Pessoas

Clodomiro Amazonas

Outros Nomes: Clodomiro Amazonas Monteiro | C. Amazonas
  • Análise
  • Biografia
    Clodomiro Amazonas Monteiro (Taubaté SP 1883 - São Paulo SP 1953). Pintor e restaurador. Inicia-se em pintura aos 16 anos, realizando restaurações em telas e afrescos do Convento Santa Clara, em Taubaté. Estuda com o pintor Augusto Luís de Freitas (1868 - 1962) no fim da década de 1890. Interessado em promover atividades culturais, funda na cidade, em 1905, a Associação Artística e Literária. Passa a viver em São Paulo em 1906, quando entra em contato com a obra de Baptista da Costa (1865 - 1926) e tem aulas com o pintor Carlo de Servi (1871 - 1947). Paralelamente às atividades artísticas, trabalha em repartições públicas e atua como ilustrador para publicações como a Revista da Semana. A partir de 1924 dedica-se exclusivamente à pintura. Mantém contato com intelectuais, escritores e artistas como Monteiro Lobato (1882 - 1948), Menotti del Picchia (1892 - 1988), Lucílio de Albuquerque (1877 - 1939) e Georgina de Albuquerque (1885 - 1962) e Pedro Alexandrino (1856 - 1942), entre outros. É um dos fundadores do Salão Paulista de Belas Artes, em 1934. Torna-se principalmente pintor de paisagens paulistanas, utilizando óleo, aquarela, carvão e pastel.

    Comentário Crítico
    No início de sua trajetória artística, Clodomiro Amazonas atua como restaurador e posteriormente dedica-se à ilustração de várias publicações, como A Revista da Semana. Torna-se um pintor essencialmente paisagista. Suas telas são conhecidas pelas vistas de matas fechadas, riachos e colinas com árvores coloridas do interior de São Paulo, como em Caminho com Jacarandá Paulista (1935). Mantém-se à parte das inovações do movimento modernista, permanecendo fiel a uma fatura mais tradicional. Sua produção permite a aproximação com a pintura de Baptista da Costa (1865 - 1926), pela maneira de representar a natureza e pela paleta harmoniosa.

    As obras do início da carreira de Clodomiro Amazonas apresentam pinceladas lisas e composições mais detalhadas. Posteriormente realiza uma fatura com pinceladas mais amplas, utilizando também a espátula. Como nota a historiadora da arte Ruth Tarasantchi, o artista trabalha com croquis nos locais, passando-os depois para a tela, no ateliê; outras vezes, usa registros de fotografias, tiradas por ele mesmo, e cartões-postais, como em Trecho da Praia de Itapuca, em Niterói. Os mesmos procedimentos e temas são empregados por outros artistas, como Wasth Rodrigues (1891 - 1957) e Oscar Pereira da Silva (1867 - 1939).

    Considerado pela crítica em sua época como o "verdadeiro pintor brasileiro",1 Clodomiro Amazonas cria paisagens poéticas, em que se destacam exemplares da flora brasileira, como ipês, quaresmeiras e embaúbas, com perspectivas amplas e uma paleta de tons luminosos.

    Notas
    1 Citado em TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: EDUSP; Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 254.

Conteúdos Relacionados

Pessoas

Exposições

Exibir

Fontes de Pesquisa

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p., il. p&b., color.

PINACOTECA DO ESTADO (SÃO PAULO, SP) (Org.). DEZENOVEVINTE : uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986. 126 p., il. p&b. color. Quadro Cronológico.

PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. 559 p., il. p&b., color.

GALLAS, Alfredo G. (coord.). 100 obras Itaú. São Paulo: Itaugaleria, 1985. 210 p., il. color.

CAMARGO, Armando de Arruda (org.); LOBO, Hélio de Sá (org.); AZEVEDO, João da Cruz Vicente de (org.). A Paisagem brasileira : 1650- 1976. Apresentação Duilio Crispim Farina; fotografia Miguel Martins. Sao Paulo: Sociarte, Paço das Artes, 1980. il. color.

DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti. Brasília: INL, 1973-1980. v.1, il., (Dicionários especializados, 5).

SEIS grandes pintores. Santos: Fundação Pinacoteca Benedicto Calixto, 1993. 116 p., il. color.

TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas : São Paulo 1890 a 1920. Apresentação Maria Cecília França Lourenço. São Paulo: Edusp : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2002. 391 p., il. color. ISBN 85-314-0598-X.

LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1985: seu mercado, seus leilões. Prefácio Pietro Maria Bardi, Mino Carta. São Paulo: J. Louzada, 1984.

SALÃO Paulista DE Belas-Artes, 18. XVIII Salão Paulista de Belas-Artes, 1953. São Paulo: Galeria Prestes Maia.

Sociarte: Notícias. São Paulo: n.61, ano VI, 08/1987.

GALLAS, Alfredo G. (coord.). 100 obras Itaú. São Paulo: Itaugaleria, 1985. 210 p., il. color.

CAMARGO, Armando de Arruda (org.); LOBO, Hélio de Sá (org.); AZEVEDO, João da Cruz Vicente de (org.). A Paisagem brasileira: 1650-1976. Apresentação Duilio Crispim Farina. São Paulo: Sociarte, Paço das Artes, 1980. il. color.

DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: INL, 1973-1980. 4v., il., (Dicionários especializados, 5).

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. 555 p., il. p&b., color.

PINACOTECA DO ESTADO (SÃO PAULO, SP) (org.). Dezenovevinte: uma virada no século. Apresentação Jorge da Cunha Lima; texto Maria Cecília França Lourenço, Ruth Sprung Tarasantchi, Carlos Alberto Cerqueira Lemos, Maria Inez Turazzi, Anna Carboncini, Maria Cristina Castilho Costa. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986. 126 p., il. p&b. color. Quadro Cronológico.

TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. Apresentação Maria Cecília França Lourenço. São Paulo: Edusp : Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2002. 391 p., il. color.