Artigo da seção pessoas Arrigo Barnabé

Arrigo Barnabé

Artigo da seção pessoas
Música / cinema  
Data de nascimento deArrigo Barnabé: 14-09-1951 Local de nascimento: (Brasil / Paraná / Londrina)

Biografia
Arrigo Barnabé (Londrina, Paraná, 1951). Compositor, instrumentista e cantor. Muda-se para São Paulo em 1970 para estudar na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP). De 1974 a 1979 cursa música na Escola de Comunicações e Artes da mesma universidade (ECA/USP), formando-se em composição. Tem aulas de piano com Eduardo Hazan e Caio Pagano (1940) e de composição com Willy Correa de Oliveira.

Em 1972, inicia a composição do disco Clara Crocodilo. Em 1979, participa do Festival Universitário da TV Cultura com a canção Diversões Eletrônicas, em parceria com Regina Porto, ganhando o primeiro prêmio. No ano seguinte, lança o disco Clara Crocodilo, produção independente de Robinson Borba, relançado em 1983 pela major Barclay/Ariola. O trabalho conta com a participação da banda Sabor de Veneno.

Em 1983, compõe a Saga de Clara Crocodilo para a Orquestra Sinfônica Juvenil do Estado de São Paulo e grupo de rock. Escreve a trilha sonora do filme Janete, de Chico Botelho, recebendo o prêmio da categoria no festival de Gramado. Lança Tubarões Voadores em 1984, eleito pela revista francesa Jazz Hot como um dos mais importantes discos do mundo. Grava o LP Suspeito (1987) e lança a trilha do filme Cidade Oculta, de Chico Botelho, que ganha prêmio no Riocine Festival.

Com Paulo Braga e Péricles Cavalcanti lança Façanhas (1992). Sua peça Nunca Conheci Quem Tivesse Levado Porrada, para a Orquestra Jazz Sinfônica, banda de rock e quarteto de cordas é apresentada em São Paulo, em 1994. Dois anos depois é convidado para Sonidos de las Américas: Brasil, em Nova York. Monta e grava a opereta Gigante Negão (1998), com participação de Itamar Assumpção (1949-2003). Em 2004, lança a coletânea 25 Anos de Clara Crocodilo, que inclui as obras Clara Crocodilo, Tubarões Voadores, Gigante Negão, A Saga de Clara Crocodilo e Uma Suíte a Quatro Mãos. No mesmo ano, grava o réquiem Missa in Memorian - Arthur Bispo do Rosário e idealiza e apresenta o programa Supertônica, na Rádio Cultura de São Paulo. Em 2005, escreve a ópera Enquanto Estiverem Acesos os Avisos Luminosos, com libreto e direção de Bruno Bayen. Lança outro réquiem, Missa in Memorian - Itamar Assumpção, em 2007.

Sob encomenda do grupo de percussão Drumming, compõe Caixa da Música e Out of Cage, peças cênicas para percussão, estreadas no Teatro Nacional São João, em Porto, sob direção de Ricardo Pais, em 2008. Também lança Arrigo Barnabé & Paulo Braga - Ao Vivo em Porto. No ano seguinte, grava o DVD Metamorfose, com a Orquestra a Base de Corda, em Curitiba. Entre 2010 e 2011, dedica-se ao show Arrigo Barnabé em Caixa de Ódio, interpretando canções de Lupicínio Rodrigues, com lançamento de DVD.

É responsável por diversas trilhas sonoras para cinema e participa como ator dos filmes Nem Tudo É Verdade (1984), de Rogério Sganzerla (1946-2004), interpretando Orson Welles, e Anjos da Noite (1987), de Wilson Barros (1948-1992), além da novela da Globo Direito de Amar (1987).

Comentário crítico
A obra do escritor Ezra Pound (1885-1972), que acredita que para escrever é necessário estar atento aos sons das palavras, influencia o músico. Pound também ressalta os aspectos da sonoridade de escritores provençais, levando Arrigo a criar o personagem Clara Crocodilo, que remete a sonoridades e simbologias antagônicas, como em Aura Amara, de Arnault Daniel (1150-1210). Os compositores Béla Bartók (1881-1945) e Igor Stravinsky (1882-1971) e as ideias sobre composição de Arnold Schöenberg (1874-1951) também são influências importantes. Sua formação erudita é estimulada por seus pais e o irmão Paulo, também músico, criador da Patife Band, que participa com ele de projetos conjuntos.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Arrigo Barnabé:

Espetáculos (6)

Exposições (3)

Eventos relacionados (7)

Fontes de pesquisa (10)

  • CAVAZOTTI, André. O serialismo e o atonalismo livre aportam na MPB: as canções do LP Clara Crocodilo de Arrigo Barnabé. Belo Horizonte, v. 1, 2000. p. 5-15. Disponível em: http://musica.ufmg.br/permusi/port/numeros/01/num01_cap_01.pdf.
  • BARNABÉ, Arrigo. Caixa de ódio. Disponível em  <http://www.cronopios.com.br/tv-cronopios-shows/arrigo_barnabe/ . Acesso em 11 jan. 2012.
  • CAMPOS, Diego de Morais . Labirintos pós-tropicalistas: Arrigo Barnabé na história musical brasileira. [PDF] de revistachronidas.com.br, 2009.
  • NESTROVSKI, Arthur (Org.). Música popular brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2002.
  • OLIVEIRA, Laerte Fernandes de. Em um porão em São Paulo: o Lira Paulistana e a produção alternativa. São Paulo: Annablume, 2002.
  • Programa do espetáculo - Desconhecidos Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Esperando Godot - 1998. Não Catalogado
  • SOUZA, Tárik de. Microfones abertos: com a última palavra, Arrigo Barnabé. In: O som nosso da cada dia. Porto Alegre: L&PM, 1983, p. 195-199.
  • STROUD, Sean. Música popular brasileira experimental: Itamar Assumpção, a vanguarda paulista e a tropicália. Revista USP, São Paulo, n. 87, nov. 2010 Disponível em : http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13832/15650 Acesso em: 27 nov. 2013.
  • THUNDERBIRD. Showlivre.com 5 ago. 2008. Disponível em  http://youtu.be/OyGN8LP0G8w Acesso em 11 jan. 2012.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ARRIGO Barnabé. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21604/arrigo-barnabe>. Acesso em: 27 de Mai. 2017. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7