. Tradução Ante Cettineo. Zagreb: Zora, 1952.
Kabocla [Cabocla]. Tradução Ante Cettineo. Zagreb: Zora, 1956.

Sueco
Dikter [Poesias]. Tradução Per G. Ekström e Arne Lundgren. Stockholm: Gumperts Förlag, 1951.