Artigo da seção pessoas Albert Henschel

Albert Henschel

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deAlbert Henschel: 13-06-1827 Local de nascimento: (Alemanha / Berlim / Berlim) | Data de morte 30-06-1882 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Vista Geral de Friburgo (Rio de Janeiro) , ca. 1875 , Albert Henschel

Biografia

Albert Henschel (Berlim, Alemanha 1827 - São Paulo, São Paulo, 1882). Fotógrafo. Sabe-se pouco de sua vida antes de 1866, quando aporta no Recife com o compatriota Karl Heinrich Gutzlaff, vindos da Alemanha. Nessa cidade, os dois imigrantes associam-se a Julio dos Santos Pereira, mas no mesmo ano desfazem a sociedade e abrem o estúdio Alberto Henschel & Cia., que em seguida passa a chamar-se Photographia Allemã. Henschel separa-se de Gutzlaff, provavelmente no início de 1868, quando viaja à Europa para se atualizar tecnicamente e adquirir equipamentos para seu novo ateliê. Por volta de 1867, inaugura um estabelecimento na Bahia e, três anos depois, no Rio de Janeiro. Na década de 1870, na capital do império, torna-se sócio de Francisco Benque na firma Henschel & Benque. Comercializando sobretudo retratos, paisagens e fotopinturas produzidas pelo artista alemão Papf, o empreendimento tem grande sucesso na corte, e em 1874 recebem o título de Fotógrafo da Casa Imperial. Participam das exposições da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba em 1872 e 1875, e recebem medalha de ouro na primeira delas. Na década de 1880, no Rio de Janeiro, Henschel volta a administrar seu estúdio sozinho e, em 1881, abre uma filial em São Paulo, chamada Photographia Imperial, porque o nome Casa Photographia Allemã já é utilizado por outro ateliê. Suas empresas conquistam grande prestígio, sendo o nome de Henschel utilizado mesmo após seu falecimento.

Análise

Albert Henschel é considerado um dos mais bem-sucedidos empresários fotógrafos que atuam no Brasil na segunda metade do século XIX. Seus estabelecimentos comerciais oferecem sobretudo retratos e, em menor escala, paisagens, sendo que Henschel procura mantê-los sempre atualizados em relação às novidades técnicas do mercado.

Como esses estabelecimentos empregam vários assistentes e o fotógrafo freqüentemente atua em sociedades, é difícil saber quando as imagens produzidas nesses estúdios são de sua autoria. A maior parte dos retratos segue o padrão estético do carte-de-visite. Feitos em estúdio, nos retratos, os modelos são mostrados em poses rígidas, ambientados em cenários montados com cortinas, colunas, mesas, cadeiras e balaústres, que, além de servir de apoio nas poses, representam signos do status almejado pelo cliente.

Os estúdios de Henschel tornam-se referência em retratos de crianças, pois são equipados com materiais capazes de tirar instantâneos e um dos primeiros a mostrá-las com roupas infantis e não como pequenos adultos, o que é comum no período.

No fim dos anos 1860, as casas de Recife, Salvador e Rio de Janeiro produzem também retratos de pessoas de origem africana, escravas e livres. Se comparadas às imagens feitas na mesma década pelo fotógrafo português José Christiano Júnior, no Rio de Janeiro, as fotos de Henschel diferenciam-se por mostrar os negros à vontade, com altivez e dignidade. Esses retratos seguem o mesmo padrão dos cartes-de-visite dos senhores e, neles, as pessoas são apresentadas como indivíduos, não como artefatos de curiosidade ou padrões étnicos.

Outras informações de Albert Henschel:

  • Habilidades
    • fotógrafo

Obras de Albert Henschel: (21) obras disponíveis:

Todas as obras de Albert Henschel:

Exposições (19)

Artigo sobre Poses e Trejeitos na Era do Espetáculo: a fotografia e as exposições universais no século XIX (1993 : São Paulo, SP)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioPoses e Trejeitos na Era do Espetáculo: a fotografia e as exposições universais no século XIX (1993 : São Paulo, SP): 25-03-1993  |  Data de término | 15-04-1993
Resumo do artigo Poses e Trejeitos na Era do Espetáculo: a fotografia e as exposições universais no século XIX (1993 : São Paulo, SP):

Casa da Fotografia Fuji

Artigo sobre Rio: primeiras poses – Visões da cidade a partir da chegada da fotografia (1840-1930) (2015 : Rio de Janeiro, RJ)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioRio: primeiras poses – Visões da cidade a partir da chegada da fotografia (1840-1930) (2015 : Rio de Janeiro, RJ): 2015  |  Data de término | 31-12-2015
Resumo do artigo Rio: primeiras poses – Visões da cidade a partir da chegada da fotografia (1840-1930) (2015 : Rio de Janeiro, RJ):

Instituto Moreira Salles (Rio de Janeiro, RJ)

Fontes de pesquisa (15)

  • FERREZ, Gilberto; NAEF, Weston J. Pioneer photographers of Brazil : 1840 - 1920. New York: The Center for Inter-American Relations, 1976. 143 p.
  • VASQUEZ, Pedro Karp. Fotógrafos Alemães no Brasil do Século XIX: Deutsche Fotografen des 19. Jahrhunderts in Brasilien. São Paulo: Metalivros, 2000. 203 p., il. p&b.
  • CHIARELLI, Tadeu. Para ter algum merecimento: Victor Meirelles e a fotografia. In: Boletim n. 01 do Grupo de Estudos do Centro de Pesquisa em Arte e Fotografia da ECA/USP. São Paulo, 2006. 86 p., il. p&b.
  • FABRIS, Annateresa (Org.). Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: Edusp, 1991. (Coleção texto & arte, 3).
  • FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1).
  • FREYRE, Gilberto; PONCE DE LEON, Fernando; VASQUEZ, Pedro Karp. O retrato brasileiro: fotografias da Coleção Francisco Rodrigues, 1840-1920. Rio de Janeiro: Funarte. Fundação Joaquim Nabuco, 1983. 100 p.
  • KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.
  • KOSSOY, Boris. Origens e expansão da fotografia no Brasil : século XIX. Prefácio Boris Kossoy. Rio de Janeiro: Funarte, 1980. 128 p.
  • KOSSOY, Boris; CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O olhar europeu: o negro na iconografia brasileira do século XIX. São Paulo: Edusp, 1994. 240 p.
  • LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira; AMARAL, Aracy; BERNARDET, Jean-Claude. Retratos quase inocentes. São Paulo: Nobel, 1983. 198 p., il. p&b.
  • RETRATOS modernos. Tradução Carlos Luís Brown Scavarda. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 240 p., il. p&b.
  • TURAZZI, Maria Inez. Poses e trejeitos: a fotografia e as exposições na era do espetáculo: 1839/1889. Rio de Janeiro: Funarte. Rocco, 1995. 309 p. (Coleção Luz & Reflexão, 4).
  • VASQUEZ, Pedro Karp. A Fotografia no Império. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002. 72 p., il. p&b.
  • VASQUEZ, Pedro Karp. Mestres da fotografia no Brasil: Coleção Gilberto Ferrez. Tradução Bill Gallagher. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1995. 272 p.
  • VASQUEZ, Pedro Karp. Dom Pedro II e a fotografia no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho: Companhia Internacional de Seguros: Ed. Index, 1985. 243 p.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ALBERT Henschel. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21607/albert-henschel>. Acesso em: 18 de Jun. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7