Artigo da seção pessoas Eduardo de Sá

Eduardo de Sá

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deEduardo de Sá: 01-04-1866 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 17-12-1940 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Retrato do Escultor Eduardo Sá , 1910 , Arthur Timótheo da Costa

Biografia

Eduardo de Sá (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1866 - idem 1940). Escultor, pintor e restaurador. Frequenta aulas particulares de pintura com Rodolfo Bernardelli (1852-1931)[1]. Entre 1883 e 1887, estuda na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba) com José Maria de Medeiros (1849-1925), Pedro Américo (1843-1905) e Victor Meirelles (1832-1903), com quem estabelece maior vínculo. Como estudante da Academia, é premiado diversas vezes.

Em 1888, com recursos próprios, estuda na Académie Julian, em Paris, onde é aluno de Gustave Boulanger (1824-1888) e Jules Lefebvre (1834-1912). Prefere os cursos livres de arte em oposição à rigidez das academias. Integra, ao lado de Décio Villares (1854-1931) e Virgílio Lopes Rodrigues (1863-1944), um movimento para a fundação da Academia Livre de Belas-Artes, no Rio de Janeiro em 1893. Uma exposição é organizada em benefício do projeto, mas a eclosão da Revolta da Armada impede a abertura da mostra e os planos da Academia.

Realiza exposições individuais entre 1888 e 1898, a última intitulada Exposição da Arte Republicana. Adepto das teorias do positivismo, suas obras – realizadas no Rio de Janeiro – detêm-se sobre temas cívicos, como o Monumento a Floriano Peixoto (1910), instalado na Cinelândia. Dentre as obras situadas em espaços públicos destacam-se os baixos-relevos no Monumento a Benjamin Constant (1826), localizado no Campo de Santana, os bustos de Castro Alves (1913) e Victor Meirelles (1925), no Passeio Público, e o Monumento a São Francisco de Assis (1927), na Praça Juarez Távora.

Análise

Eduardo de Sá inicia a carreira como pintor, com produções de influência neoclássica. Seu trabalho privilegia a concepção da obra, inspirada no sentimento de amor às coisas pátrias[2]. Por isso, a importância da composição em pinturas como Leitura da Sentença de Tiradentes (1921), na qual os gestos e as expressões de cada figura indicam os conflitos que estruturam a cena. Na alegoria José Bonifácio, a Fundação da Pátria (ca. 1900), o estadista medita sobre a bandeira imperial rodeado por espectros que parecem representar uma futura miscigenação.

Na década de 1900, dedica-se, também, à escultura, projetando o Monumento a Floriano Peixoto. O projeto de Sá é preferido ao de Correia Lima (1878-1974), mas sua inexperiência nesta linguagem gera apreensão da crítica. Alguns críticos o censuraram por um  acabamento grosseiro que se nota próximo da obra. Mas para Gonzaga Duque (1863-1911), tal aspecto não resulta em prejuízo, devido às características peculiares da escultura monumental, feita para obter clareza e expressividade a grande distância[3]. No topo do monumento, vê-se Floriano Peixoto em trajes militares, envolvido pela bandeira nacional, que forma o relevo dos bustos de Tiradentes (1746-1792), José Bonifácio (1763-1838) e Benjamin Constant (1833-1891). Quatro grupos escultóricos inspirados em poemas brasileiros constituem a base do monumento: “Anchieta”, “Caramuru” (1781), de Frei Santa Rita Durão (1722-1784), “I-Juca Pirama”, de Gonçalves Dias (1823-1864) e “A Cachoeira de Paulo Afonso” (1876), de Castro Alves (1847-1871), juntos compondo uma alegoria da formação da pátria.

Notas

1. COSTA, Angyone. A inquietação das abelhas. Rio de Janeiro: Pimenta de Mello & Cia., 1927. p. 41.

2. COSTA, Angyone, op. cit., p. 35-43.

3. A obra foi encomendada pelo Clube Militar do Rio de Janeiro, cujas regras para o concurso estabeleciam a escolha de um artista adepto das ideias florianistas. In: DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Benedicto de Souza, 1929. p. 197-206.

Outras informações de Eduardo de Sá:

Obras de Eduardo de Sá: (6) obras disponíveis:

Representação (1)

Exposições (3)

Fontes de pesquisa (18)

  • VIANA, E. C. Araújo. As Artes Plásticas no Brasil. Revista do do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, Tomo LXXVIII, 1915.
  • ACQUARONE, Francisco. História da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Oscar Mano & Cia, 1939.
  • ACQUARONE, Francisco. História das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Americana, 1980.
  • CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da república no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p. 42-45.
  • CAVALCANTI, Carlos; AYALA, Walmir, org. Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Apres. Maria Alice Barroso. Brasília: MEC/INL, 1973-1980. p. 127. (Dicionários especializados, 5).
  • DUQUE, Gonzaga. Estátua do Marechal Floriano por Eduardo de Sá. In: ______. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Tipografia Benedicto de Souza, 1929. p. 197-206.
  • DUQUE, Gonzaga. Impressões de um amador: textos esparsos de crítica (1882-1900). Organização Júlio Castañon Guimarães, Vera Lins. Belo Horizonte: Editora UFMG / Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2001.
  • FONTAINHA, Afonso. História dos monumentos do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: [s.n.], 1963.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 677 p.
  • GUIMARÃES, Argeu. História das artes plásticas no Brasil. Revista do Instituto Histórico e Geográphico Brasileiro, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, volume IX, p. 401-497, 1930. Número especial.
  • GULLAR, Ferreira et al. 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. Exposições gerais da Academia Imperial e da Escola Nacional de Belas Artes: período monárquico, catálogo de artistas e obras entre 1840 e 1884. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1990. 317 p. / v.1
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. Subsídios para a história da escultura, gravura e desenho do Rio de Janeiro: 1889-1930. Rio de Janeiro: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, s.d.
  • O MUSEU Histórico Nacional. Prefácio de Solange de Sampaio Godoy. Editado por Solange de Sampaio Godoy. Textos de Abbadia Cararelli et al. São Paulo: Banco Safra, 1989.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • EDUARDO de Sá. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21771/eduardo-de-sa>. Acesso em: 17 de Out. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7