Artigo da seção pessoas Hagedorn

Hagedorn

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deHagedorn: 1814 Local de nascimento: (Alemanha) | Data de morte 1889 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)
Imagem representativa do artigo

Vista do Bairro da Glória , ca. 1860 , Hagedorn
Reprodução fotográfica Raul Lima

Biografia

Friedrich Hagedorn (Alemanha, 1814 – Rio de Janeiro, 1889). Pintor, aquarelista e gravurista. Encontra-se no Rio de Janeiro por volta de 1850. Em 1854, possui ateliê fixo na cidade, anunciado algumas vezes no Almanaque Laemmert. Realiza um grande panorama da cidade, tomado do Morro da Conceição, e edita-o em litogravura. A bibliografia a respeito do artista indica que percorre as cidades de Teresópolis, Petrópolis, Niterói e a baixada Fluminense, no estado do Rio de Janeiro, além das províncias de Minas Gerais, Bahia e Pernambuco, representando as paisagens desses locais.

Parece ter visitado o Maranhão, como sugerem três litografias pertencentes ao acervo da Biblioteca Nacional de Portugal. Em 1855, executa o grande panorama do Recife, formado por três partes distintas, e logo em seguida litografadas. Apresenta trabalhos na Exposição Geral de Belas Artes de 1859 e de 1862. 

Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, produz dezenas de vistas e panoramas em guache, têmpera, aquarela e, em quantidade bem menor, óleo. Muitos desses trabalhos, também transformados em gravuras ou litografias, são editados pela Litografia Lemercier, em Paris. Pelo menos um, o panorama Rio de Janeiro – A Entrada da Barra (Babilônia), é editado por George Leuzinger (1813-1892). Tem pinturas e reproduções apresentadas na Exposição de História do Brasil, em 1881. Suas obras estão representadas em diversos museus no Brasil, nos Estados Unidos e na Europa.

Análise

Hagedorn faz seu nome como pintor de vistas e panoramas, apesar de suas obras serem pouco elaboradas, se comparadas às de outros artistas estrangeiros atuantes no país durante a segunda metade do século XIX. Os recursos plásticos são limitados ao representar paisagens, e as figuras humanas – invariavelmente secundárias nas obras – são canhestras. 
Entretanto, poucos são os artistas da época que produzem tanto e têm suas imagens tão difundidas no Brasil e no exterior. Tal resultado é fruto do trabalho de divulgação que desenvolve desde a vinda para o país, no início da década de 1850.

Hagedorn percebe o potencial de mercado em torno da compra de imagens da paisagem brasileira e dedica-se a essa produção. Dá preferência a meios menos nobres, todavia mais rápidos e flexíveis, como o guache e a aquarela, e cria panoramas de cidades brasileiras, em especial da capital do Império, o Rio de Janeiro. O objetivo final é litografar esses trabalhos e aumentar a distribuição deles, em parceria informal que estabelece por anos com a conhecida Oficina Lemercier, de Paris. 

Esse direcionamento artístico comercial (aliado à falta de qualidade plástica nos trabalhos) é o possível responsável pela exclusão do nome de Hagedorn da apreciação contemporânea de críticos e historiadores do século XIX. É, entretanto, essa estratégia do artista que garante a penetração de sua obra no mercado das artes plásticas da época, superior a de artistas brasileiros renomados do período.

Outras informações de Hagedorn:

  • Outros nomes
    • Frederico Hagedorn
    • Friedrich Hagedorn
    • Fryedeysh Hagedorn
  • Habilidades
    • Pintor

Obras de Hagedorn: (5) obras disponíveis:

Exposições (20)

Artigo sobre O Brasil dos Viajantes

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioO Brasil dos Viajantes: 20-10-1994  |  Data de término | 18-12-1994
Resumo do artigo O Brasil dos Viajantes:

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp)

Eventos relacionados (1)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (8)

  • GULLAR, Ferreira et al. 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • O BRASIL DO SÉCULO XIX na coleção Fadel. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Sergio Fadel, 2004.
  • PEIXOTO, Maria Elizabete Santos. Pintores alemães no Brasil durante o século XX. Prefácio de Elmer Correa Barbosa. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1989.
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo. Coleção Brasiliana/ Fundação Estudar. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2010.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • VISÕES do Rio na Coleção Geyer. Petrópolis: Museu Imperial; Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000.
  • ZANINI, Walter (Coord.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. v.2.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • HAGEDORN . In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21368/hagedorn>. Acesso em: 19 de Nov. 2018. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7